Pular para o conteúdo principal

A SENHORA LEPTINA

Como estudei Nutrição na Universidade do Porto, espero que não me levem a mal referir aqui outro livro publicado pela Editora da Universidade do Porto. O autor é Rui Fontes, professor associado de Bioquímica na Faculdade de Medicina do Porto, e o título é "Entrevistas com a Senhora Leptina". Fez os desenhos deste livro saído em 2006 José Salgado, docente na Faculdade de Arquitectura daquela Universidade. Para quem não saiba o que é a leptina, o sítio da editora (onde o livro pode ser adquirido apenas por cinco euros) esclarece em poucas palavras:
"A Leptina, uma hormona sintetizada no tecido adiposo dos mamíferos que foi descoberta em 1994 e que tem um papel importante na regulação do apetite, é a personagem entrevistada nesta obra.
Numa altura em que tanto se fala de obesidade como factor de risco nas múltiplas doenças e a sua alta incidência em Portugal, este livro pretende dar a conhecer ao leitor alguns aspectos do conhecimento científico actual em áreas relacionadas com o controlo do apetite e a obesidade"
O livro consiste de entrevistas fictícias feitas por um jovem de 16 anos da Escola Secundária Augusto Nobre em Matosinhos à própria hormona (refiro a propósito que ainda, há duas semanas, a revista "Science" tinha um artigo de capa - estavam umas apetitosas tortas na capa, fechadas num armário - sobre a relação entre uma outra hormona, a dopamina, e a obesidade). As entrevistas (pode lê-las aqui e aqui) são escritas de uma forma bastante simples para que qualquer jovem as perceba. Não é de estranhar que o autor tenha estudado nessa mesma escola em Matosinhos, terra aliás onde nasceu. E adivinham qual é o seu clube? O clube de Matosinhos, o Leixões, que vai, pelo menos por agora, e decerto também devido à boa alimentação dos seus atletas (bom peixe, adivinho eu), à frente do campeonato português de futebol...
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Leite sem lactose não é para diabéticos

Ontem de tarde, durante a consulta de atendimento a diabéticos, um dos utentes pôs-me a questão se o leite sem lactose seria o melhor para os diabéticos. A dúvida faz todo o sentido uma vez que a lactose é o açúcar natural do leite. No entanto, este leite foi criado para pessoas intolerantes à lactose, que não digerem bem o leite por deficiente produção de lactase, a enzima necessária ao desdobramento da lactose.

Então porque é que é que o leite com 0% lactose não é bom para diabéticos?

A lactose é um hidrato de carbono complexo (dissacárido) formada por duas moléculas de hidratos de carbono simples, a glicose e a galactose (monossacáridos). O leite com 0% lactose não tem, de facto lactose, mas tem os seus constituintes, a glicose e a galactose, que são açúcares simples que fazem subir a glicémia (glicose no sangue) mais facilmente. Quem prova este leite não tem dúvidas: ele é mais doce e foi por isso que o referido doente estranhou e me apareceu com o pacote de leite sem lactose na mão…

COUVE LOMBARDA SALTEADA

Ontem para o jantar fiz couve lombarda salteada com bifinhos de peru grelhados.  É um prato super fácil de fazer que se prepara em 15 minutos.

INGREDIENTES (para quatro pessoas)
Meia couve lombarda
1 cenoura
2 colheres de sopa de azeite
2 dentes de alho
sal marinho q.b.

Depois de lavar a couve, corte-a em juliana. Descasque e rale a cenoura. 
Numa frigideira coloque o azeite e os alhos picados até estes começarem a fritar. Junte a couve, a cenoura e um pouco de sal. Deixe cozinhar cerca de oito minutos mexendo com frequência (se gostar da couve mais cozida deixe cozinhar mais tempo). Está pronto! 

Acompanhei com bifinhos de peru grelhados, temperados com pimenta, pouquíssimo sal, mas com muito sumo de limão. 

Esta couve também fica bem a acompanhar qualquer tipo de peixe.
Experimentem!

O segredo de cozinhar bróculos verdes e nutritivos

Do livro "A cozinha é um laboratório" (Fonte da Palavra, 2009) transcrevo alguns conselhos para bem cozinhar os brócolos evitando, dentro do possível, perdas de nutrientes e o desenvolvimento de cores e aromas indesejáveis: "Corte-os apenas na altura de serem introduzidos na água quente. Além de os cortar em pedaços, dê um golpe longitudinal nos pedúnculos. Estes cortes têm como objectivo acelerar a cozedura, dado aumentarem a área de exposição à água quente. Adicione os brócolos à água a ferver, com o lume no máximo. Para minimizar a perda de nutrientes e ter a melhor cor final, não use muita água, nem pouca... no meio é que está a virtude! Deixe o recipiente destapado nos primeiros minutos. Cozinhe-os durante apenas cerca de 5 minutos (ficam mais estaladiços e com uma cor mais bonita). Se não os for consumir logo, passe-os por água muito fria mal sejam tirados do lume, para parar todo o processo. Como melhor alternativa, coza os brócolos em vapor. O resultado será ainda melh…