Pular para o conteúdo principal

AS PROPRIEDADES MEDICINAIS DO ALHO

O alho, Allium sativum, tem sido utilizado pelo homem como recurso culinário e terapêutico desde a Antiguidade. O papiro egípcio Ebers, que datado do século XVI a.C. é considerado o primeiro tratado médico conhecido, inclui o alho em mais de 700 fórmulas médicas. A. Proença da Cunha, J. Alves Ribeiro e O.Rodrigues Roque, no seu livro "Plantas Aromáticas em Portugal - Caracterização e Utilizações", Fundação Calouste Gulbenkian, 2007, fazem várias referências à utilização do alho para fins medicinais ao longo da história:
"O alho era muito usado para evitar as doenças e afastar as epidemias. A tradução de uma inscrição na pirâmide de Queóps, construída cerca de 4500 anos a.C., refere que todas as manhãs cada escravo trabalhando na construção civil recebia do seu senhor uma cabeça de alho para lhe dar força e boa saúde."
Hoje em dia, graças à evolução da ciência química, é fácil perceber porquê. Os mais de 200 princípios activos presentes no alho conferem-lhe propriedades que permitem combater inúmeras doenças, entre as quais as infecciosas, as vasculares, as oncológicas, além de retardar o envelhecimento celular.

O bolbo do alho, segundo o livro acima referido:
"contém aliínas que, após hidrólise pela enzima aliinase, origina vários produtos voláteis odoríferos (alicina, que predomina, e sulfuretos solúveis na água); fructosanas (cerca de 75 por cento); açúcares redutores (15 por cento); compostos tiociânicos; sais minerais; vestígios de vitaminas (A, do complexo B e C) e saponinas. Os compostos sulfurados, principalmente os solúveis na água são responsáveis pela diminuição da agregação plaquetária, aumento da actividade fibrinolítica, efeitos hipoglicemiantes e acção antioxidante. Reduz o teor de colesterol no sangue. Tem propriedades anti-sépticas, fungicidas e antivirais. Possui acção diurética devido às fructosanas".
O que é a aliína? Um aminoácido presente no alho cru que se transforma em alicina quando se esmaga ou corta o alho. E a alicina? Um princípio activo a que se atribuem propriedades antibióticas, hipoglicémicas e hipolipemiantes.

O alho pertence à família das liliáceas, das quais fazem parte também a cebola, o espargo e o alho porro. A importância deste bolbo resulta dos seus componentes e pode consumir-se de múltiplas maneiras, mas o melhor é consumi-lo cru. A partir dos 60 graus centígrados perde as suas propriedades saudáveis.

O alho está bastante presente na gastronomia tradicional portuguesa. Da próxima vez que comer alho, o que deve fazer tal como os outros alimentos em doses comedidas (o consumo excessivo pode produzir ardor ou refluxo), já sabe que o alho lhe vai fazer bem.
14 comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Leite sem lactose não é para diabéticos

Ontem de tarde, durante a consulta de atendimento a diabéticos, um dos utentes pôs-me a questão se o leite sem lactose seria o melhor para os diabéticos. A dúvida faz todo o sentido uma vez que a lactose é o açúcar natural do leite. No entanto, este leite foi criado para pessoas intolerantes à lactose, que não digerem bem o leite por deficiente produção de lactase, a enzima necessária ao desdobramento da lactose.

Então porque é que é que o leite com 0% lactose não é bom para diabéticos?

A lactose é um hidrato de carbono complexo (dissacárido) formada por duas moléculas de hidratos de carbono simples, a glicose e a galactose (monossacáridos). O leite com 0% lactose não tem, de facto lactose, mas tem os seus constituintes, a glicose e a galactose, que são açúcares simples que fazem subir a glicémia (glicose no sangue) mais facilmente. Quem prova este leite não tem dúvidas: ele é mais doce e foi por isso que o referido doente estranhou e me apareceu com o pacote de leite sem lactose na mão…

COUVE LOMBARDA SALTEADA

Ontem para o jantar fiz couve lombarda salteada com bifinhos de peru grelhados.  É um prato super fácil de fazer que se prepara em 15 minutos.

INGREDIENTES (para quatro pessoas)
Meia couve lombarda
1 cenoura
2 colheres de sopa de azeite
2 dentes de alho
sal marinho q.b.

Depois de lavar a couve, corte-a em juliana. Descasque e rale a cenoura. 
Numa frigideira coloque o azeite e os alhos picados até estes começarem a fritar. Junte a couve, a cenoura e um pouco de sal. Deixe cozinhar cerca de oito minutos mexendo com frequência (se gostar da couve mais cozida deixe cozinhar mais tempo). Está pronto! 

Acompanhei com bifinhos de peru grelhados, temperados com pimenta, pouquíssimo sal, mas com muito sumo de limão. 

Esta couve também fica bem a acompanhar qualquer tipo de peixe.
Experimentem!

O segredo de cozinhar bróculos verdes e nutritivos

Do livro "A cozinha é um laboratório" (Fonte da Palavra, 2009) transcrevo alguns conselhos para bem cozinhar os brócolos evitando, dentro do possível, perdas de nutrientes e o desenvolvimento de cores e aromas indesejáveis: "Corte-os apenas na altura de serem introduzidos na água quente. Além de os cortar em pedaços, dê um golpe longitudinal nos pedúnculos. Estes cortes têm como objectivo acelerar a cozedura, dado aumentarem a área de exposição à água quente. Adicione os brócolos à água a ferver, com o lume no máximo. Para minimizar a perda de nutrientes e ter a melhor cor final, não use muita água, nem pouca... no meio é que está a virtude! Deixe o recipiente destapado nos primeiros minutos. Cozinhe-os durante apenas cerca de 5 minutos (ficam mais estaladiços e com uma cor mais bonita). Se não os for consumir logo, passe-os por água muito fria mal sejam tirados do lume, para parar todo o processo. Como melhor alternativa, coza os brócolos em vapor. O resultado será ainda melh…