sábado, 31 de outubro de 2009

Música no Coração do Supermercado

Novo post de Margarida Vieira:
Consegue imaginar um espectáculo musical no supermercado onde faz habitualmente as suas compras? O filme mostra a surpresa que tiveram há dias os clientes de um supermercado no bairro de Queens em Nova Iorque.



O grupo de arte cómica "Improv Everywhere" realiza espectáculos teatrais na rua ou noutros locais públicos. O "show" improvisado pelos actores desse grupo tem por finalidade sensibilizar para um problema e animar esses lugares.

Na “missão” (é assim que o grupo designa as suas intervenções) de Queens , o objectivo foi apelar ao consumo de fruta. Os cantores-actores convidam a comer fruta variada.

É uma boa recomendação. Com efeito, os especialistas em nutrição da América e da Europa estão unidos pela mesma vontade – aumentar o consumo diário de fruta. Agora só falta que cada um de nós faça a sua parte e passe a comer fruta todos os dias. Siga as recomendações da Organização Mundial de Saúde: “o consumo mínimo de 400 g de frutas e vegetais por dia (excluindo batatas e outros tubérculos amiláceos) serve para prevenir doenças, como as cardíacas, o cancro, a diabetes e a obesidade, bem como para prevenir e remediar várias carências de micronutrientes”.

Margarida Vieira
m.margarida.vieira@gmail.com

sexta-feira, 30 de outubro de 2009

Calorias...


Acho deliciosa esta definição de calorias que circula na net:

"As calorias são pequenos animais que vivem nos roupeiros e que durante a noite... apertam a roupa das pessoas."

quinta-feira, 29 de outubro de 2009

Artigos sobre nutrição e metabolismo na Lancet


A revista Lancet disponibiliza uma colectânea de artigos sobre nutrição e metabolismo no seu sítio da net. Pode subscrever a colecção inteira ou qualquer um dos seus sub-temas (subnutrição, obesidade ou nutrição e metabolismo) em http://www.thelancet.com/collections/nutrition-metabolism?collexcode=116 .

Emagrecer é...

Não repetir.

"Satisfaz a tua fome apenas em 80%" é o que diz um velho ditado japonês seguido à risca pelos centenários que habitam a ilha de Okinawa no Japão. O significado desta frase é que não devemos comer até ficarmos totalmente cheios. Se ,quando terminar de comer, ficar com a sensação que comia mais (até porque lhe estava a saber bem!), poise os talheres e levante o prato da mesa. Essa sensação desaparece em poucos minutos, que é o tempo que leva a mensagem de saciedade a chegar ao cérebro. Costumo dizer aos meus doentes que o que se repete é para engordar.

Ao servir-se faça o prato do seguinte modo: metade deve ser ocupado pela salada ou pelos legumes (se tiver comido sopa e não quiser comer o arroz ou as batatas, faça três quartos do prato com estes alimentos vegetais), um quarto do prato para o peixe ou carne e o outro quarto para o arroz ou massa ou batatas. O seu estômago ficará suficientemente cheio para não precisar de repetir...

quarta-feira, 28 de outubro de 2009

Cépticos do Colesterol

Transcrevo excertos de um artigo sobre o colesterol, que contém declarações que prestei à jornalista Barbara Bettencourt, publicado na revista Activa de Novembro (já à venda):

«(...) Quererá isto dizer que podemos ingerir colesterol à vontade? Ana Carvalhas não vai tão longe: "Em algumas pessoas, os níveis de colesterol são o reflexo directo dos excessos alimentares, pelo que a dieta é decisiva. Noutras, esses níveis resultam do colesterol produzido em excesso pelo fígado (independentemente da dieta). Quando é assim, cabe ao médico avaliar a existência de outros factores de risco cardiovascular e a necessidade ou não de medicação". Por exemplo: "Uma pessoa magra, com colesterol total (CT) elevado, mas sem hipertensão ou diabetes, não tem risco cardiovascular, uma teoria defendida pelos cépticos do colesterol, que eu partilho. Neste caso, a alimentação não é um factor decisivo, nem vale a pena andar a fazer restrições radicais ou a fazer medicação."

Só que na maioria dos casos, quem tem o CT aumentado tem também outros factores de risco, como o excesso de peso, a hipertensão ou a diabetes. "É o que chamamos de síndrome metabólica. Quando é assim, a alimentação é fundamental, porque o simples facto de perder peso faz baixar o colesterol e a tensão arterial. Tenho casos de pessoas que já deixaram a medicação quer para a hipertensão, quer para o colesterol com base na reeducação alimentar e no exercício (uma caminhada diária de 60 minutos). É esta a chave do sucesso."

Na opinião de Ana Carvalhas, os defensores da Hipótese Lipídica preocupam-se demasiado com as gorduras saturadas. "Muito pior é o abuso de alimentos processados cheios de gordura hidrogenada, açúcar e farinhas refinadas que, além de serem nutricionalmente pobres, têm um índice glicémico altíssimo, não saciam e são hipercalóricos. É isto que dizem os cépticos, e eu estou 100% de acordo."»

segunda-feira, 26 de outubro de 2009

Rituais de Vida Saudável

Visite o site "Rituais de Vida Saudável" onde encontrará sugestões diárias, fáceis de implementar, nas áreas da nutrição, actividade física, redução do stress e promoção de bem-estar físico e psíquico.

O programa Rituais de Vida saudável "é um projecto inovador, resultado da iniciativa conjunta da One to One e da Faculdade de Motricidade Humana e que conta com a parceria institucional da Direcção-Geral da Saúde. Assume-se como uma forma de serviço público, disponibilizando à comunidade orientações específicas e cientificamente validadas sobre hábitos e estilos de vida saudável."

Fique com um exemplo do que pode ver lá:

"Sabia que não existe qualquer relação entre a água que perde através do suor e a mobilização de gordura corporal? E que apenas um balanço calórico negativo, com recurso à actividade física regular e a uma alimentação equilibrada, resultam numa perda de peso com qualidade?"



domingo, 25 de outubro de 2009

LIBERTE-SE DO VÍCIO DA COMIDA



Descubra como a indústria alimentar o põe viciado em comida através do livro do Dr. David A. Kessler, "The End of Overeating: Taking Control of the Insatiable American Appetite" (Rodale, 2009) . O excesso de açúcar, gordura e sal são apenas alguns dos truques utilizados para o fazer comer demais...

Saiba resistir e abstenha-se, cada vez mais, de consumir alimentos processados. Tome refeições caseiras, pratique exercício físico e vai ver que se liberta do vício da comida!

sexta-feira, 23 de outubro de 2009

O Índice Glicémico dos Alimentos


O Índice Glicémico (IG) dos alimentos é um parâmetro que permite avaliar o efeito que cada alimento fornecedor de hidratos de carbono tem sobre a glicemia (concentração de glicose no sangue). O IG é expresso em termos percentuais, sendo 100 o valor atribuido à glicose: um IG de 50, por exemplo, significa que o alimento eleva a glicemia com uma velocidade que é metade da da glicose.

