Pular para o conteúdo principal

LIMONE SUL GARDA






Estas férias tive oportunidade de visitar, no norte de Itália, os famosos Lagos de Como, Maggiore e de Garda. Atraída por saber que havia uma comuna italiana na margem do lago de Garda (o maior deles todos), com cerca de mil habitantes, que preserva o chamado "gene da longa vida", sobre o qual já tinha feito um post, meti-me a caminho de lá.

Limone sul Garda foi uma comuna isolada, de muito difícil acesso por terra, até ao início do século XX, altura em que se "furaram" as montanhas para se fazer uma estrada à beira do lago. Os vários e longos túneis de acesso que nos levam a Limone não nos fazem adivinhar a beleza do local que vamos encontrar, que tem características únicas... e não apenas do ponto de vista genético. De um lado, uma montanha altíssima e escarpada. Do outro lado, um grande lago com água quase transparente, com peixes, patos e barcos, podendso estes últimos transportar-nos à outra margem, salpicada de casas e delimitada por outra montanha escarpada. Não me restaram dúvidas: quem vive aqui, só pode viver muito tempo, não só pela qualidade dos genes, mas também pela vontade de prolongar a estada num sítio que, visualmente, é tão favorecido pela Natureza!

Mas não encontrei os velhinhos de que estava à espera de ver por todo o lado, apenas um sentado num muro, de cabelos brancos e olhos azuis. O seu olhar perplexo fazia adivinhar o seu pensamento: O que se passa na minha terra? De onde vem tanta gente? É que Limone sul Garda já está virada para o turismo em escala cada vez maior. E não admira, é um local de uma beleza invulgar e que oferece paz, sendo por isso procurado principalmente por muitos turistas alemães que buscam descanso e tranquilidade.

Os folhetos que recolhi na estação de turismo local publicitam a pequena comuna atribuindo "o gene da longa vida" aos hábitos de consumo de limão dos seus habitantes. De facto, em Limone havia muitos limoeiros, sendo o sítio mais a Norte na Europa onde essa árvore é cultivada. Daí que, para uns, o limão é que teria dado origem ao nome da terra. Para outros o nome vem do latim, da palavra «limen» que significa «entrada», «porta», em virtude de ter ali sido, em tempos que já lá vão, a fronteira com a Suíça.

Enfim, fiquei rendida à terra da longa vida e não podia deixar de partilhar este meu sentimento com todos os que visitam este blogue. Vale mesmo a pena ir a Limone sul Garda!
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Leite sem lactose não é para diabéticos

Ontem de tarde, durante a consulta de atendimento a diabéticos, um dos utentes pôs-me a questão se o leite sem lactose seria o melhor para os diabéticos. A dúvida faz todo o sentido uma vez que a lactose é o açúcar natural do leite. No entanto, este leite foi criado para pessoas intolerantes à lactose, que não digerem bem o leite por deficiente produção de lactase, a enzima necessária ao desdobramento da lactose.

Então porque é que é que o leite com 0% lactose não é bom para diabéticos?

A lactose é um hidrato de carbono complexo (dissacárido) formada por duas moléculas de hidratos de carbono simples, a glicose e a galactose (monossacáridos). O leite com 0% lactose não tem, de facto lactose, mas tem os seus constituintes, a glicose e a galactose, que são açúcares simples que fazem subir a glicémia (glicose no sangue) mais facilmente. Quem prova este leite não tem dúvidas: ele é mais doce e foi por isso que o referido doente estranhou e me apareceu com o pacote de leite sem lactose na mão…

COUVE LOMBARDA SALTEADA

Ontem para o jantar fiz couve lombarda salteada com bifinhos de peru grelhados.  É um prato super fácil de fazer que se prepara em 15 minutos.

INGREDIENTES (para quatro pessoas)
Meia couve lombarda
1 cenoura
2 colheres de sopa de azeite
2 dentes de alho
sal marinho q.b.

Depois de lavar a couve, corte-a em juliana. Descasque e rale a cenoura. 
Numa frigideira coloque o azeite e os alhos picados até estes começarem a fritar. Junte a couve, a cenoura e um pouco de sal. Deixe cozinhar cerca de oito minutos mexendo com frequência (se gostar da couve mais cozida deixe cozinhar mais tempo). Está pronto! 

Acompanhei com bifinhos de peru grelhados, temperados com pimenta, pouquíssimo sal, mas com muito sumo de limão. 

Esta couve também fica bem a acompanhar qualquer tipo de peixe.
Experimentem!

O segredo de cozinhar bróculos verdes e nutritivos

Do livro "A cozinha é um laboratório" (Fonte da Palavra, 2009) transcrevo alguns conselhos para bem cozinhar os brócolos evitando, dentro do possível, perdas de nutrientes e o desenvolvimento de cores e aromas indesejáveis: "Corte-os apenas na altura de serem introduzidos na água quente. Além de os cortar em pedaços, dê um golpe longitudinal nos pedúnculos. Estes cortes têm como objectivo acelerar a cozedura, dado aumentarem a área de exposição à água quente. Adicione os brócolos à água a ferver, com o lume no máximo. Para minimizar a perda de nutrientes e ter a melhor cor final, não use muita água, nem pouca... no meio é que está a virtude! Deixe o recipiente destapado nos primeiros minutos. Cozinhe-os durante apenas cerca de 5 minutos (ficam mais estaladiços e com uma cor mais bonita). Se não os for consumir logo, passe-os por água muito fria mal sejam tirados do lume, para parar todo o processo. Como melhor alternativa, coza os brócolos em vapor. O resultado será ainda melh…