Pular para o conteúdo principal

SACIEDADE E SUA RELAÇÃO COM O IMC


Notícia do Público de 10.01.2008 sobre uma investigação, realizada nos EUA, que avalia a actividade cerebral em diferentes momentos de uma refeição em pessoas com diferentes IMC (Índice de Massa Corporal).

"Investigação desenvolvida no Department of Energy’s Brookhaven National Laboratory, nos EUA, envolveu cerca de duas dezenas de pessoas com diferentes índices de massa corporal (IMC). Os resultados, divulgados esta semana, podem explicar porque é que algumas pessoas comem de mais e consequentemente ganham peso. Ao que tudo indica, a resposta estará em determinados circuitos no cérebro que motivam o desejo de comer. Uma preciosa dica para futuros tratamentos no complexo mundo da obesidade.

“Estimulando a sensação do estômago cheio recorrendo a um balão expansível verificamos que diferentes zonas do cérebro foram activadas no cérebro de pessoas com peso normal e com excesso de peso”, refere Gene-Jack Wang, o autor principal do estudo num comunicado. O documento nota que os indivíduos com excesso de peso mostravam “menos actividade” nas zonas do cérebro que marcam a saciedade e que acusavam menos esta sensação do que as pessoas com peso considerado normal.

Cada participante engoliu um balão que, posteriormente, ficou cheio com água, foi esvaziado e, de novo, reabastecido com água em volumes que variaram entre os 50 e 70 por cento. Um processo que foi cuidadosamente monitorizado com equipamento que ia captando as imagens no cérebro e acompanhado com a colocação de questões aos participantes sobre as sensações que experimentavam nos diferentes cenários. Quanto mais alto o IMC mais reduzida era a possibilidade de ouvir o sujeito acusar sensação de empanturrado com balão cheio a 70 por cento.

Uma região específica do cérebro, a amígdala posterior esquerda, foi menos activada nas pessoas com elevado IMC e mais nos participantes magros. Uma zona que aparecia estimulada nas imagens precisamente quando as pessoas envolvidas no estudo acusavam a sensação de estômago cheio. “Este estudo mostra a primeira prova de uma ligação entre a amígdala esquerda e os sentimentos de fome quando o estômago está cheio, demonstrando que a activação desta região cerebral anula a vontade de comer”, assinala Gene-Jack Wang adiantando que esta conclusão pode significar um caminho para novas estratégias de tratamento – quer seja, ao nível do comportamento, médicas ou cirúrgicas – que tenham esta região cerebral como alvo." 10.01.2008 - 20h10 Andrea Cunha Freitas
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Leite sem lactose não é para diabéticos

Ontem de tarde, durante a consulta de atendimento a diabéticos, um dos utentes pôs-me a questão se o leite sem lactose seria o melhor para os diabéticos. A dúvida faz todo o sentido uma vez que a lactose é o açúcar natural do leite. No entanto, este leite foi criado para pessoas intolerantes à lactose, que não digerem bem o leite por deficiente produção de lactase, a enzima necessária ao desdobramento da lactose.

Então porque é que é que o leite com 0% lactose não é bom para diabéticos?

A lactose é um hidrato de carbono complexo (dissacárido) formada por duas moléculas de hidratos de carbono simples, a glicose e a galactose (monossacáridos). O leite com 0% lactose não tem, de facto lactose, mas tem os seus constituintes, a glicose e a galactose, que são açúcares simples que fazem subir a glicémia (glicose no sangue) mais facilmente. Quem prova este leite não tem dúvidas: ele é mais doce e foi por isso que o referido doente estranhou e me apareceu com o pacote de leite sem lactose na mão…

COUVE LOMBARDA SALTEADA

Ontem para o jantar fiz couve lombarda salteada com bifinhos de peru grelhados.  É um prato super fácil de fazer que se prepara em 15 minutos.

INGREDIENTES (para quatro pessoas)
Meia couve lombarda
1 cenoura
2 colheres de sopa de azeite
2 dentes de alho
sal marinho q.b.

Depois de lavar a couve, corte-a em juliana. Descasque e rale a cenoura. 
Numa frigideira coloque o azeite e os alhos picados até estes começarem a fritar. Junte a couve, a cenoura e um pouco de sal. Deixe cozinhar cerca de oito minutos mexendo com frequência (se gostar da couve mais cozida deixe cozinhar mais tempo). Está pronto! 

Acompanhei com bifinhos de peru grelhados, temperados com pimenta, pouquíssimo sal, mas com muito sumo de limão. 

Esta couve também fica bem a acompanhar qualquer tipo de peixe.
Experimentem!

O segredo de cozinhar bróculos verdes e nutritivos

Do livro "A cozinha é um laboratório" (Fonte da Palavra, 2009) transcrevo alguns conselhos para bem cozinhar os brócolos evitando, dentro do possível, perdas de nutrientes e o desenvolvimento de cores e aromas indesejáveis: "Corte-os apenas na altura de serem introduzidos na água quente. Além de os cortar em pedaços, dê um golpe longitudinal nos pedúnculos. Estes cortes têm como objectivo acelerar a cozedura, dado aumentarem a área de exposição à água quente. Adicione os brócolos à água a ferver, com o lume no máximo. Para minimizar a perda de nutrientes e ter a melhor cor final, não use muita água, nem pouca... no meio é que está a virtude! Deixe o recipiente destapado nos primeiros minutos. Cozinhe-os durante apenas cerca de 5 minutos (ficam mais estaladiços e com uma cor mais bonita). Se não os for consumir logo, passe-os por água muito fria mal sejam tirados do lume, para parar todo o processo. Como melhor alternativa, coza os brócolos em vapor. O resultado será ainda melh…