Existem tabelas de IG que têm a glicose como referência, mas também se encontram na literatura científica tabelas em que a referência é o pão branco por este ser um alimento que corresponde mais à realidade quotidiana. Estas tabelas foram feitas inicialmente para ajudar os diabéticos a controlar a doença, mas actualmente são também utilizadas nos programas de controlo do peso.

De um modo geral, alimentos ricos em amidos, nos quais se incluem o pão de mistura de cereais, massas, batatas, ervilhas, feijão, lentilhas, grão de bico, etc., são absorvidos mais lentamente dando origem a uma subida gradual da glicemia. Diz-se, por isso, que têm um IG baixo. Pelo contrário, alimentos e bebidas açucaradas causam rápida subida da glicose no sangue e, portanto, o seu IG é alto.

Imagem: http://www.glycemicindex.com/aboutGI.htm

quinta-feira, 22 de outubro de 2009

Os Melhores Lanches Para os Seus Filhos

Post da nutricionista Margarida Vieira sobre lanches saudáveis para as crianças:


O rebuliço habitual do regresso à escola já serenou. O ano lectivo encontra-se a caminho do segundo mês e julgo que os alunos, os professores e os pais portugueses estão de parabéns por, em geral, o regresso às aulas ter sido bem sucedido.

Os pais querem sempre o melhor para os seus filhos. Fazem tudo para que eles venham a ser pessoas felizes. Querem dar-lhes a melhor escola, os melhores ocupações de tempos livres e, porque se preocupam com a sua saúde, também a melhor alimentação. Nos tempos de escola, querem dar-lhes os melhores lanches.

Como fazer? A composição dos lanches dos filhos deve basear-se na escolha de alimentos que tornem essas refeições intercalares nutricionalmente mais ricas. Assim, ao preparar os lanches dê prioridade ao pão, à fruta e ao iogurte ou leite. Estes alimentos simples e frescos devem sempre ser preferidos a alimentos processados feitos com farinhas refinadas, açúcar e gordura, que podem ser muito energéticos, mas são pobres em nutrientes essenciais ao crescimento dos mais novos. Os produtos com nomes esquisitos que acabam em “uts” e “ikes” devem ser o mais possível evitados, por não serem de modo nenhum uma opção saudável...

Margarida Vieira

"O Fantasma do Colesterol"

Trancrevo excerto do capítulo "O Fantasma do Colesterol", uma das deliciosas histórias que o Dr José Pedro Lima-Reis conta no livro "O estranho caso do testículo desautorizado e outras histórias médicas" (Campo das Letras, 2003):


"Mau seria que após mais de trinta anos de trabalho na área da nutrição e endocrinologia clínicas não tivesse mãos cheias de histórias para contar(...)

Há cerca de três anos procurou-me uma velhinha de oitenta e dois anos muito preocupada com o colesterol. Tinha um valor de 213 mg para um normal de 200 e um exame clínico irrepreensível, tanto que não resisti a dizer-lhe que a sua incorporação nos fuzileiros navais seria possível se fosse caso disso. De facto, cuidava do marido dois anos mais velho que ficara entrevado na sequência de uma trombose e fazia-o praticamente sem ajuda. O médico assistente dissera-lhe que procurasse um especialista em alimentação para que lhe fosse prescrita a dieta adequada à alteração analítica que detectara e, por isso, ali estava, roliça, submissa, ansiosa e apreensiva, porque a afligia a possibilidade de se tornar incapaz de cuidar do marido doente.

Depois de ouvir esta história ou outra parecida ninguém pode ficar igual porque as respostas que tem de dar às questões humanas ou científicas que elas levantam são profundamente diferentes das levantadas por histórias semelhantes em contextos diversos e porque, provavelmente, fazem surgir dúvidas que nunca nos tínhamos posto. Poderá ser enriquecedor mas é desgastante.

Vejamos a título de exemplo.
Primeiro. Vale a pena começar uma dieta aos oitenta e dois anos? Quais os benefícios que daí podem advir? Quais os prjuízos? Os desequilíbrios provocados numa alimentação correcta, porque é inadmissível que alguém chegue com saúde aos oitenta e dois anos se não tiver tido uma alimentação equilibrada, não serão mais gravosos do que a alteração analítica? Tratamos doentes ou tratamos estatísticas? E se há quais os parâmetros de que nos poderemos servir para actuarmos correctamente?

Segundo. Se cair da altura de 200 mm não é nada perigosos porque é que cair de 213 já tem perigo? Temos ou não de ser flexíveis em relação aos valores tidos como normais? Em plano individual temos de ser dogmáticos ou pragmáticos?

Terceiro. Como normalizar agora a vida desta doente que há bem pouco tempo era apenas um senhora idosa saudável? A que argumentos será sensível para que a sua vida continue como se nada se tivesse passado? Como poderei afastar definitivamente da sua vida esse fantasma maldoso do colesterol que fizeram pousar no seu ombro para carregar como uma cruz até ao fim dos seus dias? Devemos fazer adoecer as pessoas que procuram a nossa ajuda com diagnósticos inconsequentes embora teoricamente correctos? É lícito omitir a verdade se a verdade não servir para nada? É por isso e por muito mais que as histórias médicas são aliciantes. Servem de ponto de reflexão para o que quisermos(...)

Com a Dona Carolina decidi que oitenta e dois anos não é idade para modificar hábitos alimentares, que um colesterol daqueles não é fantasma que se solte na casa de ninguém e aprendi, durante as três consultas que foram necessárias para exorcizar aquele espírito maligno do sangue gordo entupidor como se chega à nona década de vida cultivando a arte de bem comer em todo o prato. Posso acrescentar que o marido da Dona Carolina faleceu o ano passado, ela tem agora oitenta e cinco anos, continua a consultar-me apenas porque gosta de mim e eu nunca mais lhe pedi o colesterol."

quarta-feira, 21 de outubro de 2009

Emagrecer é...

Preferir peixe à carne.

A carne, o peixe, os ovos e o leite são os alimentos que melhor fornecem proteínas de origem animal. Todos eles possuem proteínas de alto valor biológico, isto é, proteínas completas com todos os aminoácidos essenciais na quantidade e proporção ideais para o nosso organismo.

Quando se pretende emagrecer, deve olhar-se para o teor de gordura dos alimentos, uma vez que a gordura inflaciona o valor calórico do que comemos. Neste sentido, e de um modo geral, os peixes constituem melhor alimento do que as carnes porque mesmo os mais gordos são, na sua maioria, menos gordos do que as carnes magras. Por outro lado têm maior teor de água do que a carne, o que é também uma vantagem para emagrecer.

