Pular para o conteúdo principal

ALIMENTOS, NUTRIÇÃO, ACTIVIDADE FÍSICA E PREVENÇÃO DO CANCRO: Perspectiva Global


Um dia depois de ter postado sobre alimentação e prevenção de cancro chegou às minhas mãos o livro "Food, Nutrition, Physical Activity, and the Prevention of Cancer: a Global Perspective", produzido pelo World Cancer Research Fund e pelo American Institute for Cancer Research.
Mais de 7000 trabalhos científicos, que estabelecem relações entre dieta, actividade física, sobrepeso e risco de contrair cancro, estão na base das conclusões apresentadas neste livro. Estas conclusões reuniram o consenso de um painel de 21 especialistas de renome mundial, que analisaram trabalhos de pesquisa nesta área realizados ao longo de décadas.

O objectivo do World Cancer Research Fund Global Network é " ajudar as pessoas a fazer escolhas que reduzam o risco de desenvolver cancro". Transcrevo as 8 recomendações principais:

1 - Gordura Corporal: Estar, tanto quanto possível, dentro do peso adequado para a altura. O Indice de Massa Corporal (IMC) de um adulto médio deve situar-se entre 21 e 23;

2 - Actividade Física: A actividade física deve ser diária. Limitar actividades sedentárias como ver televisão, por exemplo.
A actividade física moderada equivale a 30 minutos de caminhada por dia;

3 - Alimentos e bebidas que promovem o aumento de peso: Limitar o consumo de alimentos com densidade energética elevada (com muita gordura e/ou açúcar). Evitar bebidas açucaradas nas quais se incluem os sumos de fruta. Este tipo de alimentos e bebidas têm contribuído para o aumento global da obesidade;

4-Alimentos de origem vegetal: Comer mais alimentos de origem vegetal. Um regime alimentar que inclui elevado e variado consumo de alimentos vegetais protege de vários tipos de cancros. Talvez porque os vegetais são alimentos ricos em variadíssimos nutrientes, em fibras e têm baixa densidade energética;

5-Alimentos de origem animal: limitar o consumo de carnes vermelhas e evitar a carne processada (enchidos e fumados). O consumo de carne vermelha não deve ser superior a 300 g por semana;

6-Bebidas alcoólicas: limitar o consumo de bebidas alcoólicas. Existem fortes indícios de que o consumo excessivo é responsável por diversos tipos de cancro;

7-Conservação, processamento e preparação: Limitar o consumo de sal para não exceder 5 g diários (corresponde a 2 g de sódio). Minimizar a exposição às aflotoxinas produzidas pelo bolor. Não comer os alimentos que ganharam bolor (pão, feijão, frutas...).
Existem fortes suspeitas de que o sal e alimentos conservados pelo sal são provavelmente causa de cancro de estômago e que os alimentos contaminados com aflotoxinas (produzidas pelos bolores) são uma das causas de cancro do fígado.

8-Suplementos alimentares: As necessidades nutricionais devem ser garantidas exclusivamente pelos alimentos (excepção apenas em algumas situações de doença ou de dieta desadequada). O elevado consumo de suplementos dietéticos pode ser protector, mas também pode ser causa de cancro.

Termino com a transcrição de duas recomendações especiais, que se referem à amamentação e a pessoas que sobreviveram ao cancro:

-Alimentