Pular para o conteúdo principal

Alimentação para pessoas com VIH


Uma alimentação cuidada que assegure uma boa nutrição é fundamental para que quem contraiu o vírus da imunodeficiência humana (VIH) possa ter uma esperança de vida mais prolongada. No entanto, é preciso ter em conta que quer o próprio VIH como os medicamentos utilizados no tratamento da doença, podem causar sérias dificuldades para alcançar este objectivo. A diarreia, por exemplo, o efeito secundário mais frequente da medicação contra a SIDA, afecta muito a absorção de nutrientes e leva invariavelmente a uma rápida perda de peso. Esta perda de peso é agravada pelo facto de haver maior necessidade de energia, o que acontece sempre que o organismo luta contra qualquer infecção, com redução da ingestão alimentar devida à perda de apetite natural quando se está doente. Deste modo, a saúde nutricional da pessoa infectada pode ficar seriamente comprometida.

Quando há perda de peso, esta pode ser devida a perda de gordura ou devida a perda de massa magra, como músculo, água e electrólitos. Se a perda de massa magra for excessiva, o equilibrio químico altera-se e o estado de desnutrição agrava-se. Instala-se um quadro caracterizado por perda de peso, atrofia muscular, fadiga, fraqueza e falta de apetite que se designa por caquexia ou, em inglês, "wasting syndrome".

O controlo da perda de peso é, então, a prioridade número um do tratamento dos doentes infectados com o VIH. Por este motivo, a Organização Mundial de Saúde (OMS) recomenda que indivíduos portadores do vírus consumam 10% mais de energia e que, os indivíduos com infecções oportunistas, aumentem o valor calórico das suas refeições em 20 a 30% para evitarem a perda de peso.

"Guidelines" Nutricionais para pessoas com VIH

* A primeira recomendação é comer mais. O aumento da massa muscular, ajudará a lutar contra o VIH. Muitas pessoas querem perder peso, mas para doentes infectados com o VIH pode ser perigoso.

* É importante assegurar o fornecimento adequado de macronutrientes como as proteínas, os amidos e as gorduras.

* As melhores fontes proteicas são o peixe, a carne, as leguminosas (feijão, grão, ervilhas, lentilhas, soja...), os lacticínios e os frutos secos como as nozes, amendoins, amêndoas, avelãs e cajús.
As proteínas ajudam a construir e a manter os músculos.

* Os amidos, ou hidratos de carbono complexos, são fornecidos pelos cereais, leguminosas, sementes, vegetais e frutas. Estes alimentos são também boas fontes de fibras, vitaminas e de outros nutrientes. Os alimentos que fornecem hidratos de carbono simples, como o açúcar, o mel, as compotas ou os xaropes, são fontes de energia rápida e também podem ser consumidos por estes doentes.
Os hidratos de carbono são nutrientes energéticos de excelência.

* As gorduras são precisas, dão energia extra, mas devem ser consumidas com moderação. As gorduras monoinsaturadas presentes no azeite, nos frutos secos, na carne de porco e no peixe, são as que se deve dar preferência. São consideradas gorduras "boas".
As gorduras saturadas presentes na carne de vaca, margarina e noutros produtos animais devem ser evitadas. São consideradas gorduras "más".

* Beber água ao longo do dia é importante para reduzir os efeitos colaterais dos medicamentos. Além disso a água ajuda a evitar a boca seca e a obstipação.
Não é demais lembrar que o café, o chá, o álcool, as colas e o chocolate podem ser prejudiciais, porque favorecem a desidratação.

* É importante estabelecer um programa de actividade física moderada todos os dias, como caminhar, por exemplo.
O exercício físico moderado ajuda a desenvolver os músculos.

