Pular para o conteúdo principal

VINHO, GASTRONOMIA E SAÚDE

Informação recebida da Universidade do Porto:

"Vinho, Gastronomia e Saúde"
, da autoria de C. Hipólito-Reis, título editado pela Editora da Universidade do Porto, vai ser apresentado ao público hoje (28 de Outubro), às 18h00, no Salão Nobre da Reitoria da Universidade do Porto, sita na Praça Gomes Teixeira (Porto). A apresentação da obra será feita por Daniel Serrão, conceituado médico, professor e investigador.

C. Hipólito-Reis analisa nesta obra as inter-relações do vinho, da gastronomia e da saúde, encarando-as como um conjunto sistémico de complementaridades em que os três elementos se relacionam em harmonia.

Cândido Hipólito-Reis é professor jubilado de Bioquímica da Faculdade de Medicina da Universidade do Porto. Interessa-se de modo especial pelo metabolismo e sua regulação e, correlativamente, pela nutrição e alimentação. Tendo sido solicitado para proferir diversas comunicações sobre aspectos biomédicos, médicos e antropológicos da utilização das bebidas alcoólicas, aí encontrou a motivação para escrever esta obra.

A entrada na sessão de apresentação da obra é livre.

Editora UP
Colecção: Série Do Saber, 6
Data de edição: Julho 2008
Nº de páginas: 460
ISBN: 978-972-8025-80-9
Preço: 35,00€
Tema: Alimentação, Medicina, Antropologia

Do prefácio do livro: «A certeza de que a vida, a sua duração e qualidade, e a saúde, em termos gerais, dependem da alimentação, o conhecimento da espantosa excelência de, pelo menos, uma certa gastronomia, dita mediterrânica, grega ou cretense, em que o vinho tem a sua parte, e a descoberta dos valores simbólicos desta actividade humana (…), abriram perspectivas novas numa área do saber humano em que a dada altura, cientificamente, tanto se empolou a alimentação racional e ao mesmo tempo, inapelavelmente, se condenava o vinho como droga geradora de desgraças orgânicas, comportamentais e comunitárias…»

1 comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Leite sem lactose não é para diabéticos

Ontem de tarde, durante a consulta de atendimento a diabéticos, um dos utentes pôs-me a questão se o leite sem lactose seria o melhor para os diabéticos. A dúvida faz todo o sentido uma vez que a lactose é o açúcar natural do leite. No entanto, este leite foi criado para pessoas intolerantes à lactose, que não digerem bem o leite por deficiente produção de lactase, a enzima necessária ao desdobramento da lactose.

Então porque é que é que o leite com 0% lactose não é bom para diabéticos?

A lactose é um hidrato de carbono complexo (dissacárido) formada por duas moléculas de hidratos de carbono simples, a glicose e a galactose (monossacáridos). O leite com 0% lactose não tem, de facto lactose, mas tem os seus constituintes, a glicose e a galactose, que são açúcares simples que fazem subir a glicémia (glicose no sangue) mais facilmente. Quem prova este leite não tem dúvidas: ele é mais doce e foi por isso que o referido doente estranhou e me apareceu com o pacote de leite sem lactose na mão…

COUVE LOMBARDA SALTEADA

Ontem para o jantar fiz couve lombarda salteada com bifinhos de peru grelhados.  É um prato super fácil de fazer que se prepara em 15 minutos.

INGREDIENTES (para quatro pessoas)
Meia couve lombarda
1 cenoura
2 colheres de sopa de azeite
2 dentes de alho
sal marinho q.b.

Depois de lavar a couve, corte-a em juliana. Descasque e rale a cenoura. 
Numa frigideira coloque o azeite e os alhos picados até estes começarem a fritar. Junte a couve, a cenoura e um pouco de sal. Deixe cozinhar cerca de oito minutos mexendo com frequência (se gostar da couve mais cozida deixe cozinhar mais tempo). Está pronto! 

Acompanhei com bifinhos de peru grelhados, temperados com pimenta, pouquíssimo sal, mas com muito sumo de limão. 

Esta couve também fica bem a acompanhar qualquer tipo de peixe.
Experimentem!

O segredo de cozinhar bróculos verdes e nutritivos

Do livro "A cozinha é um laboratório" (Fonte da Palavra, 2009) transcrevo alguns conselhos para bem cozinhar os brócolos evitando, dentro do possível, perdas de nutrientes e o desenvolvimento de cores e aromas indesejáveis: "Corte-os apenas na altura de serem introduzidos na água quente. Além de os cortar em pedaços, dê um golpe longitudinal nos pedúnculos. Estes cortes têm como objectivo acelerar a cozedura, dado aumentarem a área de exposição à água quente. Adicione os brócolos à água a ferver, com o lume no máximo. Para minimizar a perda de nutrientes e ter a melhor cor final, não use muita água, nem pouca... no meio é que está a virtude! Deixe o recipiente destapado nos primeiros minutos. Cozinhe-os durante apenas cerca de 5 minutos (ficam mais estaladiços e com uma cor mais bonita). Se não os for consumir logo, passe-os por água muito fria mal sejam tirados do lume, para parar todo o processo. Como melhor alternativa, coza os brócolos em vapor. O resultado será ainda melh…