terça-feira, 30 de setembro de 2008

PARLAMENTO EUROPEU NA LUTA CONTRA A OBESIDADE


A Sessão Plenária do Parlamento Europeu do passado dia 25 aprovou um relatório sobre o combate à obesidade. Entre as principais medidas propostas destacam-se a proibição da venda nas escolas de alimentos e bebidas com elevado teor de gordura, açúcar e sal, distribuição de fruta nas escolas promovida pela UE, obrigatoriedade de dedicar três horas semanais do horário escolar às actividades físicas, restrições à publicidade de alimentos não saudáveis dirigida a crianças e IVA inferior a 5% para frutas e legumes.

Actualmente na União Europeia existem cerca de cinco milhões de crianças obesas e 22 milhões com excesso de peso pelo que estas medidas são benvindas e só pecam por tardias.

Fonte: www.agencialusa.com.br

segunda-feira, 29 de setembro de 2008

UM QUADRADO DE CHOCOLATE NEGRO...

Diversos estudos têm demonstrado os benefícios cardioprotectores do chocolate negro, mas há pouca noção de quanto chocolate se pode comer para se usufruir dessa protecção cardiovascular. Na última edição da revista The Journal of Nutrition vem publicado mais um trabalho, realizado em Itália, que confirma a acção antiinflamatória que é atribuída aos flavonóides presentes no chocolate negro. De acordo com os investigadores, a quantidade ideal de chocolate negro para prevenir a inflamação associada à doença cardiovascular é de cerca de 7 gramas, que correspondem a um quadrado por dia (ou 20 gramas de três em três dias).
Os investigadores avaliaram a associação entre o consumo de chocolate negro e os níveis plasmáticos de proteína C reactiva (PCR), um marcador inflamatório, e verificaram que os níveis de PCR eram significativamente mais baixos nos indivíduos que consumiam cerca de 20 gramas de chocolate negro a cada três dias, quando comparados com os que não comiam nenhum ou com os que comiam uma quantidade maior.

Não é demais lembrar que o chocolate negro, como qualquer chocolate, é rico em gordura, açúcar e calorias, ou seja, engorda! Se não consegue ficar só por um quadradinho, o melhor é optar por outros alimentos com flavonóides como as uvas pretas e o chá verde.

quinta-feira, 25 de setembro de 2008

MULHERES HIPERTENSAS TÊM MAIOR RISCO DE DIABETES

As mulheres hipertensas têm um risco de desenvolver diabetes três vezes superior ao das mulheres com pressão arterial dentro dos valores normais.Num estudo realizado nos Estados Unidos, os investigadores concluiram que a associação entre estas duas doenças é independente do facto de as mulheres terem ou não peso a mais.

Até aqui sabia-se que a hipertensão e a diabetes estavam relacionadas com o excesso de gordura abdominal (obesidade andróide) no chamado síndrome metabólico, mas desconhecia-se que a pressão arterial fosse factor de risco independente da diabetes.

David Cohen, cardiologista do Hospital Brigham and Women's de Boston (E.U.A.) foi o coordenador do estudo que seguiu 38000 mulheres não diabéticas durante dez anos. Os investigadores do referido hospital, da Faculdade de Medicina e da Escola de Saúde Pública de Harvard observaram que quase 10% destas mulheres tinham desenvolvido diabetes. Depois de analisarem vários factores como a idade, o tabagismo, o índice de massa corporal e a história familiar de diabetes, os investigadores concluiram que as mulheres hipertensas tinham três vezes mais probabilidades de virem a ser diabéticas. O motivo que poderá estar por trás desta relação é uma disfunção endotelial, isto é, uma alteração que afecta a camada interna dos vasos sanguíneos, que se dá tanto na diabetes como na hipertensão.

O estudo foi publicado no European Heart Journal.

segunda-feira, 22 de setembro de 2008

ALIMENTOS NEUROSAUDÁVEIS

O suplemento de saúde do jornal "El País" de 13 de Setembro inclui um artigo interessante, da autoria de Ester Riu, acerca dos alimentos bons para o cérebro, que apelidaram de "alimentos neurosaudáveis" .
Traduzo aqui um excerto desse artigo:


"Do mesmo modo que falamos de alimentos cardiosaudáveis, também podemos falar de alimentos que são bons para o nosso cérebro e que podem ajudar os neurónios a manter conexões entre eles e a atrasar a deterioração das funções cognitivas associadas ao envelhecimento. Poderíamos chama-lhes alimentos neurosaudáveis. Não se trata de nenhuma dieta mágica nem de alimentar falsas promessas para manter o cérebro em perfeito estado, trata-se sim de identificar certos nutrientes que podem ter um efeito favorável sobre a nossa massa cinzenta.
Ainda que o estudo da relação entre a alimentação e o cérebro seja relativamente novo, cada vez há mais publicações científicas que demonstram que o que comemos afecta a saúde cognitiva, tanto negativa como positivamente, e que para manter o cérebro em bom estado, à parte de fazer «sudokus» e jogar «Brain-Trainer», podemos começar por ter mais atenção a algo tão quotidiano como a lista de compras.

