Pular para o conteúdo principal

A DIETA DO PALEOLÍTICO


Minha coluna "Viver bem até aos 100" do suplemento de saúde do "Diário de Coimbra" de hoje:

No Paleolítico o homem era essencialmente colector e caçador. Por isso tinha uma alimentação à base de frutos frescos e secos, raízes, alguns vegetais, carne selvagem e peixe. O açúcar que comia era o da fruta mas, em dias de sorte, quando era descoberta uma colmeia, tinha direito a mel...

A dieta do Paleolítico foi referida pela primeira vez pelo gastroenterologista Walter Voegtlin, no seu livro "The Stone Age Diet", publicado na Vantage Press em 1975. Voegtlin defende nesse livro que o homem é um animal carnívoro geneticamente adaptado à dieta dos seus ancestrais que viveram há 10.000 anos. A observação da anatomia do tubo digestivo humano, incluindo o formato e o tipo de dentes, o tipo de estômago, o comprimento do intestino e o apêndice vestigial, levou-o à teoria de que a dieta ideal para a saúde e o bem-estar dos seres humanos deve ser semelhante à dos seus antepassados paleolíticos.

O interesse da comunidade científica pela alimentação pré-histórica tem vindo a crescer. Um estudo realizado recentemente na Universidade de Lund, na Suécia, mostrou que se tratava do tipo de alimentação ideal para controlar a diabetes tipo 2. Staffan Lindeberg, o médico responsável por essa investigação, tem procurado compreender os efeitos que os regimes alimentares têm na saúde humana. Algumas populações, como os habitantes das ilhas de Kitava e Trobriand, na Papua Nova-Guiné, onde não existe comida de origem agrícola, "apresentam uma notável ausência de problemas cardiovasculares ou diabetes". A explicação é simples: a agricultura tornou acessíveis os produtos que hoje nos fornecem a maior parte das calorias, como os cereais, lacticínios, gorduras, açúcares simples, etc.

Na verdade, o aparecimento da agricultura foi o primeiro acontecimento histórico a contribuir para o aumento da obesidade. Com uma fonte de alimentação estável e regular, o homem passou de nómada a sedentário, condição que ainda hoje mantém. Passou a produzir tudo o que queria, que é bem diferente daquilo que precisa. Começou a consumir alimentos mais refinados e ricos em açúcares simples que fazem aumentar rapidamente o nível de glicose no sangue. Como resposta a este aumento o pâncreas descarrega insulina. Os níveis de açúcar baixam e o cérebro interpreta esse sinal como um pedido de socorro. Surge então a sensação de fome, dando origem a um novo ciclo. Com sucessivas situações deste género, a obesidade e a diabetes vão avançando, só sendo possível intervir nestes altos e baixos glicémicos com uma resposta insulínica moderada. Para isso necessitamos de ingerir alimentos mais complexos, em vez dos refinados, mais vezes ao dia e em menor quantidade de cada vez, tal como faziam os nossos antepassados na Idade da Pedra. Isto é, precisamos na alimentação de um regresso ao passado.
4 comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Leite sem lactose não é para diabéticos

Ontem de tarde, durante a consulta de atendimento a diabéticos, um dos utentes pôs-me a questão se o leite sem lactose seria o melhor para os diabéticos. A dúvida faz todo o sentido uma vez que a lactose é o açúcar natural do leite. No entanto, este leite foi criado para pessoas intolerantes à lactose, que não digerem bem o leite por deficiente produção de lactase, a enzima necessária ao desdobramento da lactose.

Então porque é que é que o leite com 0% lactose não é bom para diabéticos?

A lactose é um hidrato de carbono complexo (dissacárido) formada por duas moléculas de hidratos de carbono simples, a glicose e a galactose (monossacáridos). O leite com 0% lactose não tem, de facto lactose, mas tem os seus constituintes, a glicose e a galactose, que são açúcares simples que fazem subir a glicémia (glicose no sangue) mais facilmente. Quem prova este leite não tem dúvidas: ele é mais doce e foi por isso que o referido doente estranhou e me apareceu com o pacote de leite sem lactose na mão…

COUVE LOMBARDA SALTEADA

Ontem para o jantar fiz couve lombarda salteada com bifinhos de peru grelhados.  É um prato super fácil de fazer que se prepara em 15 minutos.

INGREDIENTES (para quatro pessoas)
Meia couve lombarda
1 cenoura
2 colheres de sopa de azeite
2 dentes de alho
sal marinho q.b.

Depois de lavar a couve, corte-a em juliana. Descasque e rale a cenoura. 
Numa frigideira coloque o azeite e os alhos picados até estes começarem a fritar. Junte a couve, a cenoura e um pouco de sal. Deixe cozinhar cerca de oito minutos mexendo com frequência (se gostar da couve mais cozida deixe cozinhar mais tempo). Está pronto! 

Acompanhei com bifinhos de peru grelhados, temperados com pimenta, pouquíssimo sal, mas com muito sumo de limão. 

Esta couve também fica bem a acompanhar qualquer tipo de peixe.
Experimentem!

O segredo de cozinhar bróculos verdes e nutritivos

Do livro "A cozinha é um laboratório" (Fonte da Palavra, 2009) transcrevo alguns conselhos para bem cozinhar os brócolos evitando, dentro do possível, perdas de nutrientes e o desenvolvimento de cores e aromas indesejáveis: "Corte-os apenas na altura de serem introduzidos na água quente. Além de os cortar em pedaços, dê um golpe longitudinal nos pedúnculos. Estes cortes têm como objectivo acelerar a cozedura, dado aumentarem a área de exposição à água quente. Adicione os brócolos à água a ferver, com o lume no máximo. Para minimizar a perda de nutrientes e ter a melhor cor final, não use muita água, nem pouca... no meio é que está a virtude! Deixe o recipiente destapado nos primeiros minutos. Cozinhe-os durante apenas cerca de 5 minutos (ficam mais estaladiços e com uma cor mais bonita). Se não os for consumir logo, passe-os por água muito fria mal sejam tirados do lume, para parar todo o processo. Como melhor alternativa, coza os brócolos em vapor. O resultado será ainda melh…