Pular para o conteúdo principal

A minha gripe A


Apanhei gripe A, mas estou de volta! Como profissional de saúde sinto obrigação de escrever algumas linhas sobre a gripe A para esclarecer melhor os leitores sobre esta doença a que, estou convencida, poucos com idade inferior a 50 anos irão escapar. Esta suspeita baseia-se, entre outros factos, nos números do último comunicado do Ministério da Saúde, disponível no Portal da Saúde, que faz o ponto de situação da gripe A em Portugal:

"Na semana de 2 a 8 de Novembro, foram observados nos serviços de saúde 14.111 doentes com sintomas de gripe, independentemente da confirmação laboratorial dos vírus em causa."

A gripe A está a alastrar a um ritmo que se pode dizer assustador. Segundo o referido comunicado, "a actividade gripal centra-se predominantemente em ambiente escolar". Fiquei também convencida disto porque adoeci ao mesmo tempo que o meu filho de onze anos, que me informou que cerca de metade dos colegas da sua turma também estavam doentes. Ficámos os dois uma semana em casa a paracetamol, vitamina C e líquidos mornos (convém ter um termo com uma infusão açucarada na cabeceira da cama!). Li que o Tamiflu abrevia um pouco a evolução da doença, mas tem efeitos colaterais indesejáveis, sendo só prescrito em situações especiais avaliadas pelo médico. Felizmente correu tudo bem e já voltámos às nossas actividades normais.

Mas vamos aos sintomas. São idênticos aos da gripe sazonal mas mais agudos e, em geral, sem congestão nasal. É comum o doente apresentar febre acima dos 38 graus, acompanhada de tosse seca, dor de cabeça (a dor de cabeça constante é difícil de suportar!), dor nos músculos e nas articulações e alguma dificuldade em respirar. Em cerca de um terço dos casos, a doença pode passar despercebida.

Os sintomas podem ter início no período de três a sete dias após o contacto com o vírus influenza A (H1N1). Este vírus contém material genético suíno, de aves e humano. A forma do vírus parece facilitar o contágio e a disseminação do vírus no meio celular.

Se tiver os sintomas referidos siga as recomendações do Ministério da Saúde:

"O Ministério da Saúde reforça a indicação aos cidadãos para que, em caso de sintomas de gripe, contactem de imediato a Linha de Saúde 24 (808 24 24 24) e sigam as indicações que lhes são dadas."

Liguei para a Linha de Saúde 24 e fui muito bem atendida. É certo que tive de esperar seguramente quinze minutos, que foram rapidamente esquecidos pela simpatia de quem me ouviu e esclareceu do outro lado da linha. Depois fui ao Centro de Saúde e fiquei em casa à espera que a doença passasse. Ainda bem que passou.

Imagem: http://www.acores.net/noticias/view-35878.html
3 comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Leite sem lactose não é para diabéticos

Ontem de tarde, durante a consulta de atendimento a diabéticos, um dos utentes pôs-me a questão se o leite sem lactose seria o melhor para os diabéticos. A dúvida faz todo o sentido uma vez que a lactose é o açúcar natural do leite. No entanto, este leite foi criado para pessoas intolerantes à lactose, que não digerem bem o leite por deficiente produção de lactase, a enzima necessária ao desdobramento da lactose.

Então porque é que é que o leite com 0% lactose não é bom para diabéticos?

A lactose é um hidrato de carbono complexo (dissacárido) formada por duas moléculas de hidratos de carbono simples, a glicose e a galactose (monossacáridos). O leite com 0% lactose não tem, de facto lactose, mas tem os seus constituintes, a glicose e a galactose, que são açúcares simples que fazem subir a glicémia (glicose no sangue) mais facilmente. Quem prova este leite não tem dúvidas: ele é mais doce e foi por isso que o referido doente estranhou e me apareceu com o pacote de leite sem lactose na mão…

COUVE LOMBARDA SALTEADA

Ontem para o jantar fiz couve lombarda salteada com bifinhos de peru grelhados.  É um prato super fácil de fazer que se prepara em 15 minutos.

INGREDIENTES (para quatro pessoas)
Meia couve lombarda
1 cenoura
2 colheres de sopa de azeite
2 dentes de alho
sal marinho q.b.

Depois de lavar a couve, corte-a em juliana. Descasque e rale a cenoura. 
Numa frigideira coloque o azeite e os alhos picados até estes começarem a fritar. Junte a couve, a cenoura e um pouco de sal. Deixe cozinhar cerca de oito minutos mexendo com frequência (se gostar da couve mais cozida deixe cozinhar mais tempo). Está pronto! 

Acompanhei com bifinhos de peru grelhados, temperados com pimenta, pouquíssimo sal, mas com muito sumo de limão. 

Esta couve também fica bem a acompanhar qualquer tipo de peixe.
Experimentem!

O segredo de cozinhar bróculos verdes e nutritivos

Do livro "A cozinha é um laboratório" (Fonte da Palavra, 2009) transcrevo alguns conselhos para bem cozinhar os brócolos evitando, dentro do possível, perdas de nutrientes e o desenvolvimento de cores e aromas indesejáveis: "Corte-os apenas na altura de serem introduzidos na água quente. Além de os cortar em pedaços, dê um golpe longitudinal nos pedúnculos. Estes cortes têm como objectivo acelerar a cozedura, dado aumentarem a área de exposição à água quente. Adicione os brócolos à água a ferver, com o lume no máximo. Para minimizar a perda de nutrientes e ter a melhor cor final, não use muita água, nem pouca... no meio é que está a virtude! Deixe o recipiente destapado nos primeiros minutos. Cozinhe-os durante apenas cerca de 5 minutos (ficam mais estaladiços e com uma cor mais bonita). Se não os for consumir logo, passe-os por água muito fria mal sejam tirados do lume, para parar todo o processo. Como melhor alternativa, coza os brócolos em vapor. O resultado será ainda melh…