* Pratique segurança alimentar. É muito importante proteger-se contra infecções que possam ser veiculadas pelos alimentos ou pela água:
Certifique-se que lava bem as mãos antes de preparar os alimentos e mantenha todos os utensílios e a cozinha bem limpos;
Lave bem todos os frutos e vegetais;
Abstenha-se de comer ovos ou carne crus ou mal cozinhados;
Mantenha as sobras no frigorífico por um período máximo de três dias;
Verifique a data de validade dos alimentos;
Se o seu abastecimento público de água não for totalmente seguro, prefira água engarrafada.

Os suplementos vitamínicos e de minerais podem ser uma boa ajuda no tratamento contra a SIDA. Ver mais em Fact Sheet 801.

Fonte das "guidelines" nutricionais para pessoas com VIH:http://www.thebody.com/content/living/art6083.html
Fonte da Imagem: http://andreiatorres.blogspot.com/2007/11/alimentao-e-transmisso-do-hiv.html
1 comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Leite sem lactose não é para diabéticos

Ontem de tarde, durante a consulta de atendimento a diabéticos, um dos utentes pôs-me a questão se o leite sem lactose seria o melhor para os diabéticos. A dúvida faz todo o sentido uma vez que a lactose é o açúcar natural do leite. No entanto, este leite foi criado para pessoas intolerantes à lactose, que não digerem bem o leite por deficiente produção de lactase, a enzima necessária ao desdobramento da lactose.

Então porque é que é que o leite com 0% lactose não é bom para diabéticos?

A lactose é um hidrato de carbono complexo (dissacárido) formada por duas moléculas de hidratos de carbono simples, a glicose e a galactose (monossacáridos). O leite com 0% lactose não tem, de facto lactose, mas tem os seus constituintes, a glicose e a galactose, que são açúcares simples que fazem subir a glicémia (glicose no sangue) mais facilmente. Quem prova este leite não tem dúvidas: ele é mais doce e foi por isso que o referido doente estranhou e me apareceu com o pacote de leite sem lactose na mão…

COUVE LOMBARDA SALTEADA

Ontem para o jantar fiz couve lombarda salteada com bifinhos de peru grelhados.  É um prato super fácil de fazer que se prepara em 15 minutos.

INGREDIENTES (para quatro pessoas)
Meia couve lombarda
1 cenoura
2 colheres de sopa de azeite
2 dentes de alho
sal marinho q.b.

Depois de lavar a couve, corte-a em juliana. Descasque e rale a cenoura. 
Numa frigideira coloque o azeite e os alhos picados até estes começarem a fritar. Junte a couve, a cenoura e um pouco de sal. Deixe cozinhar cerca de oito minutos mexendo com frequência (se gostar da couve mais cozida deixe cozinhar mais tempo). Está pronto! 

Acompanhei com bifinhos de peru grelhados, temperados com pimenta, pouquíssimo sal, mas com muito sumo de limão. 

Esta couve também fica bem a acompanhar qualquer tipo de peixe.
Experimentem!

O segredo de cozinhar bróculos verdes e nutritivos

Do livro "A cozinha é um laboratório" (Fonte da Palavra, 2009) transcrevo alguns conselhos para bem cozinhar os brócolos evitando, dentro do possível, perdas de nutrientes e o desenvolvimento de cores e aromas indesejáveis: "Corte-os apenas na altura de serem introduzidos na água quente. Além de os cortar em pedaços, dê um golpe longitudinal nos pedúnculos. Estes cortes têm como objectivo acelerar a cozedura, dado aumentarem a área de exposição à água quente. Adicione os brócolos à água a ferver, com o lume no máximo. Para minimizar a perda de nutrientes e ter a melhor cor final, não use muita água, nem pouca... no meio é que está a virtude! Deixe o recipiente destapado nos primeiros minutos. Cozinhe-os durante apenas cerca de 5 minutos (ficam mais estaladiços e com uma cor mais bonita). Se não os for consumir logo, passe-os por água muito fria mal sejam tirados do lume, para parar todo o processo. Como melhor alternativa, coza os brócolos em vapor. O resultado será ainda melh…