Pular para o conteúdo principal

O QUE O CORPO PEDE

Hoje, numa feira do livro, comprei, muito barato (3 euros), um livro do médico José Pedro Lima-Reis, Presidente da Assembleia Geral da Sociedade Portuguesa para o Estudo da Obesidade e professor convidado da Faculdade de Ciências da Alimentação e Nutrição da Universidade do Porto (foi meu professor!), com o engraçado título "O estranho caso do testículo desautorizado" (Campo das Letras, 2003).

Com a devida vénia e porque fala sobre "o que o corpo pede" (expressão que também já tenho ouvido nas minhas consultas) transcrevo um passo da crónica "Conversas do corpo falante":

"Mas não, decididamente o meu corpo não me pede por favor que lhe dê cozido à portuguesa, nem me manda sentar para que ele descanse de uma caminhada. Quer dizer, ou eu sou completamente surdo, ou o meu corpo é de um primitivismo atroz e o melhor que sabe é enviar-me sinais de fumo dos píncaros da sua incapacidade vocal ou fazer rufar os tambores da tripalhada para me comunicar, ou que está farto, ou que tem fome, ou que está cheio.

Convenhamos que é muito pouco quando ouço frequentemente dizer quem me consulta que o corpo pede fruta, ou doce, ou pausas para café. Sobressalto-me. Como será o corpo a pedir fruta? Fá-lo de uma maneira incisiva e autoritária, que não admite recusa? Escolherá um tom melífluo e submisso que torna improvável o não atendimento das suas pretensões? Desatará num pranto soluçante e destemperado que obriga a satisfazê-lo para não o ouvir mais ou usará voz metálica, sincopada e desumana que impõe submissão pelo terror que causa?

Os grandes conhecedores desses apelos sonoros que o corpo transmitem são os obesos e quanto mais obesos melhor e mais vezes ouvem os veementes chamamentos das suas estruturas. Os ossos pedem-lhes queijo, o fígado pede-lhes bolo-rei, o estômago marmelada caseira, o cérebro peixe, de preferência azul, o intestino implora quilos de quiwis e o sangue exige-lhes açúcar vestido de qualquer maneira para que não desatinem e desfaleçam em suores perante o pasmo de familiares e amigos."

1 comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Leite sem lactose não é para diabéticos

Ontem de tarde, durante a consulta de atendimento a diabéticos, um dos utentes pôs-me a questão se o leite sem lactose seria o melhor para os diabéticos. A dúvida faz todo o sentido uma vez que a lactose é o açúcar natural do leite. No entanto, este leite foi criado para pessoas intolerantes à lactose, que não digerem bem o leite por deficiente produção de lactase, a enzima necessária ao desdobramento da lactose.

Então porque é que é que o leite com 0% lactose não é bom para diabéticos?

A lactose é um hidrato de carbono complexo (dissacárido) formada por duas moléculas de hidratos de carbono simples, a glicose e a galactose (monossacáridos). O leite com 0% lactose não tem, de facto lactose, mas tem os seus constituintes, a glicose e a galactose, que são açúcares simples que fazem subir a glicémia (glicose no sangue) mais facilmente. Quem prova este leite não tem dúvidas: ele é mais doce e foi por isso que o referido doente estranhou e me apareceu com o pacote de leite sem lactose na mão…

COUVE LOMBARDA SALTEADA

Ontem para o jantar fiz couve lombarda salteada com bifinhos de peru grelhados.  É um prato super fácil de fazer que se prepara em 15 minutos.

INGREDIENTES (para quatro pessoas)
Meia couve lombarda
1 cenoura
2 colheres de sopa de azeite
2 dentes de alho
sal marinho q.b.

Depois de lavar a couve, corte-a em juliana. Descasque e rale a cenoura. 
Numa frigideira coloque o azeite e os alhos picados até estes começarem a fritar. Junte a couve, a cenoura e um pouco de sal. Deixe cozinhar cerca de oito minutos mexendo com frequência (se gostar da couve mais cozida deixe cozinhar mais tempo). Está pronto! 

Acompanhei com bifinhos de peru grelhados, temperados com pimenta, pouquíssimo sal, mas com muito sumo de limão. 

Esta couve também fica bem a acompanhar qualquer tipo de peixe.
Experimentem!

O segredo de cozinhar bróculos verdes e nutritivos

Do livro "A cozinha é um laboratório" (Fonte da Palavra, 2009) transcrevo alguns conselhos para bem cozinhar os brócolos evitando, dentro do possível, perdas de nutrientes e o desenvolvimento de cores e aromas indesejáveis: "Corte-os apenas na altura de serem introduzidos na água quente. Além de os cortar em pedaços, dê um golpe longitudinal nos pedúnculos. Estes cortes têm como objectivo acelerar a cozedura, dado aumentarem a área de exposição à água quente. Adicione os brócolos à água a ferver, com o lume no máximo. Para minimizar a perda de nutrientes e ter a melhor cor final, não use muita água, nem pouca... no meio é que está a virtude! Deixe o recipiente destapado nos primeiros minutos. Cozinhe-os durante apenas cerca de 5 minutos (ficam mais estaladiços e com uma cor mais bonita). Se não os for consumir logo, passe-os por água muito fria mal sejam tirados do lume, para parar todo o processo. Como melhor alternativa, coza os brócolos em vapor. O resultado será ainda melh…