sábado, 27 de dezembro de 2008

Nutricionista - Vídeo APN


A Associação Portuguesa dos Nutricionistas (APN) realizou um vídeo sobre as áreas de intervenção de um nutricionista e sobre a própria APN que foi apresentado durante o seu congresso anual. O vídeo está agora disponível no youtube e pode ser visto em: http://br.youtube.com/watch?v=eobbA4WfX8U

Imagem:http://www.hoteliernews.com.br/site/imagens/noticias/Patr%C3%ADcia%20Soares.jpg

sexta-feira, 26 de dezembro de 2008

ROUPA VELHA


Nos dias a seguir à véspera de Natal, um dos pratos mais típicos e mais apreciados na gastronomia portuguesa é a "roupa velha" de bacalhau. Faz-se com os restos do bacalhau, das batatas, das couves e outros legumes, e dos ovos da consoada. E é muito fácil fazer: basta colocar numa frigideira, com um fio de bom azeite (extravirgem), uns dentes de alho, sal, pimenta e alguma erva aromática q.b. (não abusar do sal porque já tinha sido posto antes) e mexer tudo em lume brando...

Assim não se desperdiça um peixe que tem alto valor nutritivo (ver informação nutricional aqui), sendo fonte dos salutares ácidos gordos omega 3.

terça-feira, 23 de dezembro de 2008

FESTA É FESTA


Faz-me impressão ver tantos jornais e revistas, nesta época, com conselhos para "passar um Natal com menos calorias". O Natal é tempo de festa e devemos vivê-lo de acordo com as nossas melhores tradições gastronómicas. Isto é, à mesa não podem faltar rabanadas, filhoses, fritos de abóbora, velhoses, broínhas, aletria, arroz doce, mexidos, formigos, azevias, sonhos, cuscurões,... sem esquecer o bolo-rei. Dias de festa são dias de fartura à mesa. Não se preocupe demasiado com a balança, porque não são os excessos cometidos em dois ou três dias que são responsáveis por aumento significativo e sustentado de peso. Porque como diz um amigo meu "o problema não está naquilo que se come entre o Natal e o Ano Novo, mas sim no que se come entre o Ano Novo e o Natal!"

Desejo Festas Felizes a todos os internautas visitantes deste blogue.
Ana Carvalhas

segunda-feira, 22 de dezembro de 2008

Somos o que comemos ou comemos o que somos?


Somos o que comemos ou comemos o que somos?

O Dr. Gonçalo Cordeiro Ferreira, pediatra do Hospital Dona Estefânia (Lisboa), responde a esta e outras questões numa entrevista concedida ao jornal "Notícias Médicas", da qual transcrevo uma parte:

"Há mais perguntas do que respostas, mas é um pouco das duas coisas."

Recuando no tempo, o pediatra lembrou que o ser humano resulta de processos lentos de adaptação genética.

"Durante muito tempo fomos o que comemos porque, dependendo da alimentação, fomos modificando a nossa estrutura dentária e aumentando a nossa capacidade cerebral. A partir do desenvolvimento da agricultuira, passou a haver menos alterações genéticas, com algumas excepções. Por exemplo, no que respeita à lactase, houve uma alteração que nos permitiu digerir o leite, ao contrário do que acontece nos animais, que perdem essa capacidade após o desmame. De resto, ficámos com uma estrutura genética muito semelhante à do caçador-recolector, que tinha uma dieta completamente diferente, mais variada, à base de carne, com muito pouca gordura e alguns hidratos de carbono. "

Hoje em dia, é essa estrutura genética antiga que determina as nossas preferências.

"Os bebés estão condicionados para gostarem do doce e do energeticamente denso, precisamente para sobreviverem em momentos de escassez de energia, e para rejeitarem o amargo, que apresenta algum risco. Inatamente, os bebés aceitam o doce e rejeitam o amargo."

Se o genoma não evoluiu por aí além, o ambiente mudou imenso.

"Há uma grande desadequação do genoma ao ambiente. O homem está a restringir a sua alimentação ao que lhe dá mais energia, sem se adaptar ao ambiente em que vive e às suas actuais necessidades. No futuro os resultados poderão ser dramáticos."

Fonte: Notícias Médicas, 12/11/08
Imagem: http://images.teamsugar.com/files/users/1/15259/46_2007/fastfood2.jpg

quinta-feira, 18 de dezembro de 2008

Porque é que o sal faz subir a tensão arterial ?


Resumo de uma comunicação que apresentei num Workshop sobre alimentação e hipertensão arterial:

Considera-se que um indivíduo tem hipertensão arterial (HTA) quando apresenta valores da tensão máxima (pressão sistólica) superiores a 140 milímetros de mercúrio ou valores da tensão mínima (pressão diastólica) acima de 90 milímetros de mercúrio. No entanto, há factores que podem, pontualmente, alterar ou fazer variar a tensão, pelo que deve ser feita a média de duas ou mais leituras, antes de se extrair uma conclusão.

Porque é que a ingestão de sal faz subir a tensão arterial?

A água assegura, aproximadamente, 60 por cento do peso corporal e localiza-se em três compartimentos: vasos sanguíneos e coração (plasma) – oito por cento; interior das células (fluido intracelular) – 67 por cento; e espaços entre células (fluido intersticial) – 25 por cento.

Se o sangue se tornar salgado após uma refeição, o equilíbrio entre estes três compartimentos de água está alterado. A água desloca-se por osmose do fluido intersticial para o sangue com o objectivo de neutralizar o excesso de sal. Deste modo, o fluido intersticial perde parte da sua água, fica salgado e retira, por osmose, água do fluido intracelular.

Para evitar a desidratação das células o organismo possui mecanismos que fazem com que sintamos sede quando o sal aumenta no sangue de apenas um por cento. E sentimos sede, quando ingerimos um alimento salgado, em dois momentos distintos: no primeiro, as células detectoras de sal que existem na boca, garganta e esófago fazem-nos sentir sede, ainda antes de o sal ter sido absorvido nos intestinos. Trata-se de um mecanismo que assegura que a água e o sal são ingeridos simultaneamente. Uma ou duas horas depois, quando temos sede novamente, é porque o cérebro detecta um nível elevado de sal no sangue, após todos os alimentos e água terem sido absorvidos A ingestão de água restaura o desequilíbrio salino provocado pelos alimentos salgados e protege as células nervosas da desidratação. Em consequência da ingestão de grande quantidade de líquido sentimo-nos “inchados”, e há maior risco de aumento da tensão arterial. Isto acontece porque, sempre que um fluido é adicionado a um circuito fechado (como a nossa corrente sanguínea), a pressão desse fluido tem necessariamente de aumentar.

Os chamados indivíduos “sensíveis ao sal”, cerca de 30 a 60 por cento dos doentes com HTA, apresentam maior predisposição ao desenvolvimento desta patologia devido a ingestão salina. Embora existam outras causas para a HTA, os epidemiologistas atribuem boa parte da sua prevalência ao excesso de peso (gordura abdominal), à alimentação e ao estilo de vida.

Prevenção da HTA

Para prevenir ou ajudar a tratar a HTA, deve-se reduzir a ingestão de sal (deve ser dada especial atenção aos alimentos processados, que chegam a fornecer cerca de 70 por cento do sal consumido), aumentar a ingestão de alimentos que contenham potássio, vitamina C e cálcio (que incluem cereais, frutos, hortaliças, leguminosas e frutos secos). Deve ainda manter-se o peso dentro dos limites saudáveis, evitar o álcool, controlar o “stress” e praticar exercício aeróbico moderado e regular (por exemplo, fazer caminhadas diárias).

terça-feira, 16 de dezembro de 2008

PARABÉNS OSCAR NIEMEYER !


Oscar Niemeyer, o famoso arquitecto brasileiro que "declarou guerra" ao ângulo recto, completou ontem (15 de Dezembro) 101 anos. Considerado o arquitecto mais prolífico do mundo, com mais de mil projectos espalhados pelo globo, desenhou centros culturais, museus, bibliotecas, jardins zoológicos, parques aquáticos, edifícios ministeriais, igrejas, catedrais, mesquitas, universidades, casinos, estádios de futebol, sedes de partidos políticos, teatros, balneários e até sambódromos (os do Rio e de S.Paulo são obra sua) ao longo de mais de setenta anos de trabalho. E continua a trabalhar...