A sardinha, o salmão, a cavala, o arenque, a anchova, o peixe espada e o atum (que, em conserva, é muito mais gordo do que fresco!), são chamados peixes gordos, pois chegam a fornecer mais do dobro das calorias do que o peixe magro. Mas, mesmo assim, o seu teor de gordura é baixo. De facto, estes peixes são permitidos e mesmo aconselhados quando se pretende perder peso. O tipo de ácidos gordos que fornecem são insaturados do tipo ómega-3, como o eicosapentanóico (EPA) e o docosahexanóico (DHA), que conferem protecção cardiovascular. São também fonte de boa fonte de vitamina D, que se encontra dissolvida na gordura, fundamental para a saúde dos ossos. Esta vitamina tem vindo, nos últimos anos, a ganhar relevância como factor fundamental na prevenção e tratamento de várias doenças como as cardiovasculares, hipertensão, cancro, diabetes e a obesidade.

Alguns peixes gordos têm a gordura localizada debaixo da pele, mas, de um modo geral, a gordura encontra-se dispersa entre as fibras musculares. Perderá alguma desta gordura se optar pelas duas melhores formas de os cozinhar: cozido ou grelhado, Mas, volto a insistir, apesar do nome de peixe gordo, este tipo de peixe é menos gordo do que a carne. Não se deixe enganar pelo nome...

terça-feira, 20 de outubro de 2009

MULHERES REAIS NA REVISTA BRIGITTE

A Brigitte, uma das mais populares revistas femininas alemãs, anunciou há dias que a partir de 2010 só publicará fotos de mulheres "reais" depois de as leitoras terem reclamado que não se identificavam com as modelos retratadas.

O estilista alemão Karl Lagerfeld defendeu, no entanto, em termos aliás um pouco grosseiros, que as pessoas preferem ver modelos "muito magras". Afirmou ele à revista Focus: "Estas acusações são feitas por múmias gordas sentadas com os seus pacotes de batatas fritas em frente à televisão, dizendo que as modelos magras são feias".

Lagerfeld, director criativo da Chanel, acrescentou que "o mundo da moda é feito de sonhos e ilusões e ninguém quer ver mulheres redondas".

O povo diz que gostos não se discutem. Mas o certo é que existe, imposta pela publicidade, uma "ditadura da moda". Estou em crer que ela não vai passar de moda com a atitude da Brigitte...


HUMOR: A VERDADE SOBRE AS DIETAS


Na mesma feira do livro onde encontrei o livro de José Lima-Reis que já aqui referi, encontrei também ao mesmo preço de três euros, uma banda desenhada, assinada por Monsieur B - Bertrand Meunier sobre as dietas: "A verdade sobre as dietas" (Edições ASA, 2003).

Destaco, de entre os vários momentos divertidos que funciona, o quadradinho em que um cientista de bara branca e lacinho explica a diferença entre peso e massa:

"- Ao perder massa, cuja unidade é o quilo, um corpo fica com menos peso... E, por conseguinte, é menos atraído para o centro da Terra!"

Resposta da interlocutora:

"- O que eu quero é sentir-me menos atraída para o frigorífico."

NOTA: Já agora, devo dizer que há um erro. O cientista devia ter dito quilogramas e não quilos.

1º CICLO DE CINEMA E ALIMENTAÇÃO

Informação recebida da Associação Portuguesa de Nutricionistas (APN):

A Associação Portuguesa dos Nutricionistas e a Medeia Filmes apresenta o 1º Ciclo de Cinema e Alimentação. Durante 4 semanas será possível (re)ver alguns filmes que raramente passam no cinema e digeri-los sob a perspectiva do nutricionista, meditando sobre o actual papel da alimentação na sociedade portuguesa.

Comer, beber, Homem, Mulher (Yin Shi Nan Lu), Ang Lee (1994)21 de Outubro de 2009
Quarta-feira às 21h30
3,5€/bilhete (Parque gratuito)
Cinemas Medeia Cidade do Porto - Centro Comercial Cidade do Porto

Este filme conta a história de três irmãs em busca de uma receita para o amor, e do seu pai, um dos maiores cozinheiros do mundo, tentando compreender a combinação dos ingredientes. Viúvo há 16 anos, Mestre Chu dedicou-se às filhas e à sua profissão, abdicando de refazer a sua vida para manter a estabilidade familiar. Porém, as suas filhas cresceram, tornando-se independentes e, inesperadamente, cada qual segue o seu rumo. É então altura de Chu realizar um sonho que acalentara durante anos: casar com a mulher que há muito amava em segredo e iniciar com ela uma nova vida. Venha saborear connosco este filme!

Reserva de bilhetes por telefone: Cinemas Cidade do Porto 22 600 91 64

Alexandra Bento
Presidente da Direcção da Associação Portuguesa dos Nutricionistas

ESCADA-PIANO NO METRO

Numa estação de metro em Estocolmo, na Suécia, foi construída uma "escada-piano". Quando se sobe ou desce a escada, os sensores colocados em cada um dos degraus fazem tocar uma nota musical, como se fosse o teclado de um piano. Veja no que resultou:



As escadas passaram, obviamente, a ser mais frequentadas!

Esta simples experiência mostra que o nosso lado divertido, quando devidamente estimulado, leva-nos a uma mudança de atitude. Subir uma escada ou usar uma escada rolante não é a mesma coisa no que toca ao gasto de energia. Quando se usa uma escada rolante, dá-se apenas dois passos, um passo para entrar e outro para sair. Quando se sobe uma escada, dão-se tantos passos quantos os degraus. Andar mais durante o dia é um modo de fazer mais actividade física e de gastar mais calorias.

Enquanto a sua estação de metro não tiver "escadas-piano", siga a sugestão: leve o seu Mp3 com as suas músicas preferidas e aproveite todas as escadas para subir ou descer no caminho de casa para o trabalho ou vice-versa...

Margarida Vieira

O QUE O CORPO PEDE

Hoje, numa feira do livro, comprei, muito barato (3 euros), um livro do médico José Pedro Lima-Reis, Presidente da Assembleia Geral da Sociedade Portuguesa para o Estudo da Obesidade e professor convidado da Faculdade de Ciências da Alimentação e Nutrição da Universidade do Porto (foi meu professor!), com o engraçado título "O estranho caso do testículo desautorizado" (Campo das Letras, 2003).

Com a devida vénia e porque fala sobre "o que o corpo pede" (expressão que também já tenho ouvido nas minhas consultas) transcrevo um passo da crónica "Conversas do corpo falante":

"Mas não, decididamente o meu corpo não me pede por favor que lhe dê cozido à portuguesa, nem me manda sentar para que ele descanse de uma caminhada. Quer dizer, ou eu sou completamente surdo, ou o meu corpo é de um primitivismo atroz e o melhor que sabe é enviar-me sinais de fumo dos píncaros da sua incapacidade vocal ou fazer rufar os tambores da tripalhada para me comunicar, ou que está farto, ou que tem fome, ou que está cheio.

