Pular para o conteúdo principal

INGLATERRA: aulas de culinária para combater a obesidade


Lusa| 2008-01-22

O Ministério britânico da Educação anunciou que as aulas de culinária passarão a fazer parte currículo obrigatório dos colégios ingleses já a partir do próximo ano lectivo.

A partir do próximo mês de Setembro, os adolescentes ingleses com idades entre os 11 e os 14 anos terão de assistir a aulas de culinária caso frequentem um estabelecimento de ensino que já disponibilize este tipo de curso (cerca de 85% dos colégios ingleses). Os restantes estabelecimentos irão dispor de um período de adaptação até 2011 para também poderem disponibilizar aulas de culinária.

"Ensinar as crianças a cozinhar pratos saudáveis é um importante meio para as escolas ajudarem a criar adultos saudáveis (...) A minha mãe tinha uma paixão por tudo isso e foi ela que me comprou o meu primeiro livro de culinária", declarou o ministro da Educação britânico, Ed Balls, ao jornal Daily Mirror.

Com esta nova disciplina obrigatória pretende-se que os alunos passem a conseguir preparar pratos simples e saudáveis, explicou o Ministério da Educação, da Infância e da Família.

A medida será apenas aplicada nos colégios de Inglaterra, uma vez que a Educação é gerida autonomamente pelas restantes regiões do Reino Unido, como o País de Gales e a Escócia.

A obrigatoriedade da disciplina de culinária insere-se da campanha de luta contra a obesidade que será lançada quarta-feira por Ed Balls e pelo ministro da Saúde britânico, Alan Johnson. Actualmente, a disciplina de culinária só é obrigatória nas escolas de 1.º ciclo inglesas.

Segundo um inquérito encomendado pelo governo britânico e divulgado em Outubro último, se a actual taxa de crescimento se mantiver inalterada, metade dos britânicos serão obesos dentro de 25 anos. Em relação ao excesso de peso, o inquérito indicou que este afectará cerca de 86% dos homens nos próximos 15 anos e 70% das mulheres nos próximos 20 anos.
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Leite sem lactose não é para diabéticos

Ontem de tarde, durante a consulta de atendimento a diabéticos, um dos utentes pôs-me a questão se o leite sem lactose seria o melhor para os diabéticos. A dúvida faz todo o sentido uma vez que a lactose é o açúcar natural do leite. No entanto, este leite foi criado para pessoas intolerantes à lactose, que não digerem bem o leite por deficiente produção de lactase, a enzima necessária ao desdobramento da lactose.

Então porque é que é que o leite com 0% lactose não é bom para diabéticos?

A lactose é um hidrato de carbono complexo (dissacárido) formada por duas moléculas de hidratos de carbono simples, a glicose e a galactose (monossacáridos). O leite com 0% lactose não tem, de facto lactose, mas tem os seus constituintes, a glicose e a galactose, que são açúcares simples que fazem subir a glicémia (glicose no sangue) mais facilmente. Quem prova este leite não tem dúvidas: ele é mais doce e foi por isso que o referido doente estranhou e me apareceu com o pacote de leite sem lactose na mão…

COUVE LOMBARDA SALTEADA

Ontem para o jantar fiz couve lombarda salteada com bifinhos de peru grelhados.  É um prato super fácil de fazer que se prepara em 15 minutos.

INGREDIENTES (para quatro pessoas)
Meia couve lombarda
1 cenoura
2 colheres de sopa de azeite
2 dentes de alho
sal marinho q.b.

Depois de lavar a couve, corte-a em juliana. Descasque e rale a cenoura. 
Numa frigideira coloque o azeite e os alhos picados até estes começarem a fritar. Junte a couve, a cenoura e um pouco de sal. Deixe cozinhar cerca de oito minutos mexendo com frequência (se gostar da couve mais cozida deixe cozinhar mais tempo). Está pronto! 

Acompanhei com bifinhos de peru grelhados, temperados com pimenta, pouquíssimo sal, mas com muito sumo de limão. 

Esta couve também fica bem a acompanhar qualquer tipo de peixe.
Experimentem!

O segredo de cozinhar bróculos verdes e nutritivos

Do livro "A cozinha é um laboratório" (Fonte da Palavra, 2009) transcrevo alguns conselhos para bem cozinhar os brócolos evitando, dentro do possível, perdas de nutrientes e o desenvolvimento de cores e aromas indesejáveis: "Corte-os apenas na altura de serem introduzidos na água quente. Além de os cortar em pedaços, dê um golpe longitudinal nos pedúnculos. Estes cortes têm como objectivo acelerar a cozedura, dado aumentarem a área de exposição à água quente. Adicione os brócolos à água a ferver, com o lume no máximo. Para minimizar a perda de nutrientes e ter a melhor cor final, não use muita água, nem pouca... no meio é que está a virtude! Deixe o recipiente destapado nos primeiros minutos. Cozinhe-os durante apenas cerca de 5 minutos (ficam mais estaladiços e com uma cor mais bonita). Se não os for consumir logo, passe-os por água muito fria mal sejam tirados do lume, para parar todo o processo. Como melhor alternativa, coza os brócolos em vapor. O resultado será ainda melh…