Tem paixão pela vida, "dessa vida fantástica dentro da qual somos tão insignificantes", e minimiza a sua obra: "o importante não é o meu trabalho, mas a vida, o contacto com os amigos, a recordação dos tempos vividos, conservar e saber apreciar as qualidades do outro... Isso não é muito habitual hoje em dia, pois não?"

Oscar Niemeyer, com 101 anos, gosta de feijão com frango, bebe vinho tinto todos os dias às refeições e fuma cigarrilhas enviadas pelo seu amigo Fidel Castro.

O brasileiro Jair Valera, um outro seu amigo do peito, provavelmente a pessoa que melhor o conhece, retrata-o assim: "Oscar já não é um arquitecto, é um mito, um símbolo deste país..."

Parabéns Oscar Niemeyer! Desejo-lhe muitos anos de vida.

Fonte: El País Semanal, 05/12/08

segunda-feira, 15 de dezembro de 2008

Gwyneth Paltrow - A Nova Gurú da Cozinha Saudável


Gwyneth Paltrow, a actriz que ganhou um Oscar em 1997 pelo seu papel no filme Shakespeare in Love, tem um sítio na net, www.goop.com, em que partilha com a sua legião de fãs algumas receitas saudáveis. Os pratos que propõe vão desde uma tarte de gelado de abóbora a um pequeno-almoço para pessoas que não comem ou não podem comer ovos, trigo ou produtos lácteos. Segundo a actriz, as receitas que coloca semanalmente na Net devem cumprir três requisitos : "serem fáceis, deliciosos e saudáveis". Para isso reforça a importância dos alimentos biológicos, faz versões de receitas de cozinheiros internacionais usando menos açúcar e explica as vantagens de utilização de farinha de trigo integral em relação à farinha branca muito refinada.

Fonte: El País, 12/12/08

domingo, 14 de dezembro de 2008

POBRES INGLESES !

No Soweto (África do Sul), apesar da pobreza (estampada na imagem) come-se melhor do que num dos países mais ricos do mundo. Quem o diz é conhecido chef inglês Jamie Oliver. As frases dele que transcrevo servem de alerta para todos nós. Estamos também a perder as nossas melhores tradições.

"Oitenta por cento dos ingleses não se senta à mesa para o jantar."

"Perdemos as nossas tradições."

"A Inglaterra é um dos países mais ricos do mundo. As pessoas têm televisões enormes - muito maiores do que a minha - o último modelo de telemóvel, carros e mesmo assim vão para os bares ao fim-de-semana para se embebedarem. "

"A sua pobreza (dos ingleses) vê-se no modo como se alimentam."

"Vi mais pobreza na comida de muitas casas inglesas do que à mesa dos que vivem em favelas no Soweto, em África."

Fontes: http://news.bbc.co.uk/;
"El País Semanal"

sexta-feira, 12 de dezembro de 2008

Abordagens Complementares no Tratamento do Cancro


Em entrevista ao jornal Notícias Médicas o clínico francês David Servan-Shreiber (DSS)(na imagem), autor do livro "AntiCancro: Um novo estilo de vida", (Caderno,2008) defende que se devem integrar abordagens complementares no tratamento do cancro:
"Alimentação "anti-cancro" e actividade física devem se integrados nos tratamentos convencionais."
Segundo DSS cada doente pode ajudar-se a si próprio e procurar mais informação sobre as abordagens complementares no tratamento do cancro para lá dos tratamentos convencionais:
"Um inquérito de opinião recente feito em França mostra que setenta por cento dos doentes desejam mais informação sobre as abordagens complementares no tratamento do cancro. Está na altura de nós, médicos, falarmos entre nós para passarmos mensagens claras: não se trata de substituir a quimioterapia por tisanas, mas de integrar as abordagens complementares, cujos benefícios estão provados nos nossos programas de cuidados."
As limitações da aplicação destas abordagens complementares nos programas de tratamento, segundo DSS, são:
"As abordagens que apresento não se podem patentear e não trazem dinheiro a ninguém. Ninguém está "contra" os brócolos, o jogging ou o ioga, mas nenhuma companhia (farmacêutica) vai convidar oitenta oncologistas para um fim-de-semana num hotel de luxo com campo de golfe para lhes explicar que isso pode reduzir em sessenta e oito por cento a mortalidade por cancro de mama no estadio II em onze anos, como acaba de demonstrar um estudo americano publicado na revista "Cancer" em Novembro deste ano.

Fonte Imagem: http://blog-on-en-parle.lci.fr/article-19700031.html

quinta-feira, 11 de dezembro de 2008

PARABÉNS MANOEL DE OLIVEIRA !

O cineasta português Manoel de Oliveira comemora hoje cem anos. Muitos parabéns!

E, lembrando o papel da sopa para se chegar aos cem, transcrevo um passo da entrevista que deu à revista "Pública" de domingo passado:

"P- Dá importância à gastronomia? Qual é o seu prato preferido?

MO- Como sopa, de legumes. Porque um cientista, que fez um exame à nutrição dos americanos que deixaram de comer sopa às refeições, declarou que se eles retomassem a sopa diminuiriam o cancro em mais do que 50 por cento. Também gosto de sopa de peixe...

P- E gosta de tripas à moda do Porto?

MO- Também gosto. É saudável."

quarta-feira, 10 de dezembro de 2008

Baixar o colesterol


Resumo de uma comunicação que apresentei sobre o colesterol:

O colesterol é um composto vital que é sintetizado maioritariamente pelo fígado e que entra na produção de algumas hormonas, ácidos biliares, vitamina D, além de ser um componente integral das membranas celulares. O colesterol é indispensável ao funcionamento do nosso organismo, sendo o seu nível no sangue regulado com grande rigor. O fígado e até o intestino chegam a produzi-lo quando a alimentação não o fornece em quantidade suficiente.

É insolúvel na água e, por isso, insolúvel no sangue, de modo que, para ser transportado, o organismo tem de o “empacotar” dentro de partículas esféricas proteicas chamadas lipoproteínas. De acordo com a sua densidade, as lipoproteínas podem ser de muito baixa densidade - Very Low Density Lipoproteins (VLDL) -, de baixa densidade - Low Density Lipoproteins (LDL) - e de alta densidade – Hight Density Lipoproteins (HDL) -, que são as mais pequenas, as mais pesadas e as menos gordas.


Em média, cerca de dois terços do colesterol do sangue surge na forma de LDL. Os riscos de arterosclerose, de doença coronária e de enfarte do miocárdio aumentam com a elevação dos respectivo nível, uma vez que esse colesterol se deposita no interior das artérias formando placas. Quando tal acontece, o HDL capta o LDL e tranporta-o até ao fígado, onde é convertido em sais biliares que são eliminados através do trato intestinal. Daí a importância da existência de bons níveis de HDL, o chamado “bom colesterol".

Baixar o colesterol

Em algumas pessoas, os níveis elevados do LDL são o reflexo directo da quantidade de gordura ingerida na alimentação, pelo que uma boa dieta é decisiva para uma boa saúde cardiovascular. Noutras pessoas, esses níveis elevados são resultado da grande quantidade do colesterol produzida pelo fígado, pelo que é necessário nesse caso recorrer a medicação apropriada. Como somos todos diferentes e não existe um meio simples de verificar como cada um reage à gordura e ao colesterol alimentares, a opção mais segura e benéfica para todos consiste em limitar o consumo de alimentos gordos. Em particular, devem ser evitados alimentos com gordura saturada, como carnes vermelhas, margarina e manteiga, e alimentos com gordura hidrogenada, como as margarinas vegetais, bolachas, bolos, etc., porque estimulam a produção de LDL no organismo.

