Pular para o conteúdo principal

O ECO SILENCIOSO

O médico e escritor João Lobo Antunes, no seu último livro "O Eco Silencioso", Gradiva, 2008, que reúne textos muito interessantes escritos nos últimos três anos, dedica um capítulo às limitações da idade. Transcrevo pequenos excertos desse capítulo porque envelhecer nos toca a todos:

«(...) Mas qualquer que seja a extensão do período da vida plena, gozada na completude de aptidões e capacidades, a verdade é que, como reconheceu Trotsky, o revolucionário, a velhice é a coisa mais inesperada que nos acontece e, acrescentaria eu, nunca é fácil. Bette Davies dizia que «getting old is for sissies», o que pode traduzir-se livremente, como «envelhecer não é para gente fraca».
A velhice surge muitas vezes sorrateira, pé ante pé, e, subitamente, uma mirada de relance ao espelho, uma fotografia tirada à socapa ou a indiscrição de um «vídeo» revelam-nos os estragos do tempo, a articulação perra, o porte alquebrado, a expressão consumida, como lamentou Nemésio. Outras vezes, instala-se de forma brutal, como uma doença súbita, devastadora, frequentemente como consequência de um cataclismo emocional que se abate sobre nós com o peso de um século.
Mas as limitações da idade não constituem necessariamente, um prelúdio a um final inevitável. Tome-se, por exemplo, um jogador de futebol a quem a idade vai fechando a carreira, aí pelo início da terceira década. As limitações do tempo são evidentes: o atleta perde «pulmão» (no jargão dos comentadores), a velocidade abranda, o «drible» hesita, refugia-se em terrenos mais seguros, defende-se do contacto físico, porque sabe que agora as mazelas são mais custosas de sarar.(...)»

«(...) Sobre as limitações físicas da idade pouco há a acrescentar ao que Shakespeare escreveu numa síntese certeira no seu Henrique IV: «a moist eye, a dry hand, a yellow cheek, a white beard, a decreasing leg, an increasing belly...your voice broken, your wind short, your chin double, your wit single, and every part about you blasted with antiquity» («o olho húmido, a mão seca, o rosto amarelecido, a barba branca, a perna fraca, o ventre inchado...a voz quebrada, o fôlego curto, o queixo duplo, a compreensão lenta e todas as tuas partes malditas pelo tempo»).
Mas o declínio não segue um modelo uniforme, como se houvesse uma falência, paralela, sincrónica, de todos os aparelhos e sistemas. Algumas destas limitações, citando a metáfora que uso na clínica, derivam de um defeito do software, e são responsáveis pelas quedas inesperadas, pela desarticulação do movimento; outras são limitações do aparelho locomotor, dos instrumentos que garantem a autonomia, e a perda desta é dolorosamente sentida. De meu pai escrevi eu: «O espírito ainda não se vergara, mas o corpo começara a derrotá-lo, e foram-se-lhe enferrujando os músculos. Ele, que fora um atleta, seco, rijo, começou a queixar-se, sempre preciso da nomenclatura, de que se atrofiavam os nadegueiros (...) As pernas não lhe obedeciam mais, já não podia contar com a sua servidão.(...)»

Embora o autor explique que «é no declínio das funções cognitivas que o envelhecimento tem a sua expressão mais visível, mais incapacitante e mais cruel», termino com a transcrição de um excerto que nos dá uma visão optimista e uma orientação acerca do que podemos fazer para minorar os efeitos do declínio cognitivo:


