Pular para o conteúdo principal

A Dieta de Hitler


"Diz-me o que comes, dir-te-ei quem és". Adolf Hitler, o Fuehrer da Alemanha nazi, era vegetariano, mas um vegetariano algo estranho. Ele dizia que os elefantes eram o animal mais forte porque não comiam carne e acreditava que os judeus tinham venenos na barriga graças à sua alimentação de carne. O livro "The Sex Life of Food" de Bunny Crumpacker (New York: Thomas Dunne Books, 2006) esclarece-nos sobre a dieta do ditador:

"Começava o dia, segundo conta o seu mordomo, com oito biscoitos, dois copos de leite quente e uma tablete de chocolate amargo, cuidadosamente partida em pedacinhos. O almoço era a sua refeição preferida e começava sempre com uma sopa de legumes. No livro "The Woman who Lived in Hitler's House", Pauline Kohler, uma das suas criadas, listou os ingredientes da sopa Berchtesgaden: cebola, aipo, salsa, batatas, nabos, cenouras, nozes, maçãs, água, farinha e sal. Depois da sopa vinha peixe com molho de manteiga (apesar de os elefantes não comerem peixe - nem aliás biscoitos, nem chocolate, nem molhos de manteiga), batatas salteadas e uma taça de nozes. O jantar era uma refeição simples, talvez apenas puré de batata, ou uma salada de tomate.

Como muitos vegetarianos, Hitler era viciado em chá. Bebia chás de ervas e infusões à base de flores e cascas. Também bebia café - grandes quantidades de café, 16 ou mais chávenas por dia, e depois ficava agitado sem conseguir dormir. Adorava doces e muitas vezes comia 1 kg de chocolates - com mais cafeína - num só dia. Comia enormes quantidades de manteiga - 250 g por dia - e ovos".


Há dietas vegetarianas mais equilibradas. De qualquer modo, o facto de Hitler ser vegetariano, não quer dizer que ser vegetariano é mau. Entre os adeptos desse estilo alimentar encontram-se Paul McCartney, Madonna, Leon Tolstoy, Albert Schweitzer, George Bernard Shaw e Mahatma Gandhi.
7 comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Leite sem lactose não é para diabéticos

Ontem de tarde, durante a consulta de atendimento a diabéticos, um dos utentes pôs-me a questão se o leite sem lactose seria o melhor para os diabéticos. A dúvida faz todo o sentido uma vez que a lactose é o açúcar natural do leite. No entanto, este leite foi criado para pessoas intolerantes à lactose, que não digerem bem o leite por deficiente produção de lactase, a enzima necessária ao desdobramento da lactose.

Então porque é que é que o leite com 0% lactose não é bom para diabéticos?

A lactose é um hidrato de carbono complexo (dissacárido) formada por duas moléculas de hidratos de carbono simples, a glicose e a galactose (monossacáridos). O leite com 0% lactose não tem, de facto lactose, mas tem os seus constituintes, a glicose e a galactose, que são açúcares simples que fazem subir a glicémia (glicose no sangue) mais facilmente. Quem prova este leite não tem dúvidas: ele é mais doce e foi por isso que o referido doente estranhou e me apareceu com o pacote de leite sem lactose na mão…

COUVE LOMBARDA SALTEADA

Ontem para o jantar fiz couve lombarda salteada com bifinhos de peru grelhados.  É um prato super fácil de fazer que se prepara em 15 minutos.

INGREDIENTES (para quatro pessoas)
Meia couve lombarda
1 cenoura
2 colheres de sopa de azeite
2 dentes de alho
sal marinho q.b.

Depois de lavar a couve, corte-a em juliana. Descasque e rale a cenoura. 
Numa frigideira coloque o azeite e os alhos picados até estes começarem a fritar. Junte a couve, a cenoura e um pouco de sal. Deixe cozinhar cerca de oito minutos mexendo com frequência (se gostar da couve mais cozida deixe cozinhar mais tempo). Está pronto! 

Acompanhei com bifinhos de peru grelhados, temperados com pimenta, pouquíssimo sal, mas com muito sumo de limão. 

Esta couve também fica bem a acompanhar qualquer tipo de peixe.
Experimentem!

O segredo de cozinhar bróculos verdes e nutritivos

Do livro "A cozinha é um laboratório" (Fonte da Palavra, 2009) transcrevo alguns conselhos para bem cozinhar os brócolos evitando, dentro do possível, perdas de nutrientes e o desenvolvimento de cores e aromas indesejáveis: "Corte-os apenas na altura de serem introduzidos na água quente. Além de os cortar em pedaços, dê um golpe longitudinal nos pedúnculos. Estes cortes têm como objectivo acelerar a cozedura, dado aumentarem a área de exposição à água quente. Adicione os brócolos à água a ferver, com o lume no máximo. Para minimizar a perda de nutrientes e ter a melhor cor final, não use muita água, nem pouca... no meio é que está a virtude! Deixe o recipiente destapado nos primeiros minutos. Cozinhe-os durante apenas cerca de 5 minutos (ficam mais estaladiços e com uma cor mais bonita). Se não os for consumir logo, passe-os por água muito fria mal sejam tirados do lume, para parar todo o processo. Como melhor alternativa, coza os brócolos em vapor. O resultado será ainda melh…