Alimentos anti-colesterol

Fazem parte do grupo de alimentos anti-colesterol todos os que possuem quantidade consideráveis de vitamina C (quivi, citrinos, morangos, salsa, etc.), beta-caroteno (todas as frutas e legumes de polpa cor-de-laranja), vitamina E (frutos secos, nozes, sementes, grãos e gérmen trigo, azeite, etc.), coenzima Q10 (sardinha, cavala, etc.) e alimentos com alto teor de ácidos gordos monoinsaturados(azeite, banha de porco, amêndoas, abacate, etc.).

segunda-feira, 8 de dezembro de 2008

Se pisar alguém, dói


Li recentemente na revista Tabu o interessante testemunho de Luís Santos, um ex-obeso, que passo a transcrever:
"Aos 13 anos já tinha 1,78 m e pesava mais de 90 quilos. Era a delícia dos meus pais e dos meus avós eu comer (a partir dos 12 anos) em bandejas - uma bandeja para a carne ou o peixe, outra para a batata e o arroz. Achavam que estava com falta de fome quando só comia três bifes... Na nossa casa, com quatro filhos entre os oito e os quinze anos, e quatro adultos, os meus pais e avós, consumiam-se 180 carcaças por dia. Para mim era normal comer assim. Só percebi que não era quando contactei mais com outros miúdos - notei as minhas limitações e sofri um pouco na escola. Fiz desporto, mas parei quando comecei a trabalhar por turnos. Resultado: em dois anos passei dos 95/100 para os 150 quilos... E não me custava porque tinha mais de 1,90 m e estrutura física para aguentar o aumento de peso. Até aos 30 anos não me preocupei com os 50 quilos que tinha a mais. A partir dos 34 comecei a ter sustos: tensão arterial de 270/220, prestes a fazer um AVC (acidente vascular cerebral), tonturas cansaço, dores articulares, vida sexual o mais reduzida possível porque a capacidade é pouca. Tinha de entrar de lado na casa de banho do serviço; no autocarro ia de pé porque não cabia nos bancos; não havia roupa que me servisse... Há três anos , aos 39, fiz um bypass gástrico. Pesava 156 quilos, mas antes tinha chegado aos 164. Em casa como a minha mulher pôs uma banda gástrica há quatro anos, eu e os meus dois filhos fomos solidários: alterámos os hábitos alimentares. Começamos sempre a refeição pela sopa, comemos mais vegetais e peixe, a televisão fica desligada e aproveitamos aquele bocadinho para conversar. A mercearia que antes dava para um mês agora dá para três. Foi um sucesso que envolveu a família - os miúdos e até os cães estão mais magros! Como tenho menos peso mexo-me melhor, vou à rua, jogo à bola com os miúdos, passeio os cães... O meu objectivo é manter os 100 quilos, assim sinto-me confortável e não me canso com facilidade. Mas neste momento peso 108 quilos. Se pisar alguém, dói."
O mais interessante deste relato e que gostaria de realçar para exemplo de todos é que a simples mudança de hábitos alimentares é suficiente para ver o peso diminuir. Iniciar o almoço e o jantar com um prato de sopa parece um acto sem efeito, mas, na realidade, faz emagrecer. A razão é simples: o valor calórico total da refeição diminui porque um prato de sopa de legumes (sem carne), normalmente baixo em calorias, deixa-nos meio saciados, pelo que já não comemos tanto do segundo prato, que tem maior densidade calórica. Esta redução energética de forma continuada permite perder massa gorda sem passar fome e sem pensar em dietas. Experimente!

Fonte: "Tabu" de 29/11/2008

quinta-feira, 4 de dezembro de 2008

Europacolon Portugal

A Europacolon Portugal é uma associação de luta contra o cancro do intestino fundada em 2006, que faz parte da organização europeia Europacolon. O objectivo desta associação é diminuir o número de mortes por cancro colo-rectal e dar apoio aos que sofrem da doença, melhorando a sua qualidade de vida.

Informação recebida da Europacolon Portugal:

Inauguramos no nosso sítio a secção de testemunhos e convidamos todos os que nos visitam a consultá-la. O primeiro testemunho, que anexamos, é de um paciente bem sucedido na luta contra o cancro colo-rectal, que nos transmite a sua experiência pessoal e também uma mensagem de esperança e de poder acreditar que se pode vencer esta patologia.

Veja este testemunho aqui.

quarta-feira, 3 de dezembro de 2008

CHANKO-NABE: O Pequeno-Almoço dos Gigantes


O chanko-nabe é um estufado japonês de legumes variados, massa chinesa, carne de vaca, peixe ou marisco e tofu, que é servido ao pequeno-almoço dos lutadores de sumo. A alimentação destes atletas tem como objectivo principal fazê-los ganhar peso, pelo que o chako-nabe é servido em grandes quantidades e acompanhado de arroz e cerveja para aumentar, ainda mais, o valor calórico da refeição. Manda a tradição que o chanko-nabe seja preparado por lutadores juniores. Caso não satisfaça o paladar dos veteranos, estes deitam o prato e a panela fora.

quarta-feira, 26 de novembro de 2008

Obesidade no Feminino


Segundo dados da Organização Mundial de Saúde (World Health Organization, 1997), o excesso de peso e a obesidade têm aumentado muito nas últimas décadas em quase todos os países ocidentais. Em Portugal, a incidência da obesidade é actualmente estimada em 13 por cento para o sexo masculino e em 15 por cento para o sexo feminino. Prevê-se que, se nada se fizer, no ano de 2025 metade da população portuguesa venha a ser obesa.

A obesidade nas mulheres tem um impacto psicológico, físico e reprodutivo, afectando áreas específicas como fertilidade, tendência para ovário poliquístico, complicações na gravidez, influência no desenvolvimento do feto, complicações na menopausa e cancros femininos.

Dos problemas que resultam da obesidade na gravidez destacam-se a diabetes gestacional, taxas mais elevadas de abortos espontâneos, pré-eclampsia, tromboembolismo venoso, cesarianas e complicações no pós-parto.

Segundo vários estudos, o aumento do Índice de Massa Corporal (IMC) nas mulheres tem maior influência sobre o risco de contrair diabetes tipo 2 do que nos homens.

Com a idade as mulheres obesas desenvolvem frequentemente diabetes tipo 2, hipertensão arterial, dislipidemia (colesterol e/ou trigliceridos aumentados), doenças cardiovasculares, cancro e doença de Alzheimer.

Fonte: "As mulheres e a obesidade: Mais do que uma questão de cintura." Edição Abbott (2007)

domingo, 23 de novembro de 2008

Alimentação e Psoríase


A psoríase é uma doença crónica de pele que atinge um a três por cento da população mundial (cerca de 190 milhões de pessoas), estimando-se que existam em Portugal 250 mil pessoas afectadas. A doença, cuja origem é desconhecida, manifesta-se igualmente em homens e mulheres com maior incidência na faixa etária entre 20 e 40 anos; no entanto, pode surgir em qualquer idade. Fenómenos emocionais estão frequentemente relacionados com o seu aparecimento ou agravamento, actuando provavelmente actuando como factores que desencadeiam uma predisposição genética para a doença. Cerca de 30 por cento das pessoas que têm psoríase têm uma história familiar da doença.

João Cunha, presidente da Associação Portuguesa da Psoríase (PSOPortugal), defende que a alimentação é fundamental no caso destes doentes, embora não existam dietas milagrosas. Afirma que "está provado que alguns alimentos, em especial peixes gordos e óleos de peixe, naturalmente ricos em ácidos gordos polinsaturados, ajudam no alívio dos sintomas".

Diversos estudos referem ainda que alimentos como salmão, sardinhas, cenouras e brócolos, ricos em antioxidantes, betacaroteno, ácido fólico, ómega-3 e zinco, reforçam o sistema imunitário e evitam a acumulação de toxinas, ajudando no controlo efectivo da doença. Pelo contrário, o consumo de gorduras saturadas (presentes nas carnes vermelhas) e a ingestão de álcool em excesso podem levar à acumulação de toxinas e, consequentemente, a crises.

Fonte: http://noticias.pt.msn.com/
Imagem: http://www.todaysseniorsnetwork.com/eat_fish,_keep_memory.htm

sexta-feira, 21 de novembro de 2008

Projecto Lipgene - Nutrientes, Genes e Síndrome Metabólica

O Projecto Lipgene é um projecto que integra 25 centros de investigação em toda a Europa, cujo principal ponto de interesse é a interacção entre os nutrientes e o genótipo na Síndrome Metabólica (SM). O projecto intitulado "Regime Alimentar, genoma e síndrome metabólica: uma análise nutricional, agroalimentar, social e económica integrada" analisa a interacção entre os alimentos ingeridos e os genes na SM , na tentativa de inverter a vaga de obesidade e complicações associadas em todo o mundo.