«A comida é como um composto farmacêutico que afecta directamente o cérebro e o facto de poder alterar a nossa saúde mental é muito estimulante, já que significa que as alterações alimentares podem ser uma estratégia viável para proteger o cérebro, melhorar a capacidade cognitiva e atrasar os efeitos do envelhecimento», afirma Fernando Gómez-Pinilla, neurocientista da Universadade da Califórnia, Los Angeles (UCLA), que em Julho piblicou um estudo na Nature Reviews Neuroscience no qual analisou mais de 160 trabalhos sobre este tema.
Esta análise contém informação que pode ser muito valiosa na hora de decidir o que comprar. Em alimentos tão comuns como os morangos, as nozes, o salmão ou os espinafres podemos encontrar os melhores nutrientes para os neurónios."



Frutos do Bosque
Têm forte acção antiinflamatória e antioxidante, o que confere protecção contra as doenças cardiovasculares, cancro, diabetes, parkinson e alzheimer, uma vez que por trás destas doenças se encontram processos inflamatórios e stresse oxidativo.

Ácido Gordos Omega-3
Os ácidos gordos omega-3 actuam directamente nas sinapses (local de ligação e de passagem de neurotransmissores entre neurónios vizinhos) do cérebro, processo fundamental para a aprendizagem e para a memória. O DHA, um dos omega-3 mais importante, faz mesmo parte da constituição das membranas dos neurónios e não é produzido pelo organismo, pelo que deve ser fornecido através dos alimentos. Estes ácidos gordos estão presentes, em quantidades consideráveis, no salmão e noutros peixes azuis (sardinhas, cavalas, arenque, carapaus...), nozes e kiwis.

Curcumina
É um dos componentes do açafrão da India e do caril com forte poder antiinflamatório e antioxidante. Está a ser alvo de várias investigações sobre o seu efeito em doentes de alzheimer, devido à constatação do facto de existir muito baixa prevalência da doença na Índia.

O estudo de Gómez-Pinilla também refere benefícios para o cérebro de alimentos ricos em ácido fólico, (espinafres e outros legumes de folhas verde escuro), flavonóides (cacau, chá verde , uvas pretas...) e vitamina E (espargos, abacate, frutos secos...).

sábado, 20 de setembro de 2008

JAPÃO : Recorde Mundial de Centenários


O Governo nipónico anunciou que o número de centenários duplicou nos últimos seis anos: agora há 36276 pessoas com mais de 100 anos no país, das quais 86% são mulheres. De acordo com o governo japonês, a mulher mais velha do Japão tem 113 anos e mora no sul da ilha de Okinawa, e o homem mais idoso tem um ano menos, e mora em Miyazaki.

Estima-se que até 2050, o número de pessoas a entrar no segundo século de vida deve saltar para um milhão. A dieta rica em peixe e vegetais parece ser a principal razão do êxito.

Fonte: http://saude.sapo.pt/artigos/noticias_actualidade/ver.html?id=868958

segunda-feira, 15 de setembro de 2008

O MACACO OBESO


"O Macaco Obeso" (Dom Quixote, Agosto 2008) é um livro da autoria de Jose Enrique Campillo Álvarez, Catedrático de Fisiología na Faculdade de Medicina da Universidade da Extremadura (Espanha), que desenvolve o seu trabalho de investigação na área da diabetes, nutrição humana e exercício físico. O livro, muito interessante, aborda as questões da hiperalimentação, sedentarismo e doença cardiovascular numa perspectiva evolucionista.

Sinopse: "Por que há tantas pessoas que sofrem de obesidade? Por que é tão difícil perder peso? Por que razão enfrentamos uma autêntica epidemia de diabetes, que em 2020 ameaça afectar mais de trezentos milhões de pessoas? Tanto nas sociedades mais desenvolvidas como nos países emergentes, como a Índia ou a China, estas e outras doenças afectam grande parte da população acima dos quarenta anos. Contudo, começam a surgir também casos nas camadas mais jovens, nos nossos filhos. O Macaco Obeso é de leitura urgente, pois encaminha-nos para a compreensão e, logo, para a prevenção destes problemas. O Professor Campillo Álvarez analisa o papel que desempenham os nossos genes no desenvolvimento das chamadas doenças da opulência e explica-nos como muitas destas doenças provêm da incompatibilidade entre a estrutura evolutiva do nosso organismo e o mau uso que dele fazemos. Este livro fornece os dados que permitirão encontrar o caminho da harmonia entre os nossos genes da Pré-história e as nossas formas de vida da era espacial. Assim, poderemos gozar uma existência mais saudável e, com certeza, mais feliz."

