Pular para o conteúdo principal

"A GORDA"


O Teatro Villaret reabriu com "A Gorda - Fat Pig", uma peça assumidamente autobiográfica escrita por LaBute, com encenação de Amândio Pinheiro e interpretação de Ricardo Pereira, Carla Vasconcelos, Carlos António e Maria João Falcão.

A peça conta a história de Tomás, um rapaz magro e elegante que se apaixona por uma rapariga gorda, Helena.

Até aí, tudo corre bem: os problemas começam quando ele a apresenta aos colegas de trabalho e se vêem ambos confrontados com os preconceitos da sociedade contemporânea, obcecada com a imagem, que rejeita todos quanto fujam aos padrões de beleza instituídos.

"Revejo-me muito em 'Fat Pig'. Independentemente do título da peça, a história lida com a fraqueza humana e com as dificuldades que muita gente encontra quando tenta defender algo, ou viver de acordo com um princípio, ou assumir uma coisa em que acredita", diz o autor, de 45 anos, citado no comunicado.

"E esse sou eu, encerrado na minha própria concha, bem intencionado mas surpreendentemente fraco quando é preciso enfrentar as coisas. O heroísmo é um número muito difícil, ao que parece."

LaBute sugere que nós temos vergonha das pessoas em quem nos podemos tornar. Sermos velhos, deficientes ou gordos, é sinal de fracasso. A sociedade actual exige uma imagem física de sucesso, e isso mete medo!
A este propósito reveja o que penso em "Espelho meu..."

Sobre as personagens da peça, Neil Labute diz gostar de todas "porque são desesperadamente humanas: querem ter convicções, mas, no fim, preferem ser amadas ou satisfazer as suas necessidades".

O espectáculo estará em cena no renovado Teatro Villaret até 1 de Junho.
3ª a SÁB. 21h30 DOM. 16h00

tradução e encenação AMÂNDIO PINHEIRO
cenografia ANA PAULA ROCHA
figurinos HELENA CARMONA
música original DANIELA RÔXO
desenho de luz IRLANDO FERREIRA
vídeo JOÃO LEAL

com
CARLA VASCONCELOS Helena
RICARDO PEREIRA Tomás
CARLOS ANTÓNIO Castro
MARIA JOÃO FALCÃO Joana

produção TNDM II

Imagem:http://www.news.ku.edu/2003/03N/AprilNews/April14/labute.jpg
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Leite sem lactose não é para diabéticos

Ontem de tarde, durante a consulta de atendimento a diabéticos, um dos utentes pôs-me a questão se o leite sem lactose seria o melhor para os diabéticos. A dúvida faz todo o sentido uma vez que a lactose é o açúcar natural do leite. No entanto, este leite foi criado para pessoas intolerantes à lactose, que não digerem bem o leite por deficiente produção de lactase, a enzima necessária ao desdobramento da lactose.

Então porque é que é que o leite com 0% lactose não é bom para diabéticos?

A lactose é um hidrato de carbono complexo (dissacárido) formada por duas moléculas de hidratos de carbono simples, a glicose e a galactose (monossacáridos). O leite com 0% lactose não tem, de facto lactose, mas tem os seus constituintes, a glicose e a galactose, que são açúcares simples que fazem subir a glicémia (glicose no sangue) mais facilmente. Quem prova este leite não tem dúvidas: ele é mais doce e foi por isso que o referido doente estranhou e me apareceu com o pacote de leite sem lactose na mão…

COUVE LOMBARDA SALTEADA

Ontem para o jantar fiz couve lombarda salteada com bifinhos de peru grelhados.  É um prato super fácil de fazer que se prepara em 15 minutos.

INGREDIENTES (para quatro pessoas)
Meia couve lombarda
1 cenoura
2 colheres de sopa de azeite
2 dentes de alho
sal marinho q.b.

Depois de lavar a couve, corte-a em juliana. Descasque e rale a cenoura. 
Numa frigideira coloque o azeite e os alhos picados até estes começarem a fritar. Junte a couve, a cenoura e um pouco de sal. Deixe cozinhar cerca de oito minutos mexendo com frequência (se gostar da couve mais cozida deixe cozinhar mais tempo). Está pronto! 

Acompanhei com bifinhos de peru grelhados, temperados com pimenta, pouquíssimo sal, mas com muito sumo de limão. 

Esta couve também fica bem a acompanhar qualquer tipo de peixe.
Experimentem!

O segredo de cozinhar bróculos verdes e nutritivos

Do livro "A cozinha é um laboratório" (Fonte da Palavra, 2009) transcrevo alguns conselhos para bem cozinhar os brócolos evitando, dentro do possível, perdas de nutrientes e o desenvolvimento de cores e aromas indesejáveis: "Corte-os apenas na altura de serem introduzidos na água quente. Além de os cortar em pedaços, dê um golpe longitudinal nos pedúnculos. Estes cortes têm como objectivo acelerar a cozedura, dado aumentarem a área de exposição à água quente. Adicione os brócolos à água a ferver, com o lume no máximo. Para minimizar a perda de nutrientes e ter a melhor cor final, não use muita água, nem pouca... no meio é que está a virtude! Deixe o recipiente destapado nos primeiros minutos. Cozinhe-os durante apenas cerca de 5 minutos (ficam mais estaladiços e com uma cor mais bonita). Se não os for consumir logo, passe-os por água muito fria mal sejam tirados do lume, para parar todo o processo. Como melhor alternativa, coza os brócolos em vapor. O resultado será ainda melh…