Pular para o conteúdo principal

GORDURAS TRANS


Consumir alimentos gordos em excesso é um dos erros alimentares mais comuns e mais perigosos que se pratica nas sociedades modernas. A indústria usa e abusa da gordura para tornar os alimentos mais apetitosos e "inventou" uma gordura, que permite prolongar o tempo de vida dos alimentos, mas que é particularmente perigosa para a saúde. Refiro-me às gorduras trans ou gorduras hidrogenadas que são saturadas artificialmente com átomos de hidrogénio. A designação "trans" tem a ver com a disposição dos átomos de carbono na cadeia do ácido gordo. Assim, quando um ácido gordo tem uma ou mais ligações não saturadas (ligações duplas), as cadeias de carbono podem ter a disposição de “cunha” (cis) ou “sela” (trans).


A maioria dos ácidos gordos presentes nos alimentos tem a configuração cis, mas durante o processo de hidrogenação para transformar os óleos vegetais (que são líquidos à temperatura ambiente) em sólidos, ou por aquecimento dos alimentos ricos em gordura, formam-se ácidos gordos trans.

Os ácidos gordos trans aumentam o colesterol total e estão presentes principalmente nas margarinas vegetais de mesa e cozinha, natas para o café e fritos, bolos, gelados, bolachas e pão elaborados com margarinas deste tipo. A proliferação de restaurantes de comidas rápidas e o elevado consumo de alimentos embalados tem provocado um aumento significativo do consumo deste tipo de gorduras na população. A título de exemplo, a ingestão estimada de ácidos gordos trans nos EUA é de 8 a 13 gramas por dia em média, mas para os que se alimentam principalmente de comidas rápidas, a ingestão pode chegar aos 30 gramas por dia. Os efeitos negativos sobre o perfil lipídico verificam-se com ingestões de 20 a 40 gramas por dia.

O modo como podemos identificar os alimentos que contêm este tipo de gorduras é através da leitura dos rótulos, uma vez que estas não existem nos alimentos naturais. A nomenclatura utilizada na rotulagem é “gordura vegetal hidrogenada” ou “gordura vegetal parcialmente hidrogenada”. Sempre que um alimento contenha na lista de ingredientes qualquer destas inscrições, sabemos tratar-se de uma gordura trans prejudicial à saúde.
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Leite sem lactose não é para diabéticos

Ontem de tarde, durante a consulta de atendimento a diabéticos, um dos utentes pôs-me a questão se o leite sem lactose seria o melhor para os diabéticos. A dúvida faz todo o sentido uma vez que a lactose é o açúcar natural do leite. No entanto, este leite foi criado para pessoas intolerantes à lactose, que não digerem bem o leite por deficiente produção de lactase, a enzima necessária ao desdobramento da lactose.

Então porque é que é que o leite com 0% lactose não é bom para diabéticos?

A lactose é um hidrato de carbono complexo (dissacárido) formada por duas moléculas de hidratos de carbono simples, a glicose e a galactose (monossacáridos). O leite com 0% lactose não tem, de facto lactose, mas tem os seus constituintes, a glicose e a galactose, que são açúcares simples que fazem subir a glicémia (glicose no sangue) mais facilmente. Quem prova este leite não tem dúvidas: ele é mais doce e foi por isso que o referido doente estranhou e me apareceu com o pacote de leite sem lactose na mão…

COUVE LOMBARDA SALTEADA

Ontem para o jantar fiz couve lombarda salteada com bifinhos de peru grelhados.  É um prato super fácil de fazer que se prepara em 15 minutos.

INGREDIENTES (para quatro pessoas)
Meia couve lombarda
1 cenoura
2 colheres de sopa de azeite
2 dentes de alho
sal marinho q.b.

Depois de lavar a couve, corte-a em juliana. Descasque e rale a cenoura. 
Numa frigideira coloque o azeite e os alhos picados até estes começarem a fritar. Junte a couve, a cenoura e um pouco de sal. Deixe cozinhar cerca de oito minutos mexendo com frequência (se gostar da couve mais cozida deixe cozinhar mais tempo). Está pronto! 

Acompanhei com bifinhos de peru grelhados, temperados com pimenta, pouquíssimo sal, mas com muito sumo de limão. 

Esta couve também fica bem a acompanhar qualquer tipo de peixe.
Experimentem!

O segredo de cozinhar bróculos verdes e nutritivos

Do livro "A cozinha é um laboratório" (Fonte da Palavra, 2009) transcrevo alguns conselhos para bem cozinhar os brócolos evitando, dentro do possível, perdas de nutrientes e o desenvolvimento de cores e aromas indesejáveis: "Corte-os apenas na altura de serem introduzidos na água quente. Além de os cortar em pedaços, dê um golpe longitudinal nos pedúnculos. Estes cortes têm como objectivo acelerar a cozedura, dado aumentarem a área de exposição à água quente. Adicione os brócolos à água a ferver, com o lume no máximo. Para minimizar a perda de nutrientes e ter a melhor cor final, não use muita água, nem pouca... no meio é que está a virtude! Deixe o recipiente destapado nos primeiros minutos. Cozinhe-os durante apenas cerca de 5 minutos (ficam mais estaladiços e com uma cor mais bonita). Se não os for consumir logo, passe-os por água muito fria mal sejam tirados do lume, para parar todo o processo. Como melhor alternativa, coza os brócolos em vapor. O resultado será ainda melh…