No dia 5 de Dezembro haverá uma reunião do Lipgene, para profissionais de saúde e todos os que queiram actualizar conhecimentos sobre a SM, na University College Dublin, na Irlanda:
Lipgene - A Ground Breaking Project to Tackle the Burden of the Metabolic Siyndrome
Data: 5 de Dezembro de 2008
Para contacto: +44(0)2074046504 ou lipgene@nutrition.org.uk
Programa e mais informações aqui.

quarta-feira, 19 de novembro de 2008

Programa Change4Life


"Coma bem, mexa-se mais, viva mais tempo" é o lema da campanha Change4life lançada esta semana por Alan Johnson, ministro da Saúde britânico, para combater a obesidade no seu país. De facto, o número de ingleses obesos actuais e os que se prevêem para o futuro são aterradores: em 2050, 90 por cento dos adultos britânicos serão obesos e dois terços das crianças terão peso a mais ou serão obesas.

Estes números são mais do que suficientes para justificar a verba de 37 milhões de euros que Alan Johnson anunciou disponibilizar para o programa Change4life.

Do programa consta a criação de nove “cidades saudáveis”, que terão como objectivo mudar os hábitos alimentares e de actividade física dos seus habitantes
. Neste âmbito, os centros urbanos das cidades de Dudley, Halifax, Sheffield, Thetford, Middlesbrough, Manchester, Tewkesbury, Portsmouth e Tower Hamlets, em Londres, serão preparados para facilitar a deslocação das pessoas a pé ou de bicicleta; os parques serão remodelados para se tornarem autênticos centros desportivos que convidam à prática de actividade física; serão ainda criadas hortas urbanas para que as pessoas produzam os seus vegetais, sendo os inquilinos de habitação social incentivados a cultivar as suas frutas e hortaliças.

O programa
Change4life conta ainda com a colaboração de 34 empresas, entre as quais a Cadbury, a Kraft, a Nestlé, a Mars e a Coca-Cola para outras acções de combate à obesidade.
Esta parceria não deixa de ser curiosa...

Fonte: http://www.telegraph.co.uk

segunda-feira, 17 de novembro de 2008

12º Congresso Português de Obesidade

O 12º Congresso Português de Obesidade, organizado pela Sociedade Portuguesa para o Estudo da Obesidade, realizar-se-á esta semana, entre os dias 19 e 22, no Centro de Congressos de Aveiro, subordinado ao tema "Obesidade: velhos problemas, novas pontes".

Para além das conferências plenárias, simpósios, comunicações orais, posteres e cursos práticos, no sábado decorrerá, de forma inédita, entre as 14 h as 17:30 h uma sessão aberta ao público com os seguintes temas e respectivos intervenientes:

Obeso sofre! Que riscos corro por ser obeso? João Jácome de Castro
Engordo quando paro de fumar? Flora Correia
A responsabilidade de ser obeso. Eu ou o sistema? Fernando Baptista
Obesidade Infantil. Responsabilidade dos pais ou da escola? Helena Fonseca
Se for operado resolvo o problema? Carlos Oliveira
Que modalidades de exercício físico devo escolher? Themudo Barata

Ver o programa aqui.

sábado, 15 de novembro de 2008

Os hábitos alimentares de Maria de Jesus


Ainda a propósito de pessoas supercentenárias, isto, é pessoas com mais de 110 anos. Madalena de Jesus, 84 anos, a filha de Maria de Jesus, 115 anos, a portuguesa mais velha e a segunda pessoa mais velha do mundo, revelou há anos à agência Lusa o segredo da longevidade da mãe:

"O doce preferido da mãe é o arroz-doce e os gelados, e escolhe o peixe e legumes em vez de carne. Além disso, nunca bebeu café, nunca fumou e nem bebeu bebidas alcoólicas."

sexta-feira, 14 de novembro de 2008

CAFÉ e SAÚDE

Tomar café todos os dias pode ser um bom meio de prevenir algumas doenças neurodegenerativas. A cafeína, um dos principais componentes do café, é a substância farmacológica psicoactiva mais consumida do mundo. Esta acção psicoactiva estimuladora do sistema nervoso central de que resultam estádios de alerta e excitação é muito útil para realizar trabalhos que requerem rapidez, atenção e memória. É com base na premissa de que o café aumenta a memória que decorrem em todo o mundo investigações sobre o impacto do seu consumo regular na perda de memória associada à doença de Alzheimer ou à demência em pessoas idosas. No caso da doença de Parkinson, também uma doença neurodegenerativa, já está provado que existe uma relação inversa entre o consumo de cafeína e a incidência da patologia.

Apesar das características profilácticas do café, este não deve ser consumido por pessoas hiperactivas, com problemas cardíacos ou de sono, para que não sintam excitabilidade para além da desejada.


A título de curiosidade saiba quais são os teores médios de cafeína no café que se vende em Portugal. A avaliação foi efectuada no Laboratório de Bromatologia da Faculdade de Farmácia da Universidade do Porto em 2008.

Teor médio de cafeína (mg)


Café curto 62

Café normal 72

Café cheio 88


Para mais conhecimentos sobre o café visite o sítio Café e Saúde.

segunda-feira, 10 de novembro de 2008

O SEGREDO DE ANN NIXON COOPER


Atlanta não é só a cidade da Coca Cola e da CNN. É também a cidade de Martin Luther King e de uma importante comunidade negra. Talvez tenha sido por isso que o presidente eleito dos Estados Unidos Barack Obama, no seu discurso da vitória em Chicago, tenha escolhido a Senhora Dona Ann Nixon Cooper, 106 anos (nasceu a 9 de Janeiro de 1902 em Shelbyville no Tennessee), como símbolo do século americano, um século que viu, ainda que lentamente e a custo, a segregação racial ser vencida. Filha de escravos, só em 1965, já depois do famoso discurso de "I have a Dream" de Luther King, Ann Cooper, então com 63 anos, pôde votar. Passados 43 anos não só pôde votar como pôde votar, na companhia dos repórteres da CNN, no candidato negro vencedor.

Cento e seis anos é uma bonita idade. Mas o exemplo de Ann Cooper e de muitos outros mostra que não é impossível chegar lá. É até cada vez mais possível chegar lá. As mulheres têm maior probabilidade do que os homens: nos 89 supercentenários (pessoas com mais de 110 anos) em todo o mundo 79 são mulheres e só 10 são homens (já agora, a segunda pessoa mais velha do mundo e a pessoa mais velha da Europa é uma mulher portuguesa, Maria de Jesus, moradora em Corujo, Tomar, com a muito bonita idade de 115 anos). Como que a dar razão às estatísticas, o marido de Ann Cooper morreu há muito, com 68 anos.

Qual é o segredo da longevidade de Ann Cooper na sua longa vida na terra da Coca Cola? Não, essa bebida não é o elixir da longa vida. A CNN perguntou-lhe e ela respondeu, com desconcertante simplicidade, que o segredo da longa vida era a alegria de viver:
"I don't know how it happened, but being cheerful had a lot to do with it. I've always been a happy person, a giggling person -- a wide-mouthed person!"
Viver alegre é viver bem até aos 100 e depois disso...

O Ministério da Comida

O "Ministério da Comida" é um projecto de luta contra a obesidade lançado pelo chef britânico Jamie Oliver (na imagem) na tentativa de salvar os seus compatriotas daquilo que vê como uma das maiores ameaças à saúde pública das últimas décadas. Para este chef o problema dos ingleses é simplesmente não saberem cozinhar, pelo que criou um novo movimento alimentar a que chamou "Pass it on". A ideia baseia-se no esquema da pirâmide : cada oito pessoas que aprenderem a cozinhar ensinam outras oito e assim sucessivamente. Passam receitas umas às outras até serem todos cozinheiros de qualidade razoável.


O nome do programa é uma referência ao Ministério da Comida criado durante a segunda guerra mundial para ajudar as famílias britânicas a comer o melhor possível, apesar do racionamento de comida. Actualmente não há racionamento, mas é preciso ensinar a comer e a cozinhar: "...choca-me ver uma geração de jovens pais que não sabem cozinhar. Neste que é o quinto país mais rico do mundo há uma pobreza como nunca vi antes. Não tem a ver com os ténis novos, telemóveis ou ecrãs de plasma - eles têm isso tudo. É a pobreza de serem incapazes de alimentar a família."
Oliver abriu em Rotherham o primeiro centro alimentar, um local onde as pessoas podem ir aprender os princípios básicos de culinária, pedir receitas, comprar ingredientes e, sobretudo, aprender a comer bem com pouco dinheiro.

Jamie Oliver faz programas de televisão desde 1998 (os programas em Portugal passam na SIC mulher) e tem livros publicados em 54 países, incluindo Portugal , onde sai este mês "Jamie Oliver Regressa à Cozinha", editora Civilização.

Fonte:P2, 08.Nov.2008

quinta-feira, 6 de novembro de 2008

Que Comemos?

