Pular para o conteúdo principal

EMAGRECER COM MEDICAMENTOS


Estamos na época do ano em que maior preocupação há com o problema do peso, mas mais por uma questão estética do que para beneficiar a saúde. O desejável seria que essa preocupação se mantivesse ao longo de todo o ano, porque o excesso de peso relaciona-se com inúmeros outros problemas de saúde, como diabetes, doenças cardiovasculares, doenças osteoarticulares, alguns tipos de cancro, entre outros.

Emagrecer sem esforço é utópico! Perder peso fácil está sempre associado à ideia de recurso a fármacos, mas a experiência das complicações resultantes pela administração de várias fórmulas de medicamentos dietéticos, ao longo de décadas, tem posto em causa a relação benefício/risco.

Nos anos 30, o fármaco da moda para emagrecer era o dinitrofenol que ajudava o corpo a queimar as gorduras. Infelizmente, também provocava cegueira e morte. Nas décadas de 50 e 60, quem queria emagrecer tomava anfetaminas para suprimir o apetite e acelerar o metabolismo, até se concluir que as pessoas ficavam paranóicas e, quando paravam de tomar, sentiam-se deprimidas e com risco de criar dependência e problemas cardíacos. Perante tal situação, e para minimizar estas reacções adversas, a FDA (Food and Drug Administration) nos Estados Unidos , exigiu que o período de toma destes medicamentos, não fosse superior a três meses.

Actualmente, estão no mercado dois fármacos cujos princípios activos são a sibutramina e o orlistat, considerados suficientemente seguros para poderem ser receitados até um ano. Os respectivos mecanismos de acção são diferentes, mas ambos têm efeitos secundários:

-Sibutramina: está classificada como inibidor de recaptação de serotonina/norepinefrina e actua aumentando os níveis de norepinefrina e serotonina, dois neurotransmissores que ajudam a controlar o apetite. O aumento da preesão arterial é o principal efeito secundário, pelo que é desaconselhado a pessoas com hipertensão arterial não controlada;

-Orlistat: é um inibidor da lipase, enzima produzida no pâncreas que é bloqueada impedindo que cerca de 30% da gordura alimentar seja digerida, não sendo, por isso, absorvida no intestino. Os efeitos indesejáveis são produção de fezes oleosas e má absorção de vitaminas lipossolúveis (Vit. A, D, E e K). Aconselha-se, então a quem esteja a tomar orlistat, a compensar com suplementos destas vitaminas e a ter atenção à falta de vitamina B12 e ferro.

A prescrição médica de qualquer um destes dois medicamentos inclui sempre a recomendação de modificações dietéticas e comportamentais com aumento da actividade física, o que equivale a dizer que mesmo com o uso de medicamentos têm que se mudar hábitos. E é isso que custa.
A determinação de cada um mostrará qual o melhor caminho para emagrecer.

"A maior parte das pessoas que mantêm um peso saudável, só o consegue graças a um esforço consciente" (James Hill)
2 comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Leite sem lactose não é para diabéticos

Ontem de tarde, durante a consulta de atendimento a diabéticos, um dos utentes pôs-me a questão se o leite sem lactose seria o melhor para os diabéticos. A dúvida faz todo o sentido uma vez que a lactose é o açúcar natural do leite. No entanto, este leite foi criado para pessoas intolerantes à lactose, que não digerem bem o leite por deficiente produção de lactase, a enzima necessária ao desdobramento da lactose.

Então porque é que é que o leite com 0% lactose não é bom para diabéticos?

A lactose é um hidrato de carbono complexo (dissacárido) formada por duas moléculas de hidratos de carbono simples, a glicose e a galactose (monossacáridos). O leite com 0% lactose não tem, de facto lactose, mas tem os seus constituintes, a glicose e a galactose, que são açúcares simples que fazem subir a glicémia (glicose no sangue) mais facilmente. Quem prova este leite não tem dúvidas: ele é mais doce e foi por isso que o referido doente estranhou e me apareceu com o pacote de leite sem lactose na mão…

COUVE LOMBARDA SALTEADA

Ontem para o jantar fiz couve lombarda salteada com bifinhos de peru grelhados.  É um prato super fácil de fazer que se prepara em 15 minutos.

INGREDIENTES (para quatro pessoas)
Meia couve lombarda
1 cenoura
2 colheres de sopa de azeite
2 dentes de alho
sal marinho q.b.

Depois de lavar a couve, corte-a em juliana. Descasque e rale a cenoura. 
Numa frigideira coloque o azeite e os alhos picados até estes começarem a fritar. Junte a couve, a cenoura e um pouco de sal. Deixe cozinhar cerca de oito minutos mexendo com frequência (se gostar da couve mais cozida deixe cozinhar mais tempo). Está pronto! 

Acompanhei com bifinhos de peru grelhados, temperados com pimenta, pouquíssimo sal, mas com muito sumo de limão. 

Esta couve também fica bem a acompanhar qualquer tipo de peixe.
Experimentem!

O segredo de cozinhar bróculos verdes e nutritivos

Do livro "A cozinha é um laboratório" (Fonte da Palavra, 2009) transcrevo alguns conselhos para bem cozinhar os brócolos evitando, dentro do possível, perdas de nutrientes e o desenvolvimento de cores e aromas indesejáveis: "Corte-os apenas na altura de serem introduzidos na água quente. Além de os cortar em pedaços, dê um golpe longitudinal nos pedúnculos. Estes cortes têm como objectivo acelerar a cozedura, dado aumentarem a área de exposição à água quente. Adicione os brócolos à água a ferver, com o lume no máximo. Para minimizar a perda de nutrientes e ter a melhor cor final, não use muita água, nem pouca... no meio é que está a virtude! Deixe o recipiente destapado nos primeiros minutos. Cozinhe-os durante apenas cerca de 5 minutos (ficam mais estaladiços e com uma cor mais bonita). Se não os for consumir logo, passe-os por água muito fria mal sejam tirados do lume, para parar todo o processo. Como melhor alternativa, coza os brócolos em vapor. O resultado será ainda melh…