Pular para o conteúdo principal

A COCA-COLONIZAÇÃO


Nos anos 50 do século passado alguns epidemiologistas americanos baptizaram o seu modelo alimentar com o termo Coca-colonização. Acho-o curioso, até porque a Coca-Cola simboliza o american way of life em virtude das grandes campanhas publicitárias que a empresa tem efectuado. Choca-me, no entanto, que se incentive o consumo desse refrigerante em bebés, como acontece num antigo cartaz com o título: Para melhor começar na vida comece com a Coca-cola mais cedo!

Do ponto de vista da nutrição, o início do consumo generalizado de Coca-Cola coincidiu com grandes alterações alimentares que levaram aos conhecidos números da epidemia da obesidade nos Estados Unidos.

Obviamente que a Coca-Cola não é a única responsável, mas os consumos desta bebida e de outros refrigerantes similares estão intimamente relacionados com os índices de obesidade uma vez que eles contêm demasiado açúcar. A água foi trocada por bebidas açucaradas.

A título de exemplo, atente-se nas estatísticas: o consumo de refrigerantes por pessoa e por ano na Bélgica, passou de oito litros em 1950 para 50 litros em 1970 e para 89 litros em 1999. O consumo anual por pessoa de alimentos com muita gordura e açúcar, como bolachas, croissãs, “gaufres”, pastéis, folhados, etc., passou de um quilograma em 1960 para 21 kg em 1995! Estes dados são suficientes para se perceber quando teve lugar a maior e mais prejudicial revolução alimentar experimentada pelo homem no decurso da sua história.

Em 1972, o médico inglês John Yudkin, pioneiro das ciências da alimentação e autor do famoso livro sobre o açúcar Pure, white and deadly (1975), formulou o chamado modelo dos 70 libras e 20 anos: Quando uma dada população consome anualmente 70 libras (cerca de 35 kg) de açúcar por pessoa durante 20 anos, passa a haver uma relação com o aumento da frequência das doenças ditas de civilização, como diabetes, hipertensão, obesidade e doenças cardiovasculares.

Ora é isso mesmo que está a acontecer na Europa. O consumo de açúcar nos países da União Europeia passou de 600 gramas por pessoa e por ano em 1780 para oito quilogramas um século mais tarde com a introdução do açúcar de beterraba. Em 1985 cada pessoa consumia num ano 32 kg em França, 38 kg na Bélgica, 41 kg na Grã-Bretanha e de 54 a 63 kg nos Estados Unidos (conforme os estados). Os consumos continuam perigosamente a aumentar. Os americanos atingiram níveis difíceis de superar e nós, europeus, vamos pelo mesmo caminho.


Bibliografia:
Médart, J. (2007),Guia Prático Climepsi da Nutrição, Climepsi Editores.
1 comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Leite sem lactose não é para diabéticos

Ontem de tarde, durante a consulta de atendimento a diabéticos, um dos utentes pôs-me a questão se o leite sem lactose seria o melhor para os diabéticos. A dúvida faz todo o sentido uma vez que a lactose é o açúcar natural do leite. No entanto, este leite foi criado para pessoas intolerantes à lactose, que não digerem bem o leite por deficiente produção de lactase, a enzima necessária ao desdobramento da lactose.

Então porque é que é que o leite com 0% lactose não é bom para diabéticos?

A lactose é um hidrato de carbono complexo (dissacárido) formada por duas moléculas de hidratos de carbono simples, a glicose e a galactose (monossacáridos). O leite com 0% lactose não tem, de facto lactose, mas tem os seus constituintes, a glicose e a galactose, que são açúcares simples que fazem subir a glicémia (glicose no sangue) mais facilmente. Quem prova este leite não tem dúvidas: ele é mais doce e foi por isso que o referido doente estranhou e me apareceu com o pacote de leite sem lactose na mão…

COUVE LOMBARDA SALTEADA

Ontem para o jantar fiz couve lombarda salteada com bifinhos de peru grelhados.  É um prato super fácil de fazer que se prepara em 15 minutos.

INGREDIENTES (para quatro pessoas)
Meia couve lombarda
1 cenoura
2 colheres de sopa de azeite
2 dentes de alho
sal marinho q.b.

Depois de lavar a couve, corte-a em juliana. Descasque e rale a cenoura. 
Numa frigideira coloque o azeite e os alhos picados até estes começarem a fritar. Junte a couve, a cenoura e um pouco de sal. Deixe cozinhar cerca de oito minutos mexendo com frequência (se gostar da couve mais cozida deixe cozinhar mais tempo). Está pronto! 

Acompanhei com bifinhos de peru grelhados, temperados com pimenta, pouquíssimo sal, mas com muito sumo de limão. 

Esta couve também fica bem a acompanhar qualquer tipo de peixe.
Experimentem!

O segredo de cozinhar bróculos verdes e nutritivos

Do livro "A cozinha é um laboratório" (Fonte da Palavra, 2009) transcrevo alguns conselhos para bem cozinhar os brócolos evitando, dentro do possível, perdas de nutrientes e o desenvolvimento de cores e aromas indesejáveis: "Corte-os apenas na altura de serem introduzidos na água quente. Além de os cortar em pedaços, dê um golpe longitudinal nos pedúnculos. Estes cortes têm como objectivo acelerar a cozedura, dado aumentarem a área de exposição à água quente. Adicione os brócolos à água a ferver, com o lume no máximo. Para minimizar a perda de nutrientes e ter a melhor cor final, não use muita água, nem pouca... no meio é que está a virtude! Deixe o recipiente destapado nos primeiros minutos. Cozinhe-os durante apenas cerca de 5 minutos (ficam mais estaladiços e com uma cor mais bonita). Se não os for consumir logo, passe-os por água muito fria mal sejam tirados do lume, para parar todo o processo. Como melhor alternativa, coza os brócolos em vapor. O resultado será ainda melh…