Como não há duas sem três, divulgo mais um livro sobre alimentação que acaba de sair, uma vez mais, pela mão da Editora da Universidade do Porto. Trata-se do livro "Que comemos?" da autoria de Pere Puigdomènech que é uma tradução do original catalão "¿Qué comemos?"

O autor, Pere Puigdomènech, nasceu na cidade de Barcelona em 1948. É licenciado em Ciências Físicas e doutor em Ciências Biológicas. Trabalhou em laboratórios de França, de Inglaterra e da Alemanha. Actualmente, é professor de Investigação no Instituto de Biologia Molecular de Barcelona (CSIC) e director do Laboratório de Genética Molecular Vegetal (CSIC-IRTA). O seu trabalho de investigação centra-se na Biologia Molecular de Plantas. Publicou mais de cento e cinquenta artigos de investigação em revistas científicas, mais de trezentos artigos de divulgação e política científica e também uma novela e um livro de contos sobre temas científicos.

A apresentação do livro, com a presença do autor, terá lugar no próximo dia 14 de Novembro de 2008, às 18h30, na loja Fnac da Rua de Stª Catarina, no Porto. A obra será apresentada por Maria Daniel Vaz de Almeida, docente da Faculdade de Ciências da Nutrição e Alimentação da Universidade do Porto.

terça-feira, 4 de novembro de 2008

A SENHORA LEPTINA

Como estudei Nutrição na Universidade do Porto, espero que não me levem a mal referir aqui outro livro publicado pela Editora da Universidade do Porto. O autor é Rui Fontes, professor associado de Bioquímica na Faculdade de Medicina do Porto, e o título é "Entrevistas com a Senhora Leptina". Fez os desenhos deste livro saído em 2006 José Salgado, docente na Faculdade de Arquitectura daquela Universidade. Para quem não saiba o que é a leptina, o sítio da editora (onde o livro pode ser adquirido apenas por cinco euros) esclarece em poucas palavras:
"A Leptina, uma hormona sintetizada no tecido adiposo dos mamíferos que foi descoberta em 1994 e que tem um papel importante na regulação do apetite, é a personagem entrevistada nesta obra.
Numa altura em que tanto se fala de obesidade como factor de risco nas múltiplas doenças e a sua alta incidência em Portugal, este livro pretende dar a conhecer ao leitor alguns aspectos do conhecimento científico actual em áreas relacionadas com o controlo do apetite e a obesidade"
O livro consiste de entrevistas fictícias feitas por um jovem de 16 anos da Escola Secundária Augusto Nobre em Matosinhos à própria hormona (refiro a propósito que ainda, há duas semanas, a revista "Science" tinha um artigo de capa - estavam umas apetitosas tortas na capa, fechadas num armário - sobre a relação entre uma outra hormona, a dopamina, e a obesidade). As entrevistas (pode lê-las aqui e aqui) são escritas de uma forma bastante simples para que qualquer jovem as perceba. Não é de estranhar que o autor tenha estudado nessa mesma escola em Matosinhos, terra aliás onde nasceu. E adivinham qual é o seu clube? O clube de Matosinhos, o Leixões, que vai, pelo menos por agora, e decerto também devido à boa alimentação dos seus atletas (bom peixe, adivinho eu), à frente do campeonato português de futebol...

segunda-feira, 3 de novembro de 2008

O SENTIDO DO GOSTO


Hoje, segunda-feira, sai com o "Público", por 9, 99 Euros, mais um DVD com alguns episódios da série da RTP "O Sentido do Gosto", de José Bento dos Santos. O autor, engenheiro-químico, gestor, proprietário de uma quinta de vinhos, gastrónomo, autor de livros e de programas de televisão (já tinha feito uma série sobre vinhos para a SIC), consegue nesta série juntar de uma maneira que seduz e educa o espectador temas de história da alimentação, culinária, nutricionismo, etc. a propósito de vários alimentos.

Cada programa tem como convidado uma personalidade pública. No DVD distribuído com o "Público" da semana passada, a convidada no programa sobre chocolate (há também programas sobra o arroz, o pão e a batata), foi a apresentadora Sílvia Alberto (na figura com José Bento dos Santos). Este programa conta as origens e a história do cacau, ensina a fazer uma musse de chocolate sem manteiga nem ovos e critica as dietas de "restrição cognitiva", dizendo que é saudável comer um pequeno pedaço de chocolate, em vez de evitar a todo o custo essa tentação para a seguir ficar descompensado.

No DVD de hoje aparecem os programas sobre sopa, bacalhau, sal e legumes.

sexta-feira, 31 de outubro de 2008

CULINÁRIA E COLESTEROL

O bem conhecido "chef" Hélio Loureiro, responsável pela nutrição dos jogadores da selecção nacional de futebol, é autor de uma série de livros publicados pela Texto Editores sobre culinária saudável: "Cozinha Saudável para um Coração Forte", "Cozinha Saudável para Anti-envelhecimento" e "Cozinha Saudável para Crianças e Jovens". Acaba de sair na mesma editora mais um volume dessa interessante série: "Cozinha Saudável... Colesterol".

O autor, que escreveu também obras como "À mesa com a nossa selecção" (Bertrand) e "O Cozinheiro de D. João VI" (romance na Esfera dos Livros), propõe agora várias receitas que têm em particular atenção a redução das lipoproteínas de baixa densidade (LDL), que transportam o colesterol no sangue (na figura a molécula de colesterol), e que têm comprovados efeitos na incidência de doenças cardiovasculares.

quinta-feira, 30 de outubro de 2008

MANOEL DE OLIVEIRA - O Cineasta mais velho do mundo


Não é só a cientista italiana Rita Levi Montalcini que tem comido bem até aos cem... Antes dela fazer cem anos em Abril do próximo ano, vai ficar centenário já a 12 de Dezembro o cineasta português, natural do Porto, Manoel de Oliveira. O seu primeiro filme, "Douro ou a Faina Fluvial" data de 1931. E o mestre, ao fim de mais de 30 filmes, continua a sua brilhante actividade cinematográfica, pois essa é a sua maneira de se manter jovem. Ouçamo-lo em dois excertos de uma entrevista ao "Diário de Notícias":

«Sinto cansaço de fazer a barba todos os dias, de levantar, vestir, tomar banho, pequeno-almoço, comer, mastigar, engolir. Tudo isso, essas coisinhas fáceis e corriqueiras mas que são sempre as mesmas. É sempre a mesma coisa, a mesma ordem, ver a televisão. Tudo isso é uma chatice». (...)

«A única coisa que me consola e onde eu posso descansar, verdadeiramente descansar, é quando estou a realizar um filme. Nem quando estou a escrever fico animado, se vem a ideia, tudo bem, mas se não vem, fico muito inquieto. Depois, quando vem a ideia, é-se feliz e escreve-se, mas é enquanto realizo que sinto a paz e o sossego. Esqueço que tenho de me levantar cedo, esqueço-me de comer, esquece-me tudo, e estou ali».

terça-feira, 28 de outubro de 2008

VINHO, GASTRONOMIA E SAÚDE

Informação recebida da Universidade do Porto:

"Vinho, Gastronomia e Saúde"
, da autoria de C. Hipólito-Reis, título editado pela Editora da Universidade do Porto, vai ser apresentado ao público hoje (28 de Outubro), às 18h00, no Salão Nobre da Reitoria da Universidade do Porto, sita na Praça Gomes Teixeira (Porto). A apresentação da obra será feita por Daniel Serrão, conceituado médico, professor e investigador.

C. Hipólito-Reis analisa nesta obra as inter-relações do vinho, da gastronomia e da saúde, encarando-as como um conjunto sistémico de complementaridades em que os três elementos se relacionam em harmonia.

Cândido Hipólito-Reis é professor jubilado de Bioquímica da Faculdade de Medicina da Universidade do Porto. Interessa-se de modo especial pelo metabolismo e sua regulação e, correlativamente, pela nutrição e alimentação. Tendo sido solicitado para proferir diversas comunicações sobre aspectos biomédicos, médicos e antropológicos da utilização das bebidas alcoólicas, aí encontrou a motivação para escrever esta obra.

A entrada na sessão de apresentação da obra é livre.