Ver um artigo de opinião do autor, com algumas ideias defendidas no livro, aqui.

Sítio consultado: http://www.estudiodolivro.pt/product_info.php?products_id=8446

quarta-feira, 10 de setembro de 2008

ALIMENTOS PORTUGUESES NA "ARCA DO GOSTO"

A " Arca do Gosto" é um projecto do movimento internacional Slow Food que tem por objectivo a preservação de alimentos e sabores em perigo de extinção devido à sobreposição das práticas industriais relativamente às artesanais. Esta iniciativa teve início em 1996 e estão catalogados cerca de 750 produtos de dezenas de países. De Portugal, estão guardados na "Arca do Gosto" quatro produtos: a broa de milho de Rio Frio (Arcos de Valdevez), a laranja de Ermelo (Arcos de Valdevez), a alheira de Mirandela e o queijo de Serpa.

As laranjas de Ermelo têm a casca fina, poucas sementes e são muito doces. A sua cultura é ancestral. Consta que foram os monges da Ordem de Cister, no século XIII, que levaram para Ermelo a tradição do cultivo da laranja.

O segredo da broa de Rio Frio reside no facto de ser feita com o milho regional, de sabor único, por um processo de fabrico lento e totalmente artesanal. A farinha é moída em moinhos de água (para moer 30 quilos de farinha são necessárias cinco horas) e a broa é cozida em forno de lenha (para cozer oito a dez broas de quilo e meio, são precisas três horas).

A alheira de Mirandela é um enchido tradicional fumado que deve o seu nome ao alho. A sua origem remonta ao séc.XV e está ligada à presença dos judeus em trás-os-montes. A perseguição a que estavam sujeitos pelos cristãos, obrigava-os a exibir sinais exteriores do cristianismo, mantendo, no entanto as práticas judaicas na intimidade do seu lar. Proibidos de comer carne de porco pelos preceitos da fé judaica, eram facilmente identificáveis porque não faziam enchidos. Inventaram então uma chouriça feita com frango, carne de caça e pão, que pendurada à lareira de forma idêntica ao fumeiro dos cristãos, enganaria qualquer vizinho delator.
Com o tempo, foi introduzida carne de porco na sua confecção, mas o sabor original agora preservado pela "Arca do Gosto" diz respeito à alheira confeccionada com os ingredientes originais, de forma artesanal, no seio das famílias transmontanas.

O queijo de Serpa, é um queijo amanteigado, obtido por esgotamento lento da coalhada após a coagulação do leite cru de ovelha, estreme, por acção de uma infusão de cardo. O sabor único deriva do processo artesanal do seu fabrico e das características atribuíveis ao leite, que é resultado da forma tradicional de maneio das ovelhas.

A "Arca do Gosto" é um catálogo e um recurso para todos os interessados em recuperar raças autóctones e aprender a verdadeira riqueza de alimentos que a terra oferece. Ver os critérios de selecção dos produtos aqui.

segunda-feira, 8 de setembro de 2008

ONQI - COMPRAR PELO ÍNDICE DE QUALIDADE NUTRICIONAL

As grandes cadeias de supermercados e mercearias dos Estados Unidos têm disponível, a partir deste mês, mais de 45 mil produtos classificados de 1 a 100 de acordo com a respectiva composição nutricional. O "Overall Nutritional Quality Index - ONQI" (Índice de Qualidade Nutricional Global) foi desenvolvido por um painel de 12 especialistas na Yale University - Griffin Hospital Prevention Research Center, liderado pelo Dr. David Katz, com o objectivo de ajudar os consumidores americanos a fazerem escolhas saudáveis de um modo fácil e rápido. A cada alimento é atribuído um valor de 1 a 100 de acordo com a sua qualidade nutricional, que se baseia no teor em fibras, vitaminas, minerais, antioxidantes, valor biológico das proteínas, tipo de ácidos gordos, tipo de hidratos de carbono, etc. Quanto mais alta for a classificação atribuída, maior será o valor nutricional do alimento e mais saudável será a escolha.

Por curiosidade ficam alguns exemplos desta classificação:

Bróculos - 100
Espinafres - 100
Morangos - 100
Laranjas - 100
Maçãs - 96
Bananas - 91
Salmão do Atlântico - 87
Sumo de laranja - 39
Queijo "calzone" - 8
Gasosa - 1
Coca-Cola - 1

Para ver uma lista mais completa vá a http://www.onqi.org/ ou clique aqui.

quarta-feira, 3 de setembro de 2008

LIMONE SUL GARDA






Estas férias tive oportunidade de visitar, no norte de Itália, os famosos Lagos de Como, Maggiore e de Garda. Atraída por saber que havia uma comuna italiana na margem do lago de Garda (o maior deles todos), com cerca de mil habitantes, que preserva o chamado "gene da longa vida", sobre o qual já tinha feito um post, meti-me a caminho de lá.

