Pular para o conteúdo principal

QUANTO VALE UMA BANANA

A banana é o quarto alimento mais produzido no mundo, a seguir ao arroz, trigo e milho. O seu cultivo teve início no sudeste da Ásia, mas existem ainda muitas espécies de banana selvagem na Nova Guiné, Malásia, Filipinas e Indonésia.

A bananeira é considerada a árvore dos sábios, daí o nome científico Musa sapientum L.. As bananas foram durante muito tempo desconhecidas dos europeus e Júlio Verne, no seu livro "A volta ao mundo em oitenta dias" (1872), descreve-a pormenorizadamente para a dar a conhecer aos leitores.

A bananeira é uma planta de caule subterrâneo do qual surgem folhas que crescem para fora da terra, formando o falso tronco. Cada caule falso dá um ramo de flores que, aos poucos, se vai transformando num cacho de bananas (cada cacho pode dar até 200 bananas!).

Mais de cem tipos de banana são cultivadas em todo o mundo. No Brasil as mais conhecidas são a banana-nanica, banana-prata, banana-maçã, banana-da-terra (as maiores de todas: cada fruto pode medir 30 cm e pesar 500 g), banana de S. Tomé, banana-ouro e banana-sapo.

Informação Nutricional

A banana é um fruto particularmente rico em potássio, magnésio, ácido fólico e vitamina B6. Quando está verde é constituída fundamentalmente por água e amido, daí o seu sabor adstringente. Neste estado a banana é óptima para ser usada em caso de diarreia. À medida que amadurece o amido transforma-se em açúcares simples, glicose e sacarose, o que a torna mais doce e também de mais fácil digestão. Pode, por isso, ser utilizada para resolver problemas de obstipação.

Composição Nutricional

BANANA (valores por 100 g)
Energia 95 kcal
Água 72,1 g
Proteína 1,6 g
Lípidos 0,4 g
Hidratos de Carbono 21,8 g
Fibra 3,1 g
Potássio 425 mg
Magnésio 28 mg
Ácido fólico 14 µg
Vitamina B6 0,29 mg
Cálcio 8 mg

Fonte: Porto, A. e Oliveira, L.. Tabela da Composição de Alimentos. Lisboa: Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge. 2006.
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Leite sem lactose não é para diabéticos

Ontem de tarde, durante a consulta de atendimento a diabéticos, um dos utentes pôs-me a questão se o leite sem lactose seria o melhor para os diabéticos. A dúvida faz todo o sentido uma vez que a lactose é o açúcar natural do leite. No entanto, este leite foi criado para pessoas intolerantes à lactose, que não digerem bem o leite por deficiente produção de lactase, a enzima necessária ao desdobramento da lactose.

Então porque é que é que o leite com 0% lactose não é bom para diabéticos?

A lactose é um hidrato de carbono complexo (dissacárido) formada por duas moléculas de hidratos de carbono simples, a glicose e a galactose (monossacáridos). O leite com 0% lactose não tem, de facto lactose, mas tem os seus constituintes, a glicose e a galactose, que são açúcares simples que fazem subir a glicémia (glicose no sangue) mais facilmente. Quem prova este leite não tem dúvidas: ele é mais doce e foi por isso que o referido doente estranhou e me apareceu com o pacote de leite sem lactose na mão…

COUVE LOMBARDA SALTEADA

Ontem para o jantar fiz couve lombarda salteada com bifinhos de peru grelhados.  É um prato super fácil de fazer que se prepara em 15 minutos.

INGREDIENTES (para quatro pessoas)
Meia couve lombarda
1 cenoura
2 colheres de sopa de azeite
2 dentes de alho
sal marinho q.b.

Depois de lavar a couve, corte-a em juliana. Descasque e rale a cenoura. 
Numa frigideira coloque o azeite e os alhos picados até estes começarem a fritar. Junte a couve, a cenoura e um pouco de sal. Deixe cozinhar cerca de oito minutos mexendo com frequência (se gostar da couve mais cozida deixe cozinhar mais tempo). Está pronto! 

Acompanhei com bifinhos de peru grelhados, temperados com pimenta, pouquíssimo sal, mas com muito sumo de limão. 

Esta couve também fica bem a acompanhar qualquer tipo de peixe.
Experimentem!

O segredo de cozinhar bróculos verdes e nutritivos

Do livro "A cozinha é um laboratório" (Fonte da Palavra, 2009) transcrevo alguns conselhos para bem cozinhar os brócolos evitando, dentro do possível, perdas de nutrientes e o desenvolvimento de cores e aromas indesejáveis: "Corte-os apenas na altura de serem introduzidos na água quente. Além de os cortar em pedaços, dê um golpe longitudinal nos pedúnculos. Estes cortes têm como objectivo acelerar a cozedura, dado aumentarem a área de exposição à água quente. Adicione os brócolos à água a ferver, com o lume no máximo. Para minimizar a perda de nutrientes e ter a melhor cor final, não use muita água, nem pouca... no meio é que está a virtude! Deixe o recipiente destapado nos primeiros minutos. Cozinhe-os durante apenas cerca de 5 minutos (ficam mais estaladiços e com uma cor mais bonita). Se não os for consumir logo, passe-os por água muito fria mal sejam tirados do lume, para parar todo o processo. Como melhor alternativa, coza os brócolos em vapor. O resultado será ainda melh…