Pular para o conteúdo principal

ÁGUA: UM LITRO E MEIO POR DIA, MITO OU REALIDADE?


Está generalizado o conceito de que devemos beber um litro e meio de água por dia. Mas será mesmo assim?

A água é um macronutriente indispensável porque todas as células e sistemas do organismo dependem dela para a realização das suas funções básicas. Para além de servir de transporte de substâncias, a água desempenha a importantíssima tarefa de regulação da temperatura corporal. O corpo humano perde diariamente quantidades significativas de água através da pele, do aparelho respiratório, urina, fezes e dos mais variados tipos de secreção. Como não possuímos mecanismos de armazenamento de água, o acontece para outros nutrientes, a sua ingestão diária torna-se indispensável. Sem beber a vida não é possível para além de três dias. No entanto, a quantidade diária necessária para cada indivíduo varia de acordo com a sua idade, sexo, actividade física, temperatura ambiente, estado de saúde, hábitos alimentares, hábitos de consumo de álcool, etc, etc… Estima-se que adultos saudáveis em condições normais, tenham uma necessidade hídrica diária que ronda o litro e meio, mas para esta contabilidade entra tudo o que se come e bebe durante o dia. Se na alimentação diária entrarem sopas, frutas frescas, legumes, leite, chá, batidos, infusões, não há necessidade de acrescentar a tudo isto mais um litro e meio de água. Devemos beber de acordo com a sede, porque é reflexo da necessidade do organismo, mas a melhor forma de sabermos se bebemos suficiente é observando o aspecto da urina: pouco abundante e muito concentrada é um alerta que nos indica que devemos beber água; abundante e de cor clara, (amarelo limão), indica que bebemos suficiente.

De tudo isto se conclui que a hidratação regular pode ser conseguida por intermédio de qualquer líquido, desde água pura ou com umas gotas de sumo de limão, refrescos pouco açucarados, sumos de fruta, leite, batidos, infusões, bebidas pouco gasosas, sopas ou através de frutas e vegetais que pela sua constituição são particularmente ricos em água. As frutas e vegetais têm ainda a vantagem de possuir minerais, imprescindíveis reguladores do balanço hídrico, vitaminas e outros compostos antioxidantes. Uma fatia de melancia (98% de água), uma salada de pepino (96% de água) ou de alface (94% de água), são, seguramente, formas fáceis e apetecíveis de reforçar a hidratação diária.

Se faz uma alimentação deste tipo, não tem necessidade de se obrigar a beber mais um litro e meio, até porque pode ser prejudicial. A água a mais pode fazer mal, porque fluidifica demasiado os líquidos orgânicos com consequentes perdas de electrólitos, nomeadamente potássio, importante agente de regulação do meio interno. A hiponatrémia é o termo genericamente usado para definir a intoxicação pela água. Nada de exageros porque, em excesso, até a água faz mal!
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Leite sem lactose não é para diabéticos

Ontem de tarde, durante a consulta de atendimento a diabéticos, um dos utentes pôs-me a questão se o leite sem lactose seria o melhor para os diabéticos. A dúvida faz todo o sentido uma vez que a lactose é o açúcar natural do leite. No entanto, este leite foi criado para pessoas intolerantes à lactose, que não digerem bem o leite por deficiente produção de lactase, a enzima necessária ao desdobramento da lactose.

Então porque é que é que o leite com 0% lactose não é bom para diabéticos?

A lactose é um hidrato de carbono complexo (dissacárido) formada por duas moléculas de hidratos de carbono simples, a glicose e a galactose (monossacáridos). O leite com 0% lactose não tem, de facto lactose, mas tem os seus constituintes, a glicose e a galactose, que são açúcares simples que fazem subir a glicémia (glicose no sangue) mais facilmente. Quem prova este leite não tem dúvidas: ele é mais doce e foi por isso que o referido doente estranhou e me apareceu com o pacote de leite sem lactose na mão…

COUVE LOMBARDA SALTEADA

Ontem para o jantar fiz couve lombarda salteada com bifinhos de peru grelhados.  É um prato super fácil de fazer que se prepara em 15 minutos.

INGREDIENTES (para quatro pessoas)
Meia couve lombarda
1 cenoura
2 colheres de sopa de azeite
2 dentes de alho
sal marinho q.b.

Depois de lavar a couve, corte-a em juliana. Descasque e rale a cenoura. 
Numa frigideira coloque o azeite e os alhos picados até estes começarem a fritar. Junte a couve, a cenoura e um pouco de sal. Deixe cozinhar cerca de oito minutos mexendo com frequência (se gostar da couve mais cozida deixe cozinhar mais tempo). Está pronto! 

Acompanhei com bifinhos de peru grelhados, temperados com pimenta, pouquíssimo sal, mas com muito sumo de limão. 

Esta couve também fica bem a acompanhar qualquer tipo de peixe.
Experimentem!

O segredo de cozinhar bróculos verdes e nutritivos

Do livro "A cozinha é um laboratório" (Fonte da Palavra, 2009) transcrevo alguns conselhos para bem cozinhar os brócolos evitando, dentro do possível, perdas de nutrientes e o desenvolvimento de cores e aromas indesejáveis: "Corte-os apenas na altura de serem introduzidos na água quente. Além de os cortar em pedaços, dê um golpe longitudinal nos pedúnculos. Estes cortes têm como objectivo acelerar a cozedura, dado aumentarem a área de exposição à água quente. Adicione os brócolos à água a ferver, com o lume no máximo. Para minimizar a perda de nutrientes e ter a melhor cor final, não use muita água, nem pouca... no meio é que está a virtude! Deixe o recipiente destapado nos primeiros minutos. Cozinhe-os durante apenas cerca de 5 minutos (ficam mais estaladiços e com uma cor mais bonita). Se não os for consumir logo, passe-os por água muito fria mal sejam tirados do lume, para parar todo o processo. Como melhor alternativa, coza os brócolos em vapor. O resultado será ainda melh…