Convenhamos que é muito pouco quando ouço frequentemente dizer quem me consulta que o corpo pede fruta, ou doce, ou pausas para café. Sobressalto-me. Como será o corpo a pedir fruta? Fá-lo de uma maneira incisiva e autoritária, que não admite recusa? Escolherá um tom melífluo e submisso que torna improvável o não atendimento das suas pretensões? Desatará num pranto soluçante e destemperado que obriga a satisfazê-lo para não o ouvir mais ou usará voz metálica, sincopada e desumana que impõe submissão pelo terror que causa?

Os grandes conhecedores desses apelos sonoros que o corpo transmitem são os obesos e quanto mais obesos melhor e mais vezes ouvem os veementes chamamentos das suas estruturas. Os ossos pedem-lhes queijo, o fígado pede-lhes bolo-rei, o estômago marmelada caseira, o cérebro peixe, de preferência azul, o intestino implora quilos de quiwis e o sangue exige-lhes açúcar vestido de qualquer maneira para que não desatinem e desfaleçam em suores perante o pasmo de familiares e amigos."

segunda-feira, 19 de outubro de 2009

"Gorda - Fat Girl" 2

Excerto do livro "Gorda-Fat Girl" de Judith Moore (na imagem) para quem "a comida é o inimigo":

"A minha boca é perigosa. Tenho os lábios, os dentes, a língua e a superfície interna húmida das bochechas sempre prontos. A minha boca quer trincar pão áspero e bife picante da pimenta mal passado e bróculos cozidos ao vapor salpicados com sumo de limão. A minha boca quer os biscoitos e os ovos estrelados da minha avó materna, ovos cujas gemas douradas se elevam bem acima dos círculos brancos. A minha boca quer batatas inundadas de caldo de carne, quer salada "cobb", sanduíches com três fatias de pão, batatas fritas onduladas e o repugnante molho de cebola feito com natas e uma mistura em pó de sopa de cebola. Quando ando pela cozinha - quando ando pelo mundo - a minha boca anda à caça."

Conferência "Nutrição e Doenças de Civilização-Os estudos da Universidade de Lund"

A conferência "Nutrição e Doenças de Civilização - Os estudos da Universidade de Lund", organizada pela NutriScience, que será proferida pelo Dr. Staffan Lindeberg, já tem local definido. Vai relizar-se no dia 31 de Outubro (sábado) das 09h30 às 13h15 no Instituto Superior de Ciências da Saúde Egas Moniz - Monte de Caparica. Para ver programa e informações de secretariado clique aqui.

domingo, 18 de outubro de 2009

O PODER DO PHOTOSHOP



A empresa Ralph Lauren admitiu que é da sua responsabilidade a distorção da imagem da modelo francesa Filipa Hamilton (23 anos, 1, 74 m, 54 kg), que foi usada numa campanha publicitária entretanto interrompida (ver figura de cima, que deve ser comparada com a imagem de baixo, que mostra a modelo tal como é). Na sequência dessa situação, Hamilton foi despedida, queixando-se que teria sido por ter "quilos a mais" (a empresa alega que houve "incumprimento do contrato"). Seja quem for que tenha razão, este parece ser mais um dos tristes exemplos de publicidade enganosa, que se faz, com a ajuda do Photoshop, para apresentar mulheres ideais em vez de reais. Sobre este assunto veja este meu post.

Gorda - Fat Girl


"Gorda - Fat Girl" de Judith Moore, é um livro que acaba de sair na Bertrand. Trata-se de um depoimento cru sobre a obesidade escrito na primeira pessoa, que alcançou extraordinário êxito quando saiu em 2005 nos Estados Unidos. A autora faleceu no ano seguinte de cancro no cólon, não tendo por isso podido assistir a esse êxito, que foi também internacional.

Transcrevo a sinopse editorial:

"Trágica, corajosa e fascinante, Gorda é uma notável autobiografia pautada pela obsessão por comida e pelo corpo, escrita por uma autora premiada. Para qualquer pessoa que experimentou uma relação de amor/ódio com a comida ou com a sua aparência, para qualquer pessoa que alguma vez usou, consciente ou inconscientemente, a comida para tentar preencher o vazio no seu coração, Gorda é uma história madura e brilhante sobre vitórias e fracassos."

sexta-feira, 16 de outubro de 2009

"EMAGRECER É..." EM DESTAQUE

Com os devidos agradecimentos transcrevo artigo da jornalista Joana Martins que saiu num suplemento de saúde especial no "Diário de Coimbra" e outros jornais do mesmo grupo:

"Porque hoje é o Dia Mundial da Alimentação e porque uma das principais preocupações da população na hora da refeição é o excesso de calorias, não podíamos esquecer a componente educacional quando o objectivo é emagrecer. São precisamente conselhos desse tipo que a nutricionista Ana Carvalhas disponibiliza no seu blogue todas as quartas-feiras.

Uma das regras de alimentação que deve ser adoptada diariamente é iniciar o almoço e o jantar com um prato de sopa. Segundo a profissional de saúde, «qualquer sopa, confeccionada exclusivamente com ingredientes de origem vegetal, é um caldo riquíssimo de nutrientes que tem a grande vantagem de ter baixo valor calórico». «Perdemos peso, de forma consistente, quando inauguramos as duas principais refeições com um prato de sopa, porque ficamos "meio cheios" com um alimento baixo em calorias. Desta forma, já não conseguimos comer grande quantidade do segundo prato que tem, normalmente, maior densidade energética», acrescenta.

Outro dos conselhos de Ana Carvalhas vai no sentido de evitar alimentos doces e gordos. «Costumo dizer a quem vem às minhas consultas para emagrecer que há duas coisas que o interessado terá de reduzir drasticamente: o açúcar e a gordura», refere, recomendando comportamentos como a redução gradual da quantidade de açúcar que se junta às bebidas, no caso de pessoas que não consigam eliminá-lo de uma só vez. «E nada de o substituir por adoçante. Os adoçantes mais utilizados são artificiais e sabemos que enganam o cérebro», alerta. A nutricionista acrescenta ainda que «devem também ser eliminados todos os alimentos feitos com farinhas muito refinadas, como é o caso do pão de forma, pão branco, pão de hambúrguer ou de cachorro, bolachas de qualquer tipo, cereais de pequeno-almoço com açúcar, bolos, biscoitos, “croissants” ou “bolicaos”, porque são alimentos que têm um índice glicémico muito elevado».

Outra das regras enunciadas pela profissional de saúde é tomar o pequeno-almoço todos os dias na primeira hora após levantar. «O pequeno-almoço ideal deve incluir alimentos de três grupos: frutas, lacticínios e cereais, que podem ser pão escuro de mistura ou cereais de pequeno-almoço que não tenham açúcar adicionado», afirma.

