Pular para o conteúdo principal

A carne de vaca e o cancro do cólon


O médico alemão Harals zur Hausen, virologista que recentemente foi laureado com o prémio Nobel da Medicina ou Fisiologia pelos seus trabalhos relativos ao cancro do colo do útero deu ao semanário alemão "Der Spiegel" uma interessante entrevista, publicada no número de 13 de Outubro, em que alerta para o risco cancerígeno da carne de vaca mal passada. O melhor é escutá-lo:

"Spiegel - Na Alemanha os cancros mais mortais são os do pulmão, mama, cólon e próstata. Vê aí também a acção de um vírus?

Zur Hausen - Existe uma boa probabilidade que muitos destes cancros tenham relação com vírus.

Spiegel- Todos estes cancros são, segundo os investigadores, atribuídos a alterações genéticas. Onde é que vê aqui indícios da acção dos vírus?

Zur Hausen- Tome o caso do cancro do cólon. Sabemos, a partir de dados epidemiológicos, que o seu aparecimento parece ter a ver com o consumo de carne vermelha e com os seus métodos de preparação. Se consumir muita carne de vaca mal passada, terá aí um factor de risco.

Spiegel- No entanto, é um risco que muitos não atribuem a vírus, mas sim ao processo de preparação, uma vez que se formam substâncias cancerígenas.

Zur Hausen - Desculpe. Como virologista tenho uma visão diferente. As mesmas substâncias aparecem na preparação, por exemplo, de carne de frango - mas nesta não parece ocorrer um risco acrescido de cancro.

Spiegel - Ah sim?

Zur Hausen - Na preparação da carne de vaca, há agora uma moda de deixar a carne mal passada. No interior de um bife grelhado mal passado a temperatura é, no máximo, de 60 graus. Ora eu sei dos meus estudos do vírus do papiloma que estes conseguem aguentar temperaturas de 80 graus. Os vírus polioma que provocam o cancro, por exemplo, poderão sobreviver sem problemas ao processo de confecção e de aquecimento, daí a relação.

Der Spiegel- Acredita então que na carne de vaca há vírus cancerígenos?

Zur Hausen - É perfeitamente possível. Vírus hospedados em animais frequentemente não infectam os humanos. Não se podem multiplicar no corpo humano, mas podem deslocar genes nas células humanas. Isto, juntamente com modificações genéticas, pode levar à transformação numa célula cancerosa.

Der Spiegel - Mas acha que esse perigo é mesmo sério? Suficientemente sério para passar bem os bifes que come?

Zur Hausen - É isso mesmo que faço. Desenvolvi uma certa rejeição a carne mal passada. Para o "carpaccio" não tenho apetite nenhum..

Der Spiegel- E com sushi?

Zur Hausen - Nesse caso não há problema. Os vírus do peixe crú não nos fazem mal, pois do ponto de vista evolutivo estão muito distantes de nós.
1 comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Leite sem lactose não é para diabéticos

Ontem de tarde, durante a consulta de atendimento a diabéticos, um dos utentes pôs-me a questão se o leite sem lactose seria o melhor para os diabéticos. A dúvida faz todo o sentido uma vez que a lactose é o açúcar natural do leite. No entanto, este leite foi criado para pessoas intolerantes à lactose, que não digerem bem o leite por deficiente produção de lactase, a enzima necessária ao desdobramento da lactose.

Então porque é que é que o leite com 0% lactose não é bom para diabéticos?

A lactose é um hidrato de carbono complexo (dissacárido) formada por duas moléculas de hidratos de carbono simples, a glicose e a galactose (monossacáridos). O leite com 0% lactose não tem, de facto lactose, mas tem os seus constituintes, a glicose e a galactose, que são açúcares simples que fazem subir a glicémia (glicose no sangue) mais facilmente. Quem prova este leite não tem dúvidas: ele é mais doce e foi por isso que o referido doente estranhou e me apareceu com o pacote de leite sem lactose na mão…

COUVE LOMBARDA SALTEADA

Ontem para o jantar fiz couve lombarda salteada com bifinhos de peru grelhados.  É um prato super fácil de fazer que se prepara em 15 minutos.

INGREDIENTES (para quatro pessoas)
Meia couve lombarda
1 cenoura
2 colheres de sopa de azeite
2 dentes de alho
sal marinho q.b.

Depois de lavar a couve, corte-a em juliana. Descasque e rale a cenoura. 
Numa frigideira coloque o azeite e os alhos picados até estes começarem a fritar. Junte a couve, a cenoura e um pouco de sal. Deixe cozinhar cerca de oito minutos mexendo com frequência (se gostar da couve mais cozida deixe cozinhar mais tempo). Está pronto! 

Acompanhei com bifinhos de peru grelhados, temperados com pimenta, pouquíssimo sal, mas com muito sumo de limão. 

Esta couve também fica bem a acompanhar qualquer tipo de peixe.
Experimentem!

O segredo de cozinhar bróculos verdes e nutritivos

Do livro "A cozinha é um laboratório" (Fonte da Palavra, 2009) transcrevo alguns conselhos para bem cozinhar os brócolos evitando, dentro do possível, perdas de nutrientes e o desenvolvimento de cores e aromas indesejáveis: "Corte-os apenas na altura de serem introduzidos na água quente. Além de os cortar em pedaços, dê um golpe longitudinal nos pedúnculos. Estes cortes têm como objectivo acelerar a cozedura, dado aumentarem a área de exposição à água quente. Adicione os brócolos à água a ferver, com o lume no máximo. Para minimizar a perda de nutrientes e ter a melhor cor final, não use muita água, nem pouca... no meio é que está a virtude! Deixe o recipiente destapado nos primeiros minutos. Cozinhe-os durante apenas cerca de 5 minutos (ficam mais estaladiços e com uma cor mais bonita). Se não os for consumir logo, passe-os por água muito fria mal sejam tirados do lume, para parar todo o processo. Como melhor alternativa, coza os brócolos em vapor. O resultado será ainda melh…