Editora UP
Colecção: Série Do Saber, 6
Data de edição: Julho 2008
Nº de páginas: 460
ISBN: 978-972-8025-80-9
Preço: 35,00€
Tema: Alimentação, Medicina, Antropologia

Do prefácio do livro: «A certeza de que a vida, a sua duração e qualidade, e a saúde, em termos gerais, dependem da alimentação, o conhecimento da espantosa excelência de, pelo menos, uma certa gastronomia, dita mediterrânica, grega ou cretense, em que o vinho tem a sua parte, e a descoberta dos valores simbólicos desta actividade humana (…), abriram perspectivas novas numa área do saber humano em que a dada altura, cientificamente, tanto se empolou a alimentação racional e ao mesmo tempo, inapelavelmente, se condenava o vinho como droga geradora de desgraças orgânicas, comportamentais e comunitárias…»

segunda-feira, 27 de outubro de 2008

RITA LEVI MONTALCINI - A Laureada Nobel Mais Velha do Mundo


Rita Levi Montalcini, que fará 100 anos em Abril, é a laureada com o Prémio Nobel mais velha do mundo. A investigadora italiana na área das neurociências recebeu em 1986, juntamente com o seu colega americano Stanley Cohen, o Prémio Nobel da Medicina pela descoberta do factor de crescimento das células nervosas, o Nerve Growth Factor (NGF). Os conhecimentos sobre o NGF têm ajudado a encontrar novos tratamentos do cancro, Alzheimer, Parkinson e demência senil. Hoje sabe-se que o NGF intervém em inúmeros processos fisiológicos vitais, pelo que Levi Montalcini afirmou recentemente: "O NGF pode ser uma espécie de maestro na orquestra do organismo".

Transcrevo um excerto de uma entrevista em que ela explica como chegar aos 100 anos com um cérebro de 20:

"- Como vai celebrar os seus 100 anos?

- Ah, não sei se viverei até lá, e, além disso, não gosto de celebrações. No que eu estou interessada e gosto é do que eu faço todos os dias!

- E o que é que faz?

- Trabalho para dar bolsas de estudos a meninas africanas para que estudem e prosperem ... elas e os seus países. E continuo a investigar, continuo a pensar.

- E como é que está o seu cérebro?

-Igual a quando eu tinha 20 anos! Não noto diferença em ilusões nem em capacidades.

- Mas terá algum limite genético?

- Não, o meu cérebro vai ter um século, mas não conhece a senilidade... O corpo enruga-se, não posso evitar, mas o cérebro não!

- Como é que faz isso?

- Temos grande elasticidade neurológica. Mesmo quando morrem neurónios, os que restam reorganizam-se para assegurar as mesmas funções, mas para isso é conveniente estimulá-los!

- Como posso estimular o meu cérebro?

- Mantenha-o com ilusões e activo. Faça-o trabalhar e ele nunca se degenera.

- E viverei mais anos?

- Viverá melhor os anos que viver, é isso que é interessante. A chave é manter a curiosidade, o empenho, ter paixões....

- A sua paixão foi a investigação científica?

- Sim, e continua a ser.

- Existem diferenças entre os cérebros do homem e da mulher?

- Só nas funções cerebrais relacionadas com as emoções, vinculadas ao sistema endócrino. Mas quanto às funções cognitivas, não há diferença nenhuma.

- Nunca se casou nem teve filhos...

- Não. Entrei no campo do sistema nervoso e fiquei tão fascinada pela sua beleza que decidi dedicar-lhe todo o meu tempo, a minha vida!

- Qual é hoje o seu grande sonho?

- Que um dia logremos utilizar ao máximo a capacidade cognitiva dos nossos cérebros."
Assim seja! Este testemunho dito e vivido por esta especialista em sistema nervoso não pode deixar ninguém indiferente. Para saber mais sobre a vida desta interessante cientista, incluindo os hábitos alimentares frugais, à base de peixe e legumes, veja este artigo publicado no sítio da revista brasileira "Superinteressante".

sexta-feira, 24 de outubro de 2008

OFICINA DA SOPA NA FCNAUP


Informação recebida da Faculdade de Ciências da Nutrição e Alimentação da Universidade do Porto (FCNAUP):

Qual a importância da sopa para uma alimentação equilibrada? Como fazer uma sopa saudável? Que ingredientes se podem, ou não, utilizar?

Já se encontram abertas as inscrições para a "Oficina da Sopa", uma iniciativa promovida pela Faculdade de Ciências da Nutrição (FCNAUP), onde vai poder colocar estas e outras perguntas relacionadas com Sopa.

Cada oficina vai englobar uma componente teórica que durará cerca de 30 minutos. Depois de perceberem o valor nutricional da sopa e a sua relação com a saúde, os participantes seguem então para a cozinha experimental da FCNAUP, onde irão confeccionar algumas receitas saudáveis de sopas tradicionais portuguesas.

A primeira "Oficina da Sopa" (6 de Novembro, quinta-feira) vai ter lugar das 17h30 às 20h00. Já a segunda edição (15 de Novembro, sábado) decorrerá entre as 11h00 e as 13h30.

As inscrições deverão ser feitas por e-mail, para patriciapadrao@fcna.up.pt e têm um custo de 15 euros por pessoa.

Esta iniciativa, promovida pela FCNAUP, encontra-se inserida na homenagem que a Universidade presta, em 2008, a Emílio Peres, o "pai da Nutrição em Portugal". TR/REIT

quarta-feira, 22 de outubro de 2008

TRANFERÊNCIA DE PESO



A propósito do "post" recente sobre "Abundância e Fome", Susana Rosa, do Instituto Superior das Ciências do Trabalho e da Empresa, é uma das impulsionadoras do programa "Transferência de Peso", que consiste no apelo à consciência social das empresas para que transfiram, através de uma ONG, para países onde existem problemas de subnutrição, o peso a mais que os seus empregados eventualmente tenham, traduzido em euros. Ora aqui está uma ideia que parece tão curiosa como útil!

Para mais informações sobre o programa consulte o site http://www.transferenciadepeso.com/

segunda-feira, 20 de outubro de 2008

A carne de vaca e o cancro do cólon


O médico alemão Harals zur Hausen, virologista que recentemente foi laureado com o prémio Nobel da Medicina ou Fisiologia pelos seus trabalhos relativos ao cancro do colo do útero deu ao semanário alemão "Der Spiegel" uma interessante entrevista, publicada no número de 13 de Outubro, em que alerta para o risco cancerígeno da carne de vaca mal passada. O melhor é escutá-lo:

"Spiegel - Na Alemanha os cancros mais mortais são os do pulmão, mama, cólon e próstata. Vê aí também a acção de um vírus?

Zur Hausen - Existe uma boa probabilidade que muitos destes cancros tenham relação com vírus.

Spiegel- Todos estes cancros são, segundo os investigadores, atribuídos a alterações genéticas. Onde é que vê aqui indícios da acção dos vírus?

Zur Hausen- Tome o caso do cancro do cólon. Sabemos, a partir de dados epidemiológicos, que o seu aparecimento parece ter a ver com o consumo de carne vermelha e com os seus métodos de preparação. Se consumir muita carne de vaca mal passada, terá aí um factor de risco.

Spiegel- No entanto, é um risco que muitos não atribuem a vírus, mas sim ao processo de preparação, uma vez que se formam substâncias cancerígenas.

Zur Hausen - Desculpe. Como virologista tenho uma visão diferente. As mesmas substâncias aparecem na preparação, por exemplo, de carne de frango - mas nesta não parece ocorrer um risco acrescido de cancro.

Spiegel - Ah sim?

Zur Hausen - Na preparação da carne de vaca, há agora uma moda de deixar a carne mal passada. No interior de um bife grelhado mal passado a temperatura é, no máximo, de 60 graus. Ora eu sei dos meus estudos do vírus do papiloma que estes conseguem aguentar temperaturas de 80 graus. Os vírus polioma que provocam o cancro, por exemplo, poderão sobreviver sem problemas ao processo de confecção e de aquecimento, daí a relação.

Der Spiegel- Acredita então que na carne de vaca há vírus cancerígenos?

Zur Hausen - É perfeitamente possível. Vírus hospedados em animais frequentemente não infectam os humanos. Não se podem multiplicar no corpo humano, mas podem deslocar genes nas células humanas. Isto, juntamente com modificações genéticas, pode levar à transformação numa célula cancerosa.

Der Spiegel - Mas acha que esse perigo é mesmo sério? Suficientemente sério para passar bem os bifes que come?

Zur Hausen - É isso mesmo que faço. Desenvolvi uma certa rejeição a carne mal passada. Para o "carpaccio" não tenho apetite nenhum..