«(...) É evidente que com a idade diminui a capacidade de aprender sobretudo conceitos complexos. Mas há também alterações qualitativas curiosíssimas, que permitem olhar a velhice com mais optimismo. De facto, sabe-se hoje, desmentindo a noção clássica de invariabilidade do número de células nervosas, que a neuroplasticidade, ou seja, a capacidade de gerar novas células e estabelecer novas conexões nervosas, está presente toda a vida. Esta capacidade de renovação depende em parte do grau de educação e da persistência em actividades mentais complexas. Como conto no ensaio sobre a velhice do meu pai, ele não desistiu, até muito pouco tempo antes de morrer, de treinar o intelecto e muscular a memória, escrevendo na tampa das caixas de fósforos uma série interminável de datas, verdadeiras efemérides de almanaque, como o ano da morte de Beethoven, da publicação da Divina Comédia, da batalha de Waterloo, eu sei lá... Por outro lado, há indicações de que os testes de vocabulário mostram uma vantagem consistente nas pessoas mais velhas.
Como nota Baltes, há nos velhos um pragmatismo cristalizado, um apuramento da inteligência emocional e da sabedoria, atingindo muitas vezes o cume da excelência humana. (...)»

De acordo com a programação do Casino da Figueira, João Lobo Antunes estará logo à noite na Figueira da Foz para apresentar "O Eco Silencioso".
1 comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Leite sem lactose não é para diabéticos

Ontem de tarde, durante a consulta de atendimento a diabéticos, um dos utentes pôs-me a questão se o leite sem lactose seria o melhor para os diabéticos. A dúvida faz todo o sentido uma vez que a lactose é o açúcar natural do leite. No entanto, este leite foi criado para pessoas intolerantes à lactose, que não digerem bem o leite por deficiente produção de lactase, a enzima necessária ao desdobramento da lactose.

Então porque é que é que o leite com 0% lactose não é bom para diabéticos?

A lactose é um hidrato de carbono complexo (dissacárido) formada por duas moléculas de hidratos de carbono simples, a glicose e a galactose (monossacáridos). O leite com 0% lactose não tem, de facto lactose, mas tem os seus constituintes, a glicose e a galactose, que são açúcares simples que fazem subir a glicémia (glicose no sangue) mais facilmente. Quem prova este leite não tem dúvidas: ele é mais doce e foi por isso que o referido doente estranhou e me apareceu com o pacote de leite sem lactose na mão…

COUVE LOMBARDA SALTEADA

Ontem para o jantar fiz couve lombarda salteada com bifinhos de peru grelhados.  É um prato super fácil de fazer que se prepara em 15 minutos.

INGREDIENTES (para quatro pessoas)
Meia couve lombarda
1 cenoura
2 colheres de sopa de azeite
2 dentes de alho
sal marinho q.b.

Depois de lavar a couve, corte-a em juliana. Descasque e rale a cenoura. 
Numa frigideira coloque o azeite e os alhos picados até estes começarem a fritar. Junte a couve, a cenoura e um pouco de sal. Deixe cozinhar cerca de oito minutos mexendo com frequência (se gostar da couve mais cozida deixe cozinhar mais tempo). Está pronto! 

Acompanhei com bifinhos de peru grelhados, temperados com pimenta, pouquíssimo sal, mas com muito sumo de limão. 

Esta couve também fica bem a acompanhar qualquer tipo de peixe.
Experimentem!

O segredo de cozinhar bróculos verdes e nutritivos

Do livro "A cozinha é um laboratório" (Fonte da Palavra, 2009) transcrevo alguns conselhos para bem cozinhar os brócolos evitando, dentro do possível, perdas de nutrientes e o desenvolvimento de cores e aromas indesejáveis: "Corte-os apenas na altura de serem introduzidos na água quente. Além de os cortar em pedaços, dê um golpe longitudinal nos pedúnculos. Estes cortes têm como objectivo acelerar a cozedura, dado aumentarem a área de exposição à água quente. Adicione os brócolos à água a ferver, com o lume no máximo. Para minimizar a perda de nutrientes e ter a melhor cor final, não use muita água, nem pouca... no meio é que está a virtude! Deixe o recipiente destapado nos primeiros minutos. Cozinhe-os durante apenas cerca de 5 minutos (ficam mais estaladiços e com uma cor mais bonita). Se não os for consumir logo, passe-os por água muito fria mal sejam tirados do lume, para parar todo o processo. Como melhor alternativa, coza os brócolos em vapor. O resultado será ainda melh…