Pular para o conteúdo principal

Baixar o colesterol


Resumo de uma comunicação que apresentei sobre o colesterol:

O colesterol é um composto vital que é sintetizado maioritariamente pelo fígado e que entra na produção de algumas hormonas, ácidos biliares, vitamina D, além de ser um componente integral das membranas celulares. O colesterol é indispensável ao funcionamento do nosso organismo, sendo o seu nível no sangue regulado com grande rigor. O fígado e até o intestino chegam a produzi-lo quando a alimentação não o fornece em quantidade suficiente.

É insolúvel na água e, por isso, insolúvel no sangue, de modo que, para ser transportado, o organismo tem de o “empacotar” dentro de partículas esféricas proteicas chamadas lipoproteínas. De acordo com a sua densidade, as lipoproteínas podem ser de muito baixa densidade - Very Low Density Lipoproteins (VLDL) -, de baixa densidade - Low Density Lipoproteins (LDL) - e de alta densidade – Hight Density Lipoproteins (HDL) -, que são as mais pequenas, as mais pesadas e as menos gordas.


Em média, cerca de dois terços do colesterol do sangue surge na forma de LDL. Os riscos de arterosclerose, de doença coronária e de enfarte do miocárdio aumentam com a elevação dos respectivo nível, uma vez que esse colesterol se deposita no interior das artérias formando placas. Quando tal acontece, o HDL capta o LDL e tranporta-o até ao fígado, onde é convertido em sais biliares que são eliminados através do trato intestinal. Daí a importância da existência de bons níveis de HDL, o chamado “bom colesterol".

Baixar o colesterol

Em algumas pessoas, os níveis elevados do LDL são o reflexo directo da quantidade de gordura ingerida na alimentação, pelo que uma boa dieta é decisiva para uma boa saúde cardiovascular. Noutras pessoas, esses níveis elevados são resultado da grande quantidade do colesterol produzida pelo fígado, pelo que é necessário nesse caso recorrer a medicação apropriada. Como somos todos diferentes e não existe um meio simples de verificar como cada um reage à gordura e ao colesterol alimentares, a opção mais segura e benéfica para todos consiste em limitar o consumo de alimentos gordos. Em particular, devem ser evitados alimentos com gordura saturada, como carnes vermelhas, margarina e manteiga, e alimentos com gordura hidrogenada, como as margarinas vegetais, bolachas, bolos, etc., porque estimulam a produção de LDL no organismo.

Alimentos anti-colesterol

Fazem parte do grupo de alimentos anti-colesterol todos os que possuem quantidade consideráveis de vitamina C (quivi, citrinos, morangos, salsa, etc.), beta-caroteno (todas as frutas e legumes de polpa cor-de-laranja), vitamina E (frutos secos, nozes, sementes, grãos e gérmen trigo, azeite, etc.), coenzima Q10 (sardinha, cavala, etc.) e alimentos com alto teor de ácidos gordos monoinsaturados(azeite, banha de porco, amêndoas, abacate, etc.).

3 comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Leite sem lactose não é para diabéticos

Ontem de tarde, durante a consulta de atendimento a diabéticos, um dos utentes pôs-me a questão se o leite sem lactose seria o melhor para os diabéticos. A dúvida faz todo o sentido uma vez que a lactose é o açúcar natural do leite. No entanto, este leite foi criado para pessoas intolerantes à lactose, que não digerem bem o leite por deficiente produção de lactase, a enzima necessária ao desdobramento da lactose.

Então porque é que é que o leite com 0% lactose não é bom para diabéticos?

A lactose é um hidrato de carbono complexo (dissacárido) formada por duas moléculas de hidratos de carbono simples, a glicose e a galactose (monossacáridos). O leite com 0% lactose não tem, de facto lactose, mas tem os seus constituintes, a glicose e a galactose, que são açúcares simples que fazem subir a glicémia (glicose no sangue) mais facilmente. Quem prova este leite não tem dúvidas: ele é mais doce e foi por isso que o referido doente estranhou e me apareceu com o pacote de leite sem lactose na mão…

COUVE LOMBARDA SALTEADA

Ontem para o jantar fiz couve lombarda salteada com bifinhos de peru grelhados.  É um prato super fácil de fazer que se prepara em 15 minutos.

INGREDIENTES (para quatro pessoas)
Meia couve lombarda
1 cenoura
2 colheres de sopa de azeite
2 dentes de alho
sal marinho q.b.

Depois de lavar a couve, corte-a em juliana. Descasque e rale a cenoura. 
Numa frigideira coloque o azeite e os alhos picados até estes começarem a fritar. Junte a couve, a cenoura e um pouco de sal. Deixe cozinhar cerca de oito minutos mexendo com frequência (se gostar da couve mais cozida deixe cozinhar mais tempo). Está pronto! 

Acompanhei com bifinhos de peru grelhados, temperados com pimenta, pouquíssimo sal, mas com muito sumo de limão. 

Esta couve também fica bem a acompanhar qualquer tipo de peixe.
Experimentem!

O segredo de cozinhar bróculos verdes e nutritivos

Do livro "A cozinha é um laboratório" (Fonte da Palavra, 2009) transcrevo alguns conselhos para bem cozinhar os brócolos evitando, dentro do possível, perdas de nutrientes e o desenvolvimento de cores e aromas indesejáveis: "Corte-os apenas na altura de serem introduzidos na água quente. Além de os cortar em pedaços, dê um golpe longitudinal nos pedúnculos. Estes cortes têm como objectivo acelerar a cozedura, dado aumentarem a área de exposição à água quente. Adicione os brócolos à água a ferver, com o lume no máximo. Para minimizar a perda de nutrientes e ter a melhor cor final, não use muita água, nem pouca... no meio é que está a virtude! Deixe o recipiente destapado nos primeiros minutos. Cozinhe-os durante apenas cerca de 5 minutos (ficam mais estaladiços e com uma cor mais bonita). Se não os for consumir logo, passe-os por água muito fria mal sejam tirados do lume, para parar todo o processo. Como melhor alternativa, coza os brócolos em vapor. O resultado será ainda melh…