Der Spiegel- E com sushi?

Zur Hausen - Nesse caso não há problema. Os vírus do peixe crú não nos fazem mal, pois do ponto de vista evolutivo estão muito distantes de nós.

quinta-feira, 16 de outubro de 2008

FOME E ABUNDÂNCIA


O meu artigo sobre o Dia Mundial da Alimentação publicado hoje no Diário de Coimbra:

O Dia Mundial da Alimentação serve para lembrar a toda a humanidade a difícil situação que enfrenta quem passa fome e está desnutrido, convocando toda a gente para a luta contra a fome. O tema escolhido este ano - “A Segurança Alimentar Mundial: os Desafios da Mudança Climática e a Bioenergia” - reflecte as três grandes crises que o mundo enfrenta actualmente e que estão interligadas: os alimentos, o clima e a energia.

Segundo dados da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e Agricultura (FAO), de Setembro de 2008, o número de pessoas com fome subiu, em 2007, de 850 milhões para 925 milhões, por causa da subida dos preços dos alimentos. De facto, se em 2006 esses preços aumentaram 12 por cento, em 2007 aumentaram de 24 por cento e só durante os primeiros sete meses do corrente ano já subiram 50 por cento. Os biocombustíveis explicam, em parte, esta subida desenfreada dos preços dos bens alimentares assim como a coexistência paradoxal entre os valores máximos da fome e a maior produção mundial de alimentos na história da humanidade. O Banco Mundial e a Organização das Nações Unidas advertiram em Julho, durante a reunião do G8 (grupo dos sete países mais industrializados do mundo mais a Rússia), que a subida dos preços dos alimentos ameaça inverter todos os avanços no desenvolvimento global e lançar cem milhões de pessoas, por todo o planeta, em níveis abaixo da linha de pobreza.

Não deixa de ser estranho que, a par com a fome e desnutrição, o mundo enfrente o problema da obesidade e das doenças que lhe estão associadas como a diabetes, a hipertensão, doenças cardíacas, dificuldades respiratórias, depressão, infertilidade, etc. Ao contrário do que se pensa, a obesidade não é uma doença exclusiva dos países ricos, ela existe e tem aumentado em países em que a subnutrição é crónica em virtude da adopção de novos hábitos alimentares com base em refeições rápidas, baratas e cheias de gordura e açúcar. Veja–se o caso da Índia, que, no espaço de uma década, chegou à maior concentração de diabéticos do mundo.

Entre nós os números da obesidade não são nada animadores, temendo-se que aumentem muito nas próximas décadas. A incidência de obesidade em Portugal é estimada em 13 por cento para o sexo masculino e em 15 por cento para o sexo feminino. Prevê-se que, se nada se fizer, no ano de 2025 metade da população portuguesa seja obesa.
Na era da globalização 900 milhões de pessoas em todo o mundo são subnutridas por não disporem do mínimo para se alimentar, mas, ao mesmo tempo, o mundo tem mais de mil milhões de supernutridos. Hoje, Dia Mundial da Alimentação, é preciso lembrar isto!

Imagem:http://jovens-e-missao.blogspot.com/2007_05_01_archive.html

terça-feira, 14 de outubro de 2008

UMA HISTÓRIA SABOROSA DO MUNDO

«Sabia que:
- A pimenta já valeu mais do que o seu peso em ouro - O açúcar é o alimento que mais se vende no mundo - Winston Churchill declarou, em 1942, que o chá valia mais que as munições para as suas tropas - A produção de queijo começou no Irão há 6000 anos - Todas as cidades da América já tinham restaurantes chineses em 1880»

Não sabia? Pois estas e muitas outras curiosidades encontram-se no livro de Kenneth Kiple, "Uma história saborosa do mundo. Dez milénios de globalização alimentar", que a Casa das Letras acaba de publicar entre nós. Não demorou muito a aparecer a tradução portuguesa pois o original inglês, da Cambridge University Press, é do ano passado.

O autor, historiador, mostra neste livro um grande domínio da história da alimentação em todo o mundo. Portugal tem um grande número de entradas no índice, dado o papel que o nosso país teve na época dos Descobrimentos em trazer para a Europa novos produtos alimentares.

Uma leitura fascinante para melhor compreendermos um mundo onde a fartura coexiste com a fome...

sexta-feira, 10 de outubro de 2008

AZEITE AJUDA A CONTROLAR O APETITE


Um estudo recentemente publicado na revista Cell Metabolism mostra que o consumo regular de azeite faz emagrecer, porque prolonga a saciedade aumentando o tempo entre refeições. Uma equipa de investigadores das Universidades da Califórnia, de Yeshiva (Nova Iorque), nos EUA, e de Roma (Itália), liderada por Daniele Piomelli, mostraram que este efeito é devido à presença de ácido oleico. Este chega ao intestino delgado e entra nas células que o revestem por meio de um transportador chamado CD36, convertendo-se em oleiletanolamida (OEA). A OEA é transportada até ao cérebro para entrar num mecanismo natural de controle de saciedade ao nível do sistema nervoso central.

Estudos anteriores tinham já mostrado que o OEA contribui para reduzir o peso, assim como os níveis de colesterol e os triglicerídos no sangue dos animais, já que o seu consumo reduz a frequência das refeições.

Segundo os cientistas, seria possível desenvolver estratégias tanto nutricionais como farmacológicas para reforçar esse dispositivo de controlo do apetite em casos de obesidade ou noutros tipos de desordem alimentar.

quarta-feira, 8 de outubro de 2008

MANDOMETER: Um aparelho para emagrecer

Um aparelho usado pelo Bristol Royal Hospital for Children, na Grã-Bretanha, está a ajudar os adolescentes a perder peso, fzendo simplesmente com que eles comam mais devagar. O Mandometer é um computador ligado a uma balança que pesa a refeição do adolescente e calcula a velocidade com que ele come. Quando a comida desaparece do prato muito rapidamente, a máquina dá o alerta.

Segundo os médicos, alguns jovens comem com tanta ansiedade que os seus cérebros não têm tempo de perceber quando estão satisfeitos. "Eu costumava comer muito, muito rápido. Chegava a comer uma grande refeição em apenas três minutos. Agora, demoro mais ou menos 16 minutos", diz Laurence Willshire, 17 anos, um dos pacientes do Hospital.

"O Mandometer faz-me perguntas quando estou a comer, como por exemplo, se já estou cheio ou se ainda tenho fome. Ele diz-me quando posso comer a minha próxima garfada e avisa se estou a comer rápido demais." Laurence é um dos 120 adolescentes que participa nos testes com o Mandometer em Bristol.

Apesar de ser alto (1,82 m=, Laurence chegou a pesar 133 kg e estava a ter dificuldades em encontrar roupa que lhe servisse. Foi nessa altura que procurou ajuda no hospital de Bristol. Actualmente já conseguiu emagrecer 26 kg, tendo como objectivo chegar aos 95 kg.

O aparelho foi originalmente criado na Suécia para encorajar as doentes anoréxicas a comer mais e de forma mais rápida. A versão para ajudar no emagrecimento, que se trata de uma adaptação está a ser usada em conjunto com dieta e exercício físico num programa do referido hospital britânico. 83% dos pacientes tratados na clínica conseguiram reduzir seu índice de massa corporal.

"A obesidade é uma grande ameaça às nossas crianças e precisamos de fazer tudo o que estiver ao nosso alcance para evitar que elas se tornem adultos obesos", disse Julian Hamilton Shields, o pediatra responsável pelo novo processo de tratamento.