Na perspectiva do emagrecimento é ainda importante escolher a água como bebida que acompanha a refeição, deixando assim de lado os sumos açucarados. A nutricionista salienta ainda que «a disciplina alimentar é muito importante para o controlo da ingestão calórica» e, portanto, recomenda cinco refeições por dia a horas certas. « O objectivo deve ser tomar cinco refeições por dia de modo a não estar mais do que três horas e meia sem comer. Evita-se assim ganhar muita fome para a refeição seguinte o que, invariavelmente, leva a que se coma demais», aponta.

«Desfrutar a fruta» é outro dos hábitos que deve ser adquirido, uma vez que, para Ana Carvalhas, «todos nós deveríamos comer, pelo menos, três peças de fruta por dia. A fruta é muito importante para todas as pessoas que desejam emagrecer porque tem, de um modo geral, um valor calórico baixo».

Cozinhar peixe e carne sem adicionar gordura, abolir os fritos da alimentação, cozinhar com pouco sal, e acompanhar peixe ou carne só com salada ou legumes são também comportamentos essenciais para emagrecer, a par, claramente, de uma actividade física de intensidade moderada, mas prolongada no tempo.

Estes e outros conselhos úteis podem ser consultados no blogue http://comerbemateaos100.blogspot.com."

Joana Martins

CEM MIL VISITAS

Há um romance que diz que não há coincidências. Mas há! Hoje que é Dia Mundial da Alimentação este blogue ultrapassa as cem mil visitas. A todas as pessoas que nos têm honrado com a sua visita desejo, nesta ocasião, agradecer vivamente. Bem hajam!

No futuro procurarei merecer a continuação do interesse demonstrado, com os conteúdos a que os leitores se habituaram e uma ou outra surpresa. Mas as surpresas, para o serem, não podem ser já reveladas... Não as perca brevemente num ecrã perto de si.

Ana Carvalhas

HOJE É O DIA MUNDIAL DA ALIMENTAÇÃO


A 16 de Outubro de cada ano, comemora-se o Dia Mundial da Alimentação, por determinação da Organização para a Alimentação e Agricultura das Nações Unidas (Food and Agriculture Organization of the United Nations, FAO). Este ano, o dia é dedicado ao tema "Alcançar a segurança alimentar em época de crise", sendo o objectivo “alertar os países para a importância de erradicar a fome e angariar fundos para esta finalidade”.

A fome é um dos mais graves problemas que afligem a Humanidade. Esse mal está quase a atingir um recorde histórico: uma em cada seis pessoas no nosso planeta. O Dia Mundial da Alimentação deve, por isso, servir para que façamos uma reflexão e, se for caso disso, mudemos as nossas práticas. Demonstre a sua solidariedade com os problemas globais fazendo as escolhas alimentares mais adequadas. Coma apenas as quantidades necessárias, usando criteriosamente os bens alimentares à disposição. Evite todos e quaisquer desperdícios!

Se todos os dias iniciar as suas refeições principais com uma sopa de legumes, pode seguramente diminuir a porção de carne que ingere para 120 gramas, uma quantidade mais do que suficiente para suprir as necessidades proteicas de quem não faz trabalhos pesados ou tem tarefas fisicamente desgastantes. Quanto ao arroz ou à massa, será que precisa mesmo de encher o prato? Se trabalha à frente de uma secretária durante toda o dia, precisa de hidratos de carbono, com certeza… mas apenas numa porção que deve deixar o prato à vista. Umas horas depois não se esqueça de lanchar, pois assim o seu apetite ao jantar será refreado. À noite coma ainda mais moderadamente do que ao almoço. A regra é como diz o povo: “Pequeno almoço de rei, almoço de príncipe e jantar de pobre”. Faça isso não só por si, em benefício da sua saúde e bem-estar, mas também por respeito pelos que não têm o suficiente para comer.

Margarida Vieira e Ana Carvalhas

Crianças visitam Mercado Abastecedor

Informação disponível no "Campeão das Províncias" sobre uma iniciativa em que vou participar:

O Dia da Alimentação é assinalado esta sexta-feira, dia 16, no Mercado Abastecedor da Região de Coimbra (MAC), em Taveiro, através da apresentação do “Programa 5 ao Dia”, destinado a promover, junto dos mais novos, o consumo de frutas e produtos hortícolas. Para o efeito, o pavilhão de horto-frutícolas do MAC vai receber a visitar dos alunos do 3.º ano da Escola EB de Montes Claros, entre as 9h30 e as 11h30. No local, as crianças vão contactar com os grossistas e participar numa acção lúdico-pedagógica.

O "Programa 5 ao Dia", um programa da responsabilidade da Associação 5 ao Dia e já implementado pelo Mercado Abastecedor da Região de Lisboa e pelo Mercado Abastecedor da Região de Évora.

Criado para promover o consumo de frutas e produtos hortícolas, potenciar uma alimentação saudável e, consequentemente, prevenir doenças crónicas associadas a maus hábitos de alimentação, em crianças com idades compreendidas entre os 7 e 12 anos, este programa assenta nas actividades da “Associação 5 ao Dia”, que visa envolver toda a comunidade nesta causa comum.

Na Região Centro do país associaram-se ao MAC, a Administração Regional de Saúde do Centro/Plataforma Contra a Obesidade e a Direcção Regional de Educação do Centro, sendo estes últimos representantes do Conselho Científico da “Associação 5 ao Dia” nesta região.

A Câmara Municipal de Coimbra, a Escola Superior Agrária de Coimbra e a Escola Superior de Enfermagem de Coimbra são também parceiros para a divulgação desta iniciativa de carácter formativo e responsabilidade social no concelho.

Com a mensagem “5 ao Dia faz crescer com energia”, a Associação tem como finalidade concretizar os objectivos do referido programa, através de um Plano de Acção Específico e da angariação de associados, pessoas singulares ou colectivas que demonstrem interesse na sua prossecução.

Na segunda quinzena deste mês, deverá entrar em vigor a portaria que leva as escolas do 1.º ciclo a distribuir frutas e produtos hortícolas às crianças. Portugal é um dos 24 estados-membros que decidiu participar no primeiro ano do novo Regime de Fruta para as Escolas.

quinta-feira, 15 de outubro de 2009

HUMOR: QUANDO A FOME APERTA...

Não há dúvida que, no mundo animal, a fome e a sede aguçam o engenho!

quarta-feira, 14 de outubro de 2009

A OBESIDADE MATA


A mensagem de um cartaz francês da responsabilidade da Federação Nacional das Associações de Obesos (CNAO, Collectif National des Associations d' Obèses, que em 19 de Novembro próximo vai realizar o seu primeiro colóquio em Paris) pretende chocar. Começa assim:

"A obesidade mata, e ainda tem vontade de rir? A obesidade é uma doença grave que mata 55 000 pessoas por ano em França"

Conferência sobre Alimentos, Nutrição, Actividade Física e Cancro


Vai realizar-se, nos dias 5 e 6 de Novembro de 2009, em Washington DC, a conferência anual "Food, Nutrition, Physical Activity and Cancer", da responsabilidade do American Institute for Cancer Research (AICR). Ver programa aqui.

