Pular para o conteúdo principal

Porque é que o sal faz subir a tensão arterial ?


Resumo de uma comunicação que apresentei num Workshop sobre alimentação e hipertensão arterial:

Considera-se que um indivíduo tem hipertensão arterial (HTA) quando apresenta valores da tensão máxima (pressão sistólica) superiores a 140 milímetros de mercúrio ou valores da tensão mínima (pressão diastólica) acima de 90 milímetros de mercúrio. No entanto, há factores que podem, pontualmente, alterar ou fazer variar a tensão, pelo que deve ser feita a média de duas ou mais leituras, antes de se extrair uma conclusão.

Porque é que a ingestão de sal faz subir a tensão arterial?

A água assegura, aproximadamente, 60 por cento do peso corporal e localiza-se em três compartimentos: vasos sanguíneos e coração (plasma) – oito por cento; interior das células (fluido intracelular) – 67 por cento; e espaços entre células (fluido intersticial) – 25 por cento.

Se o sangue se tornar salgado após uma refeição, o equilíbrio entre estes três compartimentos de água está alterado. A água desloca-se por osmose do fluido intersticial para o sangue com o objectivo de neutralizar o excesso de sal. Deste modo, o fluido intersticial perde parte da sua água, fica salgado e retira, por osmose, água do fluido intracelular.

Para evitar a desidratação das células o organismo possui mecanismos que fazem com que sintamos sede quando o sal aumenta no sangue de apenas um por cento. E sentimos sede, quando ingerimos um alimento salgado, em dois momentos distintos: no primeiro, as células detectoras de sal que existem na boca, garganta e esófago fazem-nos sentir sede, ainda antes de o sal ter sido absorvido nos intestinos. Trata-se de um mecanismo que assegura que a água e o sal são ingeridos simultaneamente. Uma ou duas horas depois, quando temos sede novamente, é porque o cérebro detecta um nível elevado de sal no sangue, após todos os alimentos e água terem sido absorvidos A ingestão de água restaura o desequilíbrio salino provocado pelos alimentos salgados e protege as células nervosas da desidratação. Em consequência da ingestão de grande quantidade de líquido sentimo-nos “inchados”, e há maior risco de aumento da tensão arterial. Isto acontece porque, sempre que um fluido é adicionado a um circuito fechado (como a nossa corrente sanguínea), a pressão desse fluido tem necessariamente de aumentar.

Os chamados indivíduos “sensíveis ao sal”, cerca de 30 a 60 por cento dos doentes com HTA, apresentam maior predisposição ao desenvolvimento desta patologia devido a ingestão salina. Embora existam outras causas para a HTA, os epidemiologistas atribuem boa parte da sua prevalência ao excesso de peso (gordura abdominal), à alimentação e ao estilo de vida.

Prevenção da HTA

Para prevenir ou ajudar a tratar a HTA, deve-se reduzir a ingestão de sal (deve ser dada especial atenção aos alimentos processados, que chegam a fornecer cerca de 70 por cento do sal consumido), aumentar a ingestão de alimentos que contenham potássio, vitamina C e cálcio (que incluem cereais, frutos, hortaliças, leguminosas e frutos secos). Deve ainda manter-se o peso dentro dos limites saudáveis, evitar o álcool, controlar o “stress” e praticar exercício aeróbico moderado e regular (por exemplo, fazer caminhadas diárias).
4 comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Leite sem lactose não é para diabéticos

Ontem de tarde, durante a consulta de atendimento a diabéticos, um dos utentes pôs-me a questão se o leite sem lactose seria o melhor para os diabéticos. A dúvida faz todo o sentido uma vez que a lactose é o açúcar natural do leite. No entanto, este leite foi criado para pessoas intolerantes à lactose, que não digerem bem o leite por deficiente produção de lactase, a enzima necessária ao desdobramento da lactose.

Então porque é que é que o leite com 0% lactose não é bom para diabéticos?

A lactose é um hidrato de carbono complexo (dissacárido) formada por duas moléculas de hidratos de carbono simples, a glicose e a galactose (monossacáridos). O leite com 0% lactose não tem, de facto lactose, mas tem os seus constituintes, a glicose e a galactose, que são açúcares simples que fazem subir a glicémia (glicose no sangue) mais facilmente. Quem prova este leite não tem dúvidas: ele é mais doce e foi por isso que o referido doente estranhou e me apareceu com o pacote de leite sem lactose na mão…

COUVE LOMBARDA SALTEADA

Ontem para o jantar fiz couve lombarda salteada com bifinhos de peru grelhados.  É um prato super fácil de fazer que se prepara em 15 minutos.

INGREDIENTES (para quatro pessoas)
Meia couve lombarda
1 cenoura
2 colheres de sopa de azeite
2 dentes de alho
sal marinho q.b.

Depois de lavar a couve, corte-a em juliana. Descasque e rale a cenoura. 
Numa frigideira coloque o azeite e os alhos picados até estes começarem a fritar. Junte a couve, a cenoura e um pouco de sal. Deixe cozinhar cerca de oito minutos mexendo com frequência (se gostar da couve mais cozida deixe cozinhar mais tempo). Está pronto! 

Acompanhei com bifinhos de peru grelhados, temperados com pimenta, pouquíssimo sal, mas com muito sumo de limão. 

Esta couve também fica bem a acompanhar qualquer tipo de peixe.
Experimentem!

O segredo de cozinhar bróculos verdes e nutritivos

Do livro "A cozinha é um laboratório" (Fonte da Palavra, 2009) transcrevo alguns conselhos para bem cozinhar os brócolos evitando, dentro do possível, perdas de nutrientes e o desenvolvimento de cores e aromas indesejáveis: "Corte-os apenas na altura de serem introduzidos na água quente. Além de os cortar em pedaços, dê um golpe longitudinal nos pedúnculos. Estes cortes têm como objectivo acelerar a cozedura, dado aumentarem a área de exposição à água quente. Adicione os brócolos à água a ferver, com o lume no máximo. Para minimizar a perda de nutrientes e ter a melhor cor final, não use muita água, nem pouca... no meio é que está a virtude! Deixe o recipiente destapado nos primeiros minutos. Cozinhe-os durante apenas cerca de 5 minutos (ficam mais estaladiços e com uma cor mais bonita). Se não os for consumir logo, passe-os por água muito fria mal sejam tirados do lume, para parar todo o processo. Como melhor alternativa, coza os brócolos em vapor. O resultado será ainda melh…