Pular para o conteúdo principal

Se pisar alguém, dói


Li recentemente na revista Tabu o interessante testemunho de Luís Santos, um ex-obeso, que passo a transcrever:
"Aos 13 anos já tinha 1,78 m e pesava mais de 90 quilos. Era a delícia dos meus pais e dos meus avós eu comer (a partir dos 12 anos) em bandejas - uma bandeja para a carne ou o peixe, outra para a batata e o arroz. Achavam que estava com falta de fome quando só comia três bifes... Na nossa casa, com quatro filhos entre os oito e os quinze anos, e quatro adultos, os meus pais e avós, consumiam-se 180 carcaças por dia. Para mim era normal comer assim. Só percebi que não era quando contactei mais com outros miúdos - notei as minhas limitações e sofri um pouco na escola. Fiz desporto, mas parei quando comecei a trabalhar por turnos. Resultado: em dois anos passei dos 95/100 para os 150 quilos... E não me custava porque tinha mais de 1,90 m e estrutura física para aguentar o aumento de peso. Até aos 30 anos não me preocupei com os 50 quilos que tinha a mais. A partir dos 34 comecei a ter sustos: tensão arterial de 270/220, prestes a fazer um AVC (acidente vascular cerebral), tonturas cansaço, dores articulares, vida sexual o mais reduzida possível porque a capacidade é pouca. Tinha de entrar de lado na casa de banho do serviço; no autocarro ia de pé porque não cabia nos bancos; não havia roupa que me servisse... Há três anos , aos 39, fiz um bypass gástrico. Pesava 156 quilos, mas antes tinha chegado aos 164. Em casa como a minha mulher pôs uma banda gástrica há quatro anos, eu e os meus dois filhos fomos solidários: alterámos os hábitos alimentares. Começamos sempre a refeição pela sopa, comemos mais vegetais e peixe, a televisão fica desligada e aproveitamos aquele bocadinho para conversar. A mercearia que antes dava para um mês agora dá para três. Foi um sucesso que envolveu a família - os miúdos e até os cães estão mais magros! Como tenho menos peso mexo-me melhor, vou à rua, jogo à bola com os miúdos, passeio os cães... O meu objectivo é manter os 100 quilos, assim sinto-me confortável e não me canso com facilidade. Mas neste momento peso 108 quilos. Se pisar alguém, dói."
O mais interessante deste relato e que gostaria de realçar para exemplo de todos é que a simples mudança de hábitos alimentares é suficiente para ver o peso diminuir. Iniciar o almoço e o jantar com um prato de sopa parece um acto sem efeito, mas, na realidade, faz emagrecer. A razão é simples: o valor calórico total da refeição diminui porque um prato de sopa de legumes (sem carne), normalmente baixo em calorias, deixa-nos meio saciados, pelo que já não comemos tanto do segundo prato, que tem maior densidade calórica. Esta redução energética de forma continuada permite perder massa gorda sem passar fome e sem pensar em dietas. Experimente!

Fonte: "Tabu" de 29/11/2008
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Leite sem lactose não é para diabéticos

Ontem de tarde, durante a consulta de atendimento a diabéticos, um dos utentes pôs-me a questão se o leite sem lactose seria o melhor para os diabéticos. A dúvida faz todo o sentido uma vez que a lactose é o açúcar natural do leite. No entanto, este leite foi criado para pessoas intolerantes à lactose, que não digerem bem o leite por deficiente produção de lactase, a enzima necessária ao desdobramento da lactose.

Então porque é que é que o leite com 0% lactose não é bom para diabéticos?

A lactose é um hidrato de carbono complexo (dissacárido) formada por duas moléculas de hidratos de carbono simples, a glicose e a galactose (monossacáridos). O leite com 0% lactose não tem, de facto lactose, mas tem os seus constituintes, a glicose e a galactose, que são açúcares simples que fazem subir a glicémia (glicose no sangue) mais facilmente. Quem prova este leite não tem dúvidas: ele é mais doce e foi por isso que o referido doente estranhou e me apareceu com o pacote de leite sem lactose na mão…

COUVE LOMBARDA SALTEADA

Ontem para o jantar fiz couve lombarda salteada com bifinhos de peru grelhados.  É um prato super fácil de fazer que se prepara em 15 minutos.

INGREDIENTES (para quatro pessoas)
Meia couve lombarda
1 cenoura
2 colheres de sopa de azeite
2 dentes de alho
sal marinho q.b.

Depois de lavar a couve, corte-a em juliana. Descasque e rale a cenoura. 
Numa frigideira coloque o azeite e os alhos picados até estes começarem a fritar. Junte a couve, a cenoura e um pouco de sal. Deixe cozinhar cerca de oito minutos mexendo com frequência (se gostar da couve mais cozida deixe cozinhar mais tempo). Está pronto! 

Acompanhei com bifinhos de peru grelhados, temperados com pimenta, pouquíssimo sal, mas com muito sumo de limão. 

Esta couve também fica bem a acompanhar qualquer tipo de peixe.
Experimentem!

O segredo de cozinhar bróculos verdes e nutritivos

Do livro "A cozinha é um laboratório" (Fonte da Palavra, 2009) transcrevo alguns conselhos para bem cozinhar os brócolos evitando, dentro do possível, perdas de nutrientes e o desenvolvimento de cores e aromas indesejáveis: "Corte-os apenas na altura de serem introduzidos na água quente. Além de os cortar em pedaços, dê um golpe longitudinal nos pedúnculos. Estes cortes têm como objectivo acelerar a cozedura, dado aumentarem a área de exposição à água quente. Adicione os brócolos à água a ferver, com o lume no máximo. Para minimizar a perda de nutrientes e ter a melhor cor final, não use muita água, nem pouca... no meio é que está a virtude! Deixe o recipiente destapado nos primeiros minutos. Cozinhe-os durante apenas cerca de 5 minutos (ficam mais estaladiços e com uma cor mais bonita). Se não os for consumir logo, passe-os por água muito fria mal sejam tirados do lume, para parar todo o processo. Como melhor alternativa, coza os brócolos em vapor. O resultado será ainda melh…