Sobre a relação, estabelecida pelo Prémio Nobel de Medicina do ano passado, entre a ingestão de carne vermelha e o cancro do cólon ver aqui.

Emagrecer é...

Não comer enquanto vê televisão.

Comer em frente da televisão leva, invariavelmente, a que se coma em excesso, o que, decerto, faz engordar. A televisão distrai e a sensação de estar cheio perde-se algures no meio do filme, da novela ou, simplesmente, do noticiário. Os portugueses têm perdido o hábito de tomar as refeições à mesa, em família, e isso é decerto uma das causas do aumento da obesidade, problema que já afecta um grande número de portugueses.

Mas, mesmo que as refeições tenham sido comidas à mesa, sei das minhas consultas que muitas pessoas se sentam a ver televisão com um pacote de bolachas ou com um chocolate na mão, no colo ou ao lado. Péssimo hábito! Alguns estudos têm revelado que as pessoas ingerem a maior parte das calorias à noite e não é difícil perceber porquê...

Se quer emagrecer, deixe de comer no sofá. Como somos "animais de hábitos", o melhor é criar o hábito de comer nas horas e no sítio certo, com a televisão desligada. E, claro, na quantidade e na variedade certas.

terça-feira, 13 de outubro de 2009

Fruta Escolar


Foi publicado no Diário da República de 12 de Outubro de 2009 o regulamento do Regime de Fruta Escolar (RFE) que vai garantir o fornecimento gratuito de fruta às crianças e jovens, pelo menos duas vezes por semana:

"Assim, a presente portaria, em complementaridade com a Estratégia Nacional do Regime de Fruta Escolar, propõe-se contribuir para a promoção de hábitos de consumo de alimentos benéficos para a saúde das populações mais jovens e para a redução dos custos sociais e económicos associados a regimes alimentares menos saudáveis.

Prevê-se, no ano de arranque do RFE, uma disponibilidade orçamental inicial, entre fundos nacionais e da União Europeia, suficientes para a disponibilização dos produtos pelo menos duas vezes por semana à população escolar"


Para ler o regulamento completo publicado no referido Diário da República clique aqui.

Imagem
http://saojoaquimonline.com.br/?p=4458

segunda-feira, 12 de outubro de 2009

Cabelo a menos?

A calvice ou alopecia não tem retorno, mas pode ser parada ou, pelo menos, a sua evolução pode ser tornada mais lenta. É o que nos diz um artigo de Mónica L. Ferrado, publicado no caderno "Salud e Bienestar" do jornal espanhol "El País" de sábado, dia 10 de Outubro. Como se trata de um assunto que preocupa muitas pessoas, particularmente nesta época do ano, edito um resumo desse artigo para que os interessados possam ficar mais esclarecidos:

A queda de cabelo normal

Existem, em média, cerca de 100 000 cabelos que se vão substituindo em ciclos que vão de dois a seis anos. É normal que diariamente, ao pentear, caiam alguns deles , existindo épocas do ano em que essa queda é maior. A maioria dos mamíferos muda a sua pelagem depois do Verão para assim se preparar para o Inverno. Os seres humanos não são excepção, pelo que no Outono nos cai mais cabelo.

Este cabelo tarda uns meses a reaparecer, porque o folículo precisa de descansar. Mas, ao fim e ao cabo, trata-se de cabelo saudável. Só se perdeu a haste. As células mãe do folículo persistem e permitem que nasça um cabelo novo. Haverá lugar a preocupação quando passarem alguns meses e o cabelo não cresce, ou quando cai em excesso e nasce muito fino. Perante estes indícios deve-se consultar um dermatologista que prescreverá o tratamento adequado a cada caso.

Alopecia androgenética

Existem diferentes tipos de alopecia, mas a mais comum, responsável por 80% dos casos, é a alopecia androgenética. Pode ter início entre os 20 e os 30 anos, mas estabelece-se fortemente entre os 40 e os 50 anos. A linha de crescimento do cabelo vai retrocedendo, com as “entradas” a avançarem inexoravelmente até a cabeça ficar a descoberto. Este tipo de calvice dá-se quando as hormonas masculinas, os andrógenos, actuam sobre uma série de enzimas relacionadas com a degradação do folículo capilar, a raiz do cabelo. Esta relação com as hormonas é a responsável pelo mito de que os carecas são mais viris. Mas, segundo os especialistas, tal não é correcto porque não se trata só de excesso hormonal, que pode ocorrer em qualquer homem, mas sim da informação genética que determina que as hormonas desencadeiem o processo molecular que está por trás da calvice.

Alopecia nas mulheres

Uma mulher sem cabelo não tem a mesma aceitação social que um homem. “O problema ultrapassa a barreira da estética e pode chegar a provocar transtornos psicológicos graves”, explica Juan Ferrando do Serviço de Dermatologia do “Hospital Clinic” de Barcelona. Actualmente, quase 30% das mulheres entre os 20 e os 90 anos sofrem de alopecia e a percentagem está a aumentar.

Nas mulheres, a alopecia costuma ser difusa, repartida por todo o coro cabeludo, mas também tem uma base hormonal e hereditária. A predisposição genética desperta muitas vezes, por coincidência, em fases de mudança como o parto ou na menopausa em que ocorre queda de cabelo transitória. Mas outros factores como carências nutricionais, o stress, algumas doenças e medicamentos, podem desencadeá-la quando existe uma base genética. De facto, os especialistas verificaram que a maioria das mulheres, entre os 15 e os 30 anos, perderam cabelo após dietas de emagrecimento. A explicação é simples. Dietas muito restritivas com privação de alguns grupos de alimentos provocam carências nutricionais mais ou menos graves, que são compensadas pelo organismo que vai buscar os nutrientes em falta às estruturas que não são vitais, como os cabelos e unhas.

Quando não existe predisposição genética, os transtornos nutricionais ou problemas de saúde como a anemia ferropénica, problemas de tiróide, carência de cálcio, diabetes ou cancro provocam uma queda de cabelo subtil e difusa a que os dermatologistas chamam “eflúvio telegénico”. O stress e outros eventos emocionais negativos também podem ser a causa deste fenómeno. Nestes casos corrigir a causa pode acabar com a queda de cabelo, mas tal como nos homens, uma vez instalada, pode ser irreversível.

Soluções

As vitaminas, os oligoelementos ou as hormonas só servem de alguma coisa se a queda de cabelo for consequência de outro problema de saúde. Para a alopecia androgenética, a mais comum, não há solução, embora ela possa ser retardada se se for a tempo.

