Pular para o conteúdo principal

Algas do Atlântico à Mesa

Apesar de sermos um país à beira-mar plantado temos pouca tradição no consumo de algas. Mas é pena! Fui à conferência que anunciei sobre algas na alimentação humana e fiquei rendida.

As algas são alimentos riquíssimos em micronutrientes (vitaminas, minerais e oligoelementos) mas também possuem proteínas com aminoácidos essenciais, hidratos de carbono e pouca gordura, mas boa.

São utilizadas na alimentação humana desde tempos remotos e foi no Extremo Oriente que mais cedo se generalizou o seu consumo entre a população. Existem documentos chineses com 4000 anos que atribuem às algas propriedades determinantes da saúde, da longevidade e da sorte. Segundo números apresentados pela FAO (Food and Agriculture Organization), das Nações Unidas, produzem-se anualmente cerca de sete milhões de toneladas de algas frescas, das quais metade se destina à alimentação humana directa. O restante destina-se à indústria alimentar, farmácia, cosmética, fertilizantes, etc. Nos últimos vinte anos o consumo mundial de algas duplicou e, estou certa, serão alimentos de referência obrigatória neste século.

Muito mais haverá para dizer acerca das propriedades tanto nutritivas como terapêuticas e preventivas das algas. Recomendo a consulta do livro "Algas do Atlântico, alimento e saúde" de Clemente Fernández Sáa (editora Algamar), o qual, além de fornecer dados científicos, ensina a preparar as algas da nossa costa em mais de 70 receitas, e o sítio da Algamar, a primeira empresa espanhola especializada em algas desidratadas para alimentação humana como verdura. Adquiri o livro e algumas espécies de algas numa das lojas Celeiro-Dieta. As algas estão desidratadas e o seu aspecto é pouco atractivo, mas asseguro-lhes que, pouco depois de estarem na panela, reidratam e o seu aspecto muda completamente. Experimentem!

Na imagem, "hijiki", um cozido japonês com algas marinhas ("esparguete do mar"), cenoura, ervilhas e frango.

Fonte da imagem: http://marcelokatsuki.folha.blog.uol.com.br/arch2008-04-06_2008-04-12.html
1 comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Leite sem lactose não é para diabéticos

Ontem de tarde, durante a consulta de atendimento a diabéticos, um dos utentes pôs-me a questão se o leite sem lactose seria o melhor para os diabéticos. A dúvida faz todo o sentido uma vez que a lactose é o açúcar natural do leite. No entanto, este leite foi criado para pessoas intolerantes à lactose, que não digerem bem o leite por deficiente produção de lactase, a enzima necessária ao desdobramento da lactose.

Então porque é que é que o leite com 0% lactose não é bom para diabéticos?

A lactose é um hidrato de carbono complexo (dissacárido) formada por duas moléculas de hidratos de carbono simples, a glicose e a galactose (monossacáridos). O leite com 0% lactose não tem, de facto lactose, mas tem os seus constituintes, a glicose e a galactose, que são açúcares simples que fazem subir a glicémia (glicose no sangue) mais facilmente. Quem prova este leite não tem dúvidas: ele é mais doce e foi por isso que o referido doente estranhou e me apareceu com o pacote de leite sem lactose na mão…

COUVE LOMBARDA SALTEADA

Ontem para o jantar fiz couve lombarda salteada com bifinhos de peru grelhados.  É um prato super fácil de fazer que se prepara em 15 minutos.

INGREDIENTES (para quatro pessoas)
Meia couve lombarda
1 cenoura
2 colheres de sopa de azeite
2 dentes de alho
sal marinho q.b.

Depois de lavar a couve, corte-a em juliana. Descasque e rale a cenoura. 
Numa frigideira coloque o azeite e os alhos picados até estes começarem a fritar. Junte a couve, a cenoura e um pouco de sal. Deixe cozinhar cerca de oito minutos mexendo com frequência (se gostar da couve mais cozida deixe cozinhar mais tempo). Está pronto! 

Acompanhei com bifinhos de peru grelhados, temperados com pimenta, pouquíssimo sal, mas com muito sumo de limão. 

Esta couve também fica bem a acompanhar qualquer tipo de peixe.
Experimentem!

O segredo de cozinhar bróculos verdes e nutritivos

Do livro "A cozinha é um laboratório" (Fonte da Palavra, 2009) transcrevo alguns conselhos para bem cozinhar os brócolos evitando, dentro do possível, perdas de nutrientes e o desenvolvimento de cores e aromas indesejáveis: "Corte-os apenas na altura de serem introduzidos na água quente. Além de os cortar em pedaços, dê um golpe longitudinal nos pedúnculos. Estes cortes têm como objectivo acelerar a cozedura, dado aumentarem a área de exposição à água quente. Adicione os brócolos à água a ferver, com o lume no máximo. Para minimizar a perda de nutrientes e ter a melhor cor final, não use muita água, nem pouca... no meio é que está a virtude! Deixe o recipiente destapado nos primeiros minutos. Cozinhe-os durante apenas cerca de 5 minutos (ficam mais estaladiços e com uma cor mais bonita). Se não os for consumir logo, passe-os por água muito fria mal sejam tirados do lume, para parar todo o processo. Como melhor alternativa, coza os brócolos em vapor. O resultado será ainda melh…