Pular para o conteúdo principal

FOME E ABUNDÂNCIA


O meu artigo sobre o Dia Mundial da Alimentação publicado hoje no Diário de Coimbra:

O Dia Mundial da Alimentação serve para lembrar a toda a humanidade a difícil situação que enfrenta quem passa fome e está desnutrido, convocando toda a gente para a luta contra a fome. O tema escolhido este ano - “A Segurança Alimentar Mundial: os Desafios da Mudança Climática e a Bioenergia” - reflecte as três grandes crises que o mundo enfrenta actualmente e que estão interligadas: os alimentos, o clima e a energia.

Segundo dados da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e Agricultura (FAO), de Setembro de 2008, o número de pessoas com fome subiu, em 2007, de 850 milhões para 925 milhões, por causa da subida dos preços dos alimentos. De facto, se em 2006 esses preços aumentaram 12 por cento, em 2007 aumentaram de 24 por cento e só durante os primeiros sete meses do corrente ano já subiram 50 por cento. Os biocombustíveis explicam, em parte, esta subida desenfreada dos preços dos bens alimentares assim como a coexistência paradoxal entre os valores máximos da fome e a maior produção mundial de alimentos na história da humanidade. O Banco Mundial e a Organização das Nações Unidas advertiram em Julho, durante a reunião do G8 (grupo dos sete países mais industrializados do mundo mais a Rússia), que a subida dos preços dos alimentos ameaça inverter todos os avanços no desenvolvimento global e lançar cem milhões de pessoas, por todo o planeta, em níveis abaixo da linha de pobreza.

Não deixa de ser estranho que, a par com a fome e desnutrição, o mundo enfrente o problema da obesidade e das doenças que lhe estão associadas como a diabetes, a hipertensão, doenças cardíacas, dificuldades respiratórias, depressão, infertilidade, etc. Ao contrário do que se pensa, a obesidade não é uma doença exclusiva dos países ricos, ela existe e tem aumentado em países em que a subnutrição é crónica em virtude da adopção de novos hábitos alimentares com base em refeições rápidas, baratas e cheias de gordura e açúcar. Veja–se o caso da Índia, que, no espaço de uma década, chegou à maior concentração de diabéticos do mundo.

Entre nós os números da obesidade não são nada animadores, temendo-se que aumentem muito nas próximas décadas. A incidência de obesidade em Portugal é estimada em 13 por cento para o sexo masculino e em 15 por cento para o sexo feminino. Prevê-se que, se nada se fizer, no ano de 2025 metade da população portuguesa seja obesa.
Na era da globalização 900 milhões de pessoas em todo o mundo são subnutridas por não disporem do mínimo para se alimentar, mas, ao mesmo tempo, o mundo tem mais de mil milhões de supernutridos. Hoje, Dia Mundial da Alimentação, é preciso lembrar isto!

Imagem:http://jovens-e-missao.blogspot.com/2007_05_01_archive.html
2 comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Leite sem lactose não é para diabéticos

Ontem de tarde, durante a consulta de atendimento a diabéticos, um dos utentes pôs-me a questão se o leite sem lactose seria o melhor para os diabéticos. A dúvida faz todo o sentido uma vez que a lactose é o açúcar natural do leite. No entanto, este leite foi criado para pessoas intolerantes à lactose, que não digerem bem o leite por deficiente produção de lactase, a enzima necessária ao desdobramento da lactose.

Então porque é que é que o leite com 0% lactose não é bom para diabéticos?

A lactose é um hidrato de carbono complexo (dissacárido) formada por duas moléculas de hidratos de carbono simples, a glicose e a galactose (monossacáridos). O leite com 0% lactose não tem, de facto lactose, mas tem os seus constituintes, a glicose e a galactose, que são açúcares simples que fazem subir a glicémia (glicose no sangue) mais facilmente. Quem prova este leite não tem dúvidas: ele é mais doce e foi por isso que o referido doente estranhou e me apareceu com o pacote de leite sem lactose na mão…

COUVE LOMBARDA SALTEADA

Ontem para o jantar fiz couve lombarda salteada com bifinhos de peru grelhados.  É um prato super fácil de fazer que se prepara em 15 minutos.

INGREDIENTES (para quatro pessoas)
Meia couve lombarda
1 cenoura
2 colheres de sopa de azeite
2 dentes de alho
sal marinho q.b.

Depois de lavar a couve, corte-a em juliana. Descasque e rale a cenoura. 
Numa frigideira coloque o azeite e os alhos picados até estes começarem a fritar. Junte a couve, a cenoura e um pouco de sal. Deixe cozinhar cerca de oito minutos mexendo com frequência (se gostar da couve mais cozida deixe cozinhar mais tempo). Está pronto! 

Acompanhei com bifinhos de peru grelhados, temperados com pimenta, pouquíssimo sal, mas com muito sumo de limão. 

Esta couve também fica bem a acompanhar qualquer tipo de peixe.
Experimentem!

O segredo de cozinhar bróculos verdes e nutritivos

Do livro "A cozinha é um laboratório" (Fonte da Palavra, 2009) transcrevo alguns conselhos para bem cozinhar os brócolos evitando, dentro do possível, perdas de nutrientes e o desenvolvimento de cores e aromas indesejáveis: "Corte-os apenas na altura de serem introduzidos na água quente. Além de os cortar em pedaços, dê um golpe longitudinal nos pedúnculos. Estes cortes têm como objectivo acelerar a cozedura, dado aumentarem a área de exposição à água quente. Adicione os brócolos à água a ferver, com o lume no máximo. Para minimizar a perda de nutrientes e ter a melhor cor final, não use muita água, nem pouca... no meio é que está a virtude! Deixe o recipiente destapado nos primeiros minutos. Cozinhe-os durante apenas cerca de 5 minutos (ficam mais estaladiços e com uma cor mais bonita). Se não os for consumir logo, passe-os por água muito fria mal sejam tirados do lume, para parar todo o processo. Como melhor alternativa, coza os brócolos em vapor. O resultado será ainda melh…