Pular para o conteúdo principal

Jantar ao som de Diana Krall


Diana Krall está em Portugal e a Margarida Vieira propõe que jantemos com ela:

Depois de um dia de trabalho intenso, como carregar as baterias para o dia seguinte? Todos nós já sentimos que a música é capaz de mudar estados de espírito. De facto, a música pode ter um efeito relaxante e terapêutico. Quem nunca ouviu falar de musicoterapia? Mas será que a música pode alterar a forma como preparamos uma refeição?

No novo álbum da cantora canadiana Diana Krall, “Quiet nights”, ela interpreta alguns clássicos da música brasileira. Segundo a teoria da musicoterapia, a bossa nova e alguns tipos de jazz, como o “smooth jazz”, podem desempenhar um papel na qualidade do seu jantar. De facto, estes tipos de música impõem um ritmo calmo. O piano dá o compasso, sem pressas, e o violão ajuda a saborear.

Embora a composição da refeição seja o primeiro aspecto a ter em conta numa alimentação equilibrada, há outros que devem igualmente estar presentes. É o caso do ambiente em que a refeição decorre. Este tipo de música favorece que se coma devagar, mastigando bem a comida e sentindo o gosto dos alimentos, o que favorece uma boa digestão. E, ao ouvir esta música, num leitor de CD, não se come em frente da televisão, situação em que se perde a noção das quantidades ingeridas (quando se ouve música os olhos não se distraem, mas sim e tão só os ouvidos).

Aceite esta experiência: primeiro coma uma sopa de legumes, e depois um prato de carne ou peixe de confecção simples (por exemplo, em papelote), temperado com ervas aromáticas frescas, acompanhado por um preparado de legumes e regado com um copo de bom vinho tinto (sugiro da região do Douro) . Em fundo, a inigualável música da Diana Krall... No dia seguinte, tenho a certeza, vai sentir-se "so nice"!

Margarida Vieira

Sítios consultados:
http://www.ambulatorypediatrics.org/article/S1530-1567(07)00285-7/abstract
http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/19673818?ordinalpos=13&itool=EntrezSystem2.PEntrez.Pubmed.Pubmed_ResultsPanel.Pubmed_DefaultReportPanel.Pubmed_RVDocSum

Música:
So nice. http://www.youtube.com/watch?v=LKaAS3ZxiKM

2 comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Leite sem lactose não é para diabéticos

Ontem de tarde, durante a consulta de atendimento a diabéticos, um dos utentes pôs-me a questão se o leite sem lactose seria o melhor para os diabéticos. A dúvida faz todo o sentido uma vez que a lactose é o açúcar natural do leite. No entanto, este leite foi criado para pessoas intolerantes à lactose, que não digerem bem o leite por deficiente produção de lactase, a enzima necessária ao desdobramento da lactose.

Então porque é que é que o leite com 0% lactose não é bom para diabéticos?

A lactose é um hidrato de carbono complexo (dissacárido) formada por duas moléculas de hidratos de carbono simples, a glicose e a galactose (monossacáridos). O leite com 0% lactose não tem, de facto lactose, mas tem os seus constituintes, a glicose e a galactose, que são açúcares simples que fazem subir a glicémia (glicose no sangue) mais facilmente. Quem prova este leite não tem dúvidas: ele é mais doce e foi por isso que o referido doente estranhou e me apareceu com o pacote de leite sem lactose na mão…

COUVE LOMBARDA SALTEADA

Ontem para o jantar fiz couve lombarda salteada com bifinhos de peru grelhados.  É um prato super fácil de fazer que se prepara em 15 minutos.

INGREDIENTES (para quatro pessoas)
Meia couve lombarda
1 cenoura
2 colheres de sopa de azeite
2 dentes de alho
sal marinho q.b.

Depois de lavar a couve, corte-a em juliana. Descasque e rale a cenoura. 
Numa frigideira coloque o azeite e os alhos picados até estes começarem a fritar. Junte a couve, a cenoura e um pouco de sal. Deixe cozinhar cerca de oito minutos mexendo com frequência (se gostar da couve mais cozida deixe cozinhar mais tempo). Está pronto! 

Acompanhei com bifinhos de peru grelhados, temperados com pimenta, pouquíssimo sal, mas com muito sumo de limão. 

Esta couve também fica bem a acompanhar qualquer tipo de peixe.
Experimentem!

O segredo de cozinhar bróculos verdes e nutritivos

Do livro "A cozinha é um laboratório" (Fonte da Palavra, 2009) transcrevo alguns conselhos para bem cozinhar os brócolos evitando, dentro do possível, perdas de nutrientes e o desenvolvimento de cores e aromas indesejáveis: "Corte-os apenas na altura de serem introduzidos na água quente. Além de os cortar em pedaços, dê um golpe longitudinal nos pedúnculos. Estes cortes têm como objectivo acelerar a cozedura, dado aumentarem a área de exposição à água quente. Adicione os brócolos à água a ferver, com o lume no máximo. Para minimizar a perda de nutrientes e ter a melhor cor final, não use muita água, nem pouca... no meio é que está a virtude! Deixe o recipiente destapado nos primeiros minutos. Cozinhe-os durante apenas cerca de 5 minutos (ficam mais estaladiços e com uma cor mais bonita). Se não os for consumir logo, passe-os por água muito fria mal sejam tirados do lume, para parar todo o processo. Como melhor alternativa, coza os brócolos em vapor. O resultado será ainda melh…