Limone sul Garda foi uma comuna isolada, de muito difícil acesso por terra, até ao início do século XX, altura em que se "furaram" as montanhas para se fazer uma estrada à beira do lago. Os vários e longos túneis de acesso que nos levam a Limone não nos fazem adivinhar a beleza do local que vamos encontrar, que tem características únicas... e não apenas do ponto de vista genético. De um lado, uma montanha altíssima e escarpada. Do outro lado, um grande lago com água quase transparente, com peixes, patos e barcos, podendso estes últimos transportar-nos à outra margem, salpicada de casas e delimitada por outra montanha escarpada. Não me restaram dúvidas: quem vive aqui, só pode viver muito tempo, não só pela qualidade dos genes, mas também pela vontade de prolongar a estada num sítio que, visualmente, é tão favorecido pela Natureza!

Mas não encontrei os velhinhos de que estava à espera de ver por todo o lado, apenas um sentado num muro, de cabelos brancos e olhos azuis. O seu olhar perplexo fazia adivinhar o seu pensamento: O que se passa na minha terra? De onde vem tanta gente? É que Limone sul Garda já está virada para o turismo em escala cada vez maior. E não admira, é um local de uma beleza invulgar e que oferece paz, sendo por isso procurado principalmente por muitos turistas alemães que buscam descanso e tranquilidade.

Os folhetos que recolhi na estação de turismo local publicitam a pequena comuna atribuindo "o gene da longa vida" aos hábitos de consumo de limão dos seus habitantes. De facto, em Limone havia muitos limoeiros, sendo o sítio mais a Norte na Europa onde essa árvore é cultivada. Daí que, para uns, o limão é que teria dado origem ao nome da terra. Para outros o nome vem do latim, da palavra «limen» que significa «entrada», «porta», em virtude de ter ali sido, em tempos que já lá vão, a fronteira com a Suíça.

Enfim, fiquei rendida à terra da longa vida e não podia deixar de partilhar este meu sentimento com todos os que visitam este blogue. Vale mesmo a pena ir a Limone sul Garda!

terça-feira, 2 de setembro de 2008

HOMENAGEM AO Dr. EMÍLIO PERES


Informação recebida da Universidade do Porto

Homenagem a uma Figura Eminente da UP : Emílio Peres(1932-2003)
4 de Setembro a 7 de Novembro de 2008

Na senda dos eventos evocativos de figuras eméritas da U.Porto promovidos ao longo dos últimos quatro anos, a Reitoria da Universidade prepara-se para homenagear, a partir do próximo dia 4 de Setembro, uma figura ímpar na história da instituição: o Professor, pensador e comunicador das Ciências da Nutrição, Emílio Peres.
Nascido em Ermesinde a 22 de Julho de 1932, Emílio Peres começou por se destacar como estudante da Faculdade de Medicina da Universidade do Porto (FMUP), entre 1949 e 1955. Enquanto estudante, evidenciava já o interesse pela nutrição e pela endocrinologia, área que exerceu no Hospital de S. João entre 1960 e 1976, paralelamente às funções assumidas como assistente de Clínica Médica na FMUP.
Em 1976, passa a integrar o Grupo de Trabalho Instalador do Curso de Nutricionismo da Universidade do Porto, o qual viria a evoluir para a actual Faculdade de Ciências da Nutrição e Alimentação da U.Porto (FCNAUP).
Cidadão activo na vida cultural e política da cidade do Porto e comunicador de excelência, Emílio Peres afirmou-se ainda como um amante das artes, tendo-se destacado na aplicação do método científico ao estudo das faianças, "com muito amor pelas loucinhas" segundo as suas próprias palavras. São então todas estas facetas que a U.Porto vai recordar numa homenagem que, à semelhança do que já foi feito com personalidades como Abel Salazar, Marques da Silva, Magalhães Basto, Augusto Nobre, Stephen Stoer e Manuela Malpique, visa ser o reconhecimento do legado deixado por uma das mais eminentes figuras da história da instituição. Ao mesmo tempo, pretende-se chamar a atenção do público em geral para as acções realizadas por Emílio Peres em prol da cidade e da sua Universidade. Nesse sentido, toda a população está convidada a participar num diversificado programa de exposições evocativas, conferências e outras actividades (entre as quais um concurso de sopas com as Escolas do Ensino Básico do Porto...) que, entre 4 de Setembro e 7 de Novembro, vão levar a memória e o legado de Emílio Peres a espaços como o edifício da Reitoria da U.Porto (Praça dos Leões), o e-Learning café da Universidade, a FCNAUP, ou o Jardim da Cordoaria. A participação é gratuita.