Fonte: BBC Brasil

segunda-feira, 6 de outubro de 2008

PRÉMIO IgNOBEL DA NUTRIÇÃO

O Prémio IgNobel, uma sátira do prémio Nobel, é entregue no Outono aos pesquisadores que fizerem as descobertas científicas mais estranhas do ano. Os prémios, criados pela revista de humor científico Annals of Improbable Research, são atribuídos para "honrar estudos e experiências que primeiro fazem rir as pessoas, e depois pensar. A ideia é premiar pesquisas raras, honrar a imaginação, e atrair o interesse do público pela ciência, medicina e tecnologia."
Foram entregues pela primeira vez em Harvard em 1991, sendo a cerimónia abrilhantada com a presença de verdadeiros laureados com o prémio Nobel, que entregam o respectivo Prémio IgNobel ao vencedor.
A estatueta do IgNobel da Nutrição foi este ano para Massimiliano Zampini, da Universidade de Trento (Itália), e Charles Spence, de Oxford (Grã-Bretanha), por "terem modificado eletronicamente o ruído de uma batata frita para enganar quem a consome, fazendo pensar que é mais crocante e fresca do que parece".

sexta-feira, 3 de outubro de 2008

GOLFINHOS EM DIETA E EXERCÍCIO FÍSICO


Primeiro os macacos e agora os golfinhos...
Dezanove golfinhos do parque aquático Kinosaki Marine World - em Toyooka, no Japão - entraram em dieta rigorosa após os tratadores terem verificado que os cetáceos tinham barriga e não conseguiam atingir os alvos colocados por cima da piscina. "Ficámos intrigados pela degradação do seu desempenho e reparámos que tinham um ar mais rechonchudo", disse ao diário britânico Guardian um porta-voz do parque. Pesaram-nos e todos tinham engordado.
Pelo sim pelo não, reduziram-lhes a ração de peixe e intensificaram a actividade física.

Fonte: Jornal O Público de 02.10.2008

quinta-feira, 2 de outubro de 2008

EM PORTUGAL NÃO SE COME MAL

Miguel Esteves Cardoso está de volta com o livro Em Portugal não se come mal, Assírio e Alvim (Agosto,2008). São crónicas gastronómicas em que o autor lamenta as modificações que a gastronomia tradicional portuguesa tem sofrido depois que entrou na União Europeia (UE).

«Sub-repticiamente, sem notícia nem protesto, vão desaparecendo da mesa portuguesa iguarias essenciais - algumas por causas naturais, porventura inevitáveis, mas outras por determinação burocrática, assentes na dupla-prensa com que presentemente nos comprimem os testículos e ovários e oprimem as papilas e as barriguinhas.
Um dos pesos deste instrumento da tortura gastronómica vem da empedernida pedreira de Bruxelas; a outra do férreo fascismo da mania higieno-sanitária que nos quer todos magros, altos e activos quando todo o enorme esforço civilizacional de milénios vai na direcção contrária.»


Estas crónicas cheias de humor , fazem com que eu não resista a transcrever mais alguns excertos. A propósito do que as recomendações da UE sobre toxicidade fizeram com o típico arroz de forno do Norte:

«No Porto, procurando-se o sublime arrozinho de forno, tradicionalmemnte confeccionado em tachinhos de barro, encontrar-se-á, em vez do dito arrozinho, uma longa explicação acerca do conteúdo de chumbo que há no barro e na maneira terrível como nos envenena, apesar de séculos de alegre sobrevivência.
A toxicidade terá sido descoberta por impolutos cientistas britânicos em laboratórios impecáveis. Sim, sim, apetece responder, mas quantos arrozinhos no forno comeram desde miúdos? Ou arrozes de miúdos? Ou alguma comida que preste? Meu Deus, essa gentinha apanharia cancro se comesse um brócolo nascido ao sol.»


E do capítulo "Mediterrâneo, o tanas!":
«A nossa culinária piscícola nasce por duas razões: uma mediterrânica; a outra atlântica. A mediterrânica - como a maravilhosa sopa de cação - surge por ser difícil arranjar peixe fresco (e bom) longe do litoral.
Essa é menos original e menos portuguesa e, nessa matéria, somos muito menos jeitosos que espanhóis e franceses do Sul - embora melhores do que os italianos que, sicilianos à parte, não sabem mesmo o que fazer ao peixe, benza-os Deus.
A razão atlântica é a mais luxuosa e portuguesa: é uma culinária que nasce do tédio. Era tanta a fartura de peixe e mariscos que começam a arranjar-se maneiras engenhosas de continuar a aturar as amêijoas, a pescada; as lulas; as sardinhas; até as lagostas! Mas a prova que nunca nos fartámos assim muito (acho que o português, mesmo pescador, nunca se fartou de peixinho) é que somos igualados ou suplantados em matéria de invenção culinária pelos povos atlânticos nossos irmãos e congéneres: os galegos; os asturianos; os bascos; os bretões...
Não me venham é dizer, por muito que se goste de Barcelona; da cozinha provençal; italiana ou até grega; que temos uma cozinha mediterrânica.
Não temos. O Mediterrâneo é que tem características que são comuns ao Sul continental e interior da Europa. Não tem nada a ver com o mar. E a parte beira-mar é inteiramente diferente da parte beira-oceano.
O Mediterrâneo é uma vasta latrina poluída e fechada sobre o qual urgiria, de uma vez por todas, puxar o autoclismo e começar de novo.
Isto é; se não se soubesse por onde forçosamente se daria a descarga: pobre Algarve! »


Penso que já dá para abrir o apetite. Leiam e divirtam-se!

terça-feira, 30 de setembro de 2008

PARLAMENTO EUROPEU NA LUTA CONTRA A OBESIDADE


A Sessão Plenária do Parlamento Europeu do passado dia 25 aprovou um relatório sobre o combate à obesidade. Entre as principais medidas propostas destacam-se a proibição da venda nas escolas de alimentos e bebidas com elevado teor de gordura, açúcar e sal, distribuição de fruta nas escolas promovida pela UE, obrigatoriedade de dedicar três horas semanais do horário escolar às actividades físicas, restrições à publicidade de alimentos não saudáveis dirigida a crianças e IVA inferior a 5% para frutas e legumes.

Actualmente na União Europeia existem cerca de cinco milhões de crianças obesas e 22 milhões com excesso de peso pelo que estas medidas são benvindas e só pecam por tardias.

Fonte: www.agencialusa.com.br

segunda-feira, 29 de setembro de 2008

UM QUADRADO DE CHOCOLATE NEGRO...

Diversos estudos têm demonstrado os benefícios cardioprotectores do chocolate negro, mas há pouca noção de quanto chocolate se pode comer para se usufruir dessa protecção cardiovascular. Na última edição da revista The Journal of Nutrition vem publicado mais um trabalho, realizado em Itália, que confirma a acção antiinflamatória que é atribuída aos flavonóides presentes no chocolate negro. De acordo com os investigadores, a quantidade ideal de chocolate negro para prevenir a inflamação associada à doença cardiovascular é de cerca de 7 gramas, que correspondem a um quadrado por dia (ou 20 gramas de três em três dias).
Os investigadores avaliaram a associação entre o consumo de chocolate negro e os níveis plasmáticos de proteína C reactiva (PCR), um marcador inflamatório, e verificaram que os níveis de PCR eram significativamente mais baixos nos indivíduos que consumiam cerca de 20 gramas de chocolate negro a cada três dias, quando comparados com os que não comiam nenhum ou com os que comiam uma quantidade maior.

Não é demais lembrar que o chocolate negro, como qualquer chocolate, é rico em gordura, açúcar e calorias, ou seja, engorda! Se não consegue ficar só por um quadradinho, o melhor é optar por outros alimentos com flavonóides como as uvas pretas e o chá verde.

quinta-feira, 25 de setembro de 2008

MULHERES HIPERTENSAS TÊM MAIOR RISCO DE DIABETES

As mulheres hipertensas têm um risco de desenvolver diabetes três vezes superior ao das mulheres com pressão arterial dentro dos valores normais.Num estudo realizado nos Estados Unidos, os investigadores concluiram que a associação entre estas duas doenças é independente do facto de as mulheres terem ou não peso a mais.

Até aqui sabia-se que a hipertensão e a diabetes estavam relacionadas com o excesso de gordura abdominal (obesidade andróide) no chamado síndrome metabólico, mas desconhecia-se que a pressão arterial fosse factor de risco independente da diabetes.

David Cohen, cardiologista do Hospital Brigham and Women's de Boston (E.U.A.) foi o coordenador do estudo que seguiu 38000 mulheres não diabéticas durante dez anos. Os investigadores do referido hospital, da Faculdade de Medicina e da Escola de Saúde Pública de Harvard observaram que quase 10% destas mulheres tinham desenvolvido diabetes. Depois de analisarem vários factores como a idade, o tabagismo, o índice de massa corporal e a história familiar de diabetes, os investigadores concluiram que as mulheres hipertensas tinham três vezes mais probabilidades de virem a ser diabéticas. O motivo que poderá estar por trás desta relação é uma disfunção endotelial, isto é, uma alteração que afecta a camada interna dos vasos sanguíneos, que se dá tanto na diabetes como na hipertensão.

O estudo foi publicado no European Heart Journal.