ADITIVOS ALIMENTARES

Os aditivos alimentares "são substâncias adicionadas intencionalmente durante o fabrico, transformação, preparação, tratamento, acondicionamento, transporte ou armazenamento de um produto alimentar, que pode ter ou não valor nutritivo, que não são normalmente consumidos isoladamente como alimentos, não sendo também utilizados como ingredientes típicos dos alimentos."

A adição deste tipo de substâncias aos géneros alimentícios cumpre o objectivo de melhorar o seu aspecto, sabor, textura... ou ainda prolongar a conservação.

Desde 1990, todos os aditivos alimentares autorizados e respectivas condições de utilização estão harmonizados a nível comunitário, a fim de proteger a saúde dos consumidores e garantir a livre circulação dos géneros alimentícios na União Europeia. Actualmente existem cerca de 3500 aditivos aprovados e identificados pela letra "E" seguida de um número com três dígitos. A União Europeia estabelece limites máximos de utilização, para cada tipo, de modo a garantir a sua inocuidade. A avaliação é feita por instituições científicas competentes (Comité Científico para a Alimentação Humana – CAH, Autoridade Europeia para a Segurança dos Alimentos-EFSA, Comité Conjunto da Organização Mundial de Saúde e da FAO para os Aditivos Alimentares - JECFA), sem a qual os aditivos não são autorizados para uso alimentar.

A lista de aditivos que se segue inclui todos os aditivos actualmente autorizados (Fonte:www.asae.pt):

Corantes (E1- -)
Substancias que se adicionam aos alimentos para acentuar ou alterar a sua cor original de modo a torná-los mais atractivos.

Conservantes (E2- -)
Substancias que são adicionadas aos alimentos para prolongarem o período de duração dos alimentos, geralmente impedindo o crescimento de bactérias e fungos. São estes microorganismos que são responsáveis pela degradação dos alimentos, pelo que o uso de conservantes permite reduzir ou mesmo evitar riscos associados a contaminação microbiológica.
Entre os principais conservantes estão: o ácido ascórbico e os sorbatos, o ácido benzóico e os benzoatos, o dióxido de enxofre e sulfitos e os nitratos e nitritos.

Antioxidantes (E3- -)
Substâncias utilizadas para impedir a alteração dos alimentos, causada pela degradação dos óleos, gorduras e algumas vitaminas em contacto com o ar, contribuindo para aumentar a durabilidade dos alimentos.

Os antioxidantes liposolúveis mais importantes são :
Tocoferóis (E 306 – E309), BHA (butil hidroxianisolo ou E320) e o BHT ( butil hidroxitolueno ou E321), utilizados nas gorduras edíveis, os óleos vegetais e os molhos de salada.

O Ácido ascórbico (E300) e o ácido cítrico (E330) são mais utilizados para preservação da cor em frutos ou vegetais descascados ou cortados.

Emulsionantes, estabilizantes, espessantes e gelificantes (E4- -)
No geral, estas substâncias são adicionadas aos alimentos para afectar a sua textura ou a sua consistência.

Edulcorantes (E950 a E967)
São substâncias usadas para adoçar os alimentos. Esta família de aditivos inclui os aditivos que são adicionados aos alimentos em substituição do açúcar, e os que são comercializados como edulcorantes de mesa.
Existem dois tipos de edulcorantes, os açúcares reduzidos e os edulcorantes intensos, que se distinguem fundamentalmente pelo poder adoçante.

Os açúcares reduzidos, como o maltitol, xilitol ou o isomalte têm um poder adoçante menor que a sacarose e um valor calórico próximo da sacarose.

Os edulcorantes intensos têm poder adoçante muito superior ao da sacarose, designadamente o aspartame ou a sacarina são aprox. 200 vezes ou 300-500 vezes respectivamente, mais doces.

Outros

Acidificantes e reguladores de acidez. Controlam a acidez ou a alcalinidade dos alimentos.

Antiaglomerantes. Reduzem a tendência de aglutinação das partículas, evitando a formação de grumos ou torrões. Ex. silicato de cálcio, talco.

Agentes antiespuma. Impedem ou reduzem a formação e espuma durante o processamento alimentar.

Agentes de endurecimento. Conferem firmeza aos frutos e produtos hortícolas.Ex. sulfatos de alumínio.

Agentes de revestimento. Usados para cobrir a superfície externa dos alimentos para lhes dar um aspecto liso e brilhante ou para proteger os alimentos. Ex. cera de abelhas, cera candelilha.

Humidificantes. Evitam a secagem e endurecimento dos alimentos.

Intensificadores de sabor. Realçam o sabor o odor dos alimentos. Ex. glutamato monossódico

Gases de embalagem. Introduzidos em determinadas embalagens seladas contendo carne, peixe, vegetais pré-preparados e saladas. Ex. dióxido de carbono, árgon, azoto.

Os aditivos alimentares ainda incluem os agentes de transporte (de aditivos), agentes de tratamento de farinha, fixadores de cor, levedantes químicos, gases propulsores, sais de fusão.
2 comentários

Postagens mais visitadas