Existem tratamentos como o minoxidil ou a finasterida que determinam a manutenção folicular com alargamento da primeira fase do ciclo de crescimento do cabelo, que dura entre dois a sete anos e que, em indivíduos com alopecia, dura menos. Esteja atento aos produtos que prometem fazer crescer o cabelo porque não podem fazê-lo do nada. A alternativa mais eficaz é o autotransplante capilar que consiste em implantar cabelo com origem numa outra zona do corpo.

domingo, 11 de outubro de 2009

Jantar ao som de Diana Krall


Diana Krall está em Portugal e a Margarida Vieira propõe que jantemos com ela:

Depois de um dia de trabalho intenso, como carregar as baterias para o dia seguinte? Todos nós já sentimos que a música é capaz de mudar estados de espírito. De facto, a música pode ter um efeito relaxante e terapêutico. Quem nunca ouviu falar de musicoterapia? Mas será que a música pode alterar a forma como preparamos uma refeição?

No novo álbum da cantora canadiana Diana Krall, “Quiet nights”, ela interpreta alguns clássicos da música brasileira. Segundo a teoria da musicoterapia, a bossa nova e alguns tipos de jazz, como o “smooth jazz”, podem desempenhar um papel na qualidade do seu jantar. De facto, estes tipos de música impõem um ritmo calmo. O piano dá o compasso, sem pressas, e o violão ajuda a saborear.

Embora a composição da refeição seja o primeiro aspecto a ter em conta numa alimentação equilibrada, há outros que devem igualmente estar presentes. É o caso do ambiente em que a refeição decorre. Este tipo de música favorece que se coma devagar, mastigando bem a comida e sentindo o gosto dos alimentos, o que favorece uma boa digestão. E, ao ouvir esta música, num leitor de CD, não se come em frente da televisão, situação em que se perde a noção das quantidades ingeridas (quando se ouve música os olhos não se distraem, mas sim e tão só os ouvidos).

Aceite esta experiência: primeiro coma uma sopa de legumes, e depois um prato de carne ou peixe de confecção simples (por exemplo, em papelote), temperado com ervas aromáticas frescas, acompanhado por um preparado de legumes e regado com um copo de bom vinho tinto (sugiro da região do Douro) . Em fundo, a inigualável música da Diana Krall... No dia seguinte, tenho a certeza, vai sentir-se "so nice"!

Margarida Vieira

Sítios consultados:
http://www.ambulatorypediatrics.org/article/S1530-1567(07)00285-7/abstract
http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/19673818?ordinalpos=13&itool=EntrezSystem2.PEntrez.Pubmed.Pubmed_ResultsPanel.Pubmed_DefaultReportPanel.Pubmed_RVDocSum

Música:
So nice. http://www.youtube.com/watch?v=LKaAS3ZxiKM

sábado, 10 de outubro de 2009

Hoje é o Dia Mundial dos Cuidados Paliativos

Margarida Vieira fala-nos, desta vez, de cuidados paliativos:

"Dar mais vida aos dias do que acrescentar dias à vida."
Cicely Saunders

Hoje, dia 10 de Outubro, assinala-se o Dia Mundial dos Cuidados Paliativos. É um momento propício para compreendermos a importância deste tipo de cuidados, cada vez mais necessários, mas ainda desconhecidos da maioria dos portugueses.

O movimento moderno dos cuidados paliativos foi iniciado em Inglaterra, na década de 60, por Cicely Saunders (na imagem). Expandiu-se pelo Canadá, Estados Unidos e por último na Europa. Em Portugal apenas surge na década de 90.

Durante o século XX assistimos a grandes progressos da medicina, ao início da conquista da longevidade, mas também ao crescente aumento de doenças degenerativas como o cancro. Esta doença, devido a novas "armas" terapêuticas, tem, felizmente, vindo a apresentar um número cada vez maior de casos de cura. No entanto, existem ainda muitas outras doenças que não têm a mesma sorte. As necessidades destas últimas não são resolvidas pelos modelos de medicina curativa e, por isso, não podem, nem devem, ser ignoradas. Precisam de cuidados paliativos! Estes são cuidados de saúde activos, rigorosos, que combinam ciência com humanismo. É necessária uma equipa multidisciplinar que integre médicos, enfermeiros, nutricionistas, psicólogos, assistentes sociais e outros profissionais devidamente formados e sensibilizados para a filosofia desta fase do cuidar das pessoas doentes, assegurando que elas e as respectivas famílias sejam o centro gerador das decisões.

Em cuidados paliativos, o objectivo principal é o controlo de sintomas, sendo a nutrição e a hidratação preponderantes a este nível. É comum o paciente apresentar falta de apetite, desinteresse e ou recusa pelos alimentos, mas há outros sintomas ligados à alimentação que resultam de situações agudas da sua doença ou de efeitos adversos do tratamento, tais como náuseas, vómitos, diarreia, saciedade precoce, má absorção, obstipação, xerostomia, disfagia (dificuldade em engolir), entre outros. Consequentemente, estes doentes apresentam muitas vezes baixa ingestão alimentar, perda ponderal acentuada, perda de massa muscular, depleção de tecido adiposo e caquexia. A intervenção do nutricionista torna-se, por todos estes motivos, crucial pois pode permitir uma evolução favorável do estado geral do doente e da sua qualidade de vida.

Informações sobre o modo de aderir ao movimento dos cuidados paliativos encontra-se no sítio da Associação Portuguesa dos Cuidados Paliativos.

Margarida Vieira

Bibliografia consultada
James L. Hallenbeck, M.D. Palliative Care Perspectives, Oxford University Press 2003

quarta-feira, 7 de outubro de 2009

Emagrecer é...

Acompanhar peixe ou carne só com salada ou legumes.

As variadas saladas e os variadíssimos legumes e hortaliças que habitualmente comemos, embora em quantidades pouco abundantes, são óptimas alternativas ao arroz, à massa ou à batata. De facto, deveríamos, na nossa alimentação, alargar significativamente quer a quantidade ingerida quer a variedade deste tipo de alimentos. Como são baixos em calorias, boas fontes de fibras, vitaminas e minerais antioxidantes, água e outros constitutintes bioactivos, revelam-se extremamente úteis para evitar ou para tratar a obesidade.

Agora que o Verão já lá vai, começam a apetecer mais as refeições quentes... Sugiro-lhe que experimente esta receita de legumes estufados, que tem feito as delícias de todos os que têm passado pela minha consulta. E não se esqueça de variar, de cada vez, os legumes. Utilize vegetais congelados, já prontos para meter na wook ou na frigideira, porque são práticos e preparam-se em quinze minutos. Apesar de serem congelados eles mantêm a maioria das suas propriedades nutritivas. Quanto menos cozidos ficarem, menos engordam e menos nutrientes perdem.

Portanto, depois de um bom prato de sopa, acompanhe o peixe, a carne ou os ovos só com legumes. Eles permitem-lhe ficar saciado com muito menos calorias do que as que fornecem o arroz, a massa ou a batata.

A FAMA DE SER SAUDÁVEL



Novo post da Margarida Vieira que quer pôr todas as pessoas a dançar:

Fama, não é o que todos queremos? Sim, uns querem-na mais, outros menos. Uns têm uma inclinação natural para a encontrarem, vejam-se os casos de Amália Rodrigues, Cristiano Ronaldo, e de tantos mais. Outros há que ficam assustados só de pensar em fama e decidem que não, que não a querem. No entanto, há um tipo de fama, mais ou menos secreta, que todos queremos e podemos ter. Fama por tomar bem conta do seu corpo, fama pelo bem-estar que esse esforço proporciona e fama pela tão desejada longevidade. Para tanto, basta praticar com regularidade uma alimentação cuidada e fazer suficiente exercício físico. Está a pensar naqueles aparelhos lá do ginásio? Ou está a pensar que não tem tempo? Então veja como é fácil...

Está nas salas de cinema uma nova versão de Fame, o filme que em 1981 ganhou um Óscar para a melhor canção original. Quantos de nós não vibraram e dançaram ao som desta contagiante banda sonora? Pois volte a ver o filme, ou a ouvir o velhinho LP, e vai ver que ganha motivação para voltar a dançar e readquirir a boa forma física que tinha nessa época. Há quanto tempo não dá um pezinho de dança e faz a vontade ao seu corpo, às suas pernas, à sua barriga, à sua saúde? Acredite: após o filme não vai resistir a dar umas boas mexidelas aos ombros e às ancas!

Dançar é uma das formas de dizer ao corpo que ele existe e é importante. Dê-lhe o devido valor. A melhor forma de o demonstrar é permitir que ele faça aquilo que sabe fazer melhor: movimento. O exercício físico melhora a fisiologia em geral por meio de inúmeros mecanismos. Alguns exemplos: reduz a quantidade de tecido adiposo, restabelece o equilíbrio hormonal, reduz o nível de açúcar na corrente sanguínea, diminui o nível das citoquinas (mediadores responsáveis pelos processos inflamatórios), baixa a insulina e tem um efeito directo nas defesas imunitárias. Quer mais razões para voltar a ouvir Fame?

Dance com o seu grupo de amigos e amigas, passe uma noite alegre, ganhe motivação para umas aulas de dança durante a semana e tenha a... fama de ser saudável.

Margarida Vieira

terça-feira, 6 de outubro de 2009

Acne e dieta

O acne é uma doença inflamatória da pele, que é mais comum na adolescência, altura em que as glândulas sebáceas estão muito activas devido ao elevado nível de hormonas sexuais. Esta doença, que afecta principalmente o rosto, as costas, o peito e os ombros, pode ser causa de ansiedade, diminuição de auto-estima, isolamento e depressão. Um estudo da Universidade de Oslo, que envolveu 3775 adolescentes, tentou estabelecer uma relação entre acne, dieta e depressão. Encontrou, de facto, uma associação entre o alto consumo de chocolate e batatas fritas e o baixo consumo de vegetais com o acne.

Referência
- Jon A Halvorsen, Florence Dalgard, Magne Thoresen, Espen Bjertness, and Lars Lien. Is the association between acne and mental distress influenced by diet? Results from a cross-sectional population study among 3775 late adolescents in Oslo, Norway. BMC Public Health, 2009.

Imagem
http://www.ehow.com/how_2269224_cure-acne-acne-home-treatment.html

quinta-feira, 1 de outubro de 2009

O BALDE E O BIDÃO NAS SALAS DE CINEMA

Novo post da nutricionista Margarida Vieira:

Quando me encontro numa fila a comprar bilhetes para uma sessão de cinema, reparo sempre que as pessoas à minha frente, ao mesmo tempo que adquirem os bilhetes de cinema, compram também uns "baldes" de pipocas acompanhados por “bidões” de refrigerantes. Chamo-lhes baldes e bidões porque o tamanho das embalagens impressiona. Decidi então observar em pormenor o painel dos produtos alimentares que se vendem junto com os bilhetes de cinema. No quadro dos refrigerantes podemos escolher entre o copo pequeno (que leva meio litro), médio e grande (um litro), no das pipocas as mesmas designações, medida pequena, média e grande. No final do cinema encontram-se, infelizmente, as embalagens e copos vazios pelo chão, pelo que foi fácil trazer para casa um exemplar, dos mais pequenos, do balde e do bidão.

Em casa fiz os cálculos, isto porque, em relação às pipocas, não há alusão a qualquer informação nutricional e o peso líquido do conteúdo do balde se encontra no fundo da embalagem no sistema americano, isto é, em onças (oz). O balde mais pequeno de pipocas enche com 200 g, o que equivale à ingestão aproximada de 1028 kcal (valor médio) e 79,6 g de açúcares (cerca 12 pacotes de açúcar). Por seu lado, o bidão mais pequeno transporta 0,5 l de refrigerante, o que corresponde, por exemplo, no caso de se tratar de coca-cola, a 211 kcal e 53 g de açúcares (equivalente a 8 pacotes individuais de açúcar).

Em duas horas ingere-se, portanto, o equivalente a 20 pacotes individuais de açúcar e 1239 kcal. Quando não é mais... Se o balde e o bidão pequenos dão estes valores, calcule-se o que será com com as opções grandes, que transportam o dobro das quantidades. Este total calórico equivale a um almoço e um jantar.

Em conclusão, nos cinemas vendem-se mais pipocas e refrigerantes do que se vê cinema. É necessário não cair neste tipo de armadilhas, bem colocadas, que apelam ao consumo desenfreado de produtos alimentares cuja base principal é o açúcar. O resultado? Muitas calorias no organismo. E obesidade, claro.

Margarida Vieira

Emagrecer é...

Fazer uma alimentação para a saúde.

Esta semana faço um apanhado do que tem sido dito ao longo destes meses nesta rubrica. É importante interiorizar que a nossa saúde é reflexo daquilo que comemos e, portanto, vale mesmo a pena mudar hábitos. Para emagrecer não é preciso passar fome, nem fazer dieta, basta fazer aquilo a que chamo "alimentação para a saúde".

O primeiro conceito que importa reter é que, nós, adultos, com vida mais ou menos sedentária, precisamos de muito poucas calorias para viver. É ao mundo vegetal, dos legumes e das frutas, que devemos ir buscar a maior parte do que comemos. Entra aqui a primeira das regras: "Inaugurar sempre o almoço e o jantar com um prato de sopa de legumes". Isto permite ficar meio saciado com um alimento baixo em calorias, de uma riqueza nutritiva inigualável. A seguir acompanhe a carne ou o peixe só com salada mista ou com legumes cozidos, grelhados ou estufados temperados com pouco azeite e mais vinagre (ver aqui). Acompanhe a refeição com água e prescinda do pão. Termine com uma peça de fruta e tome um café, sem açúcar ou com menos do que o habitual (não, não o troque por adoçante, vá reduzindo até conseguir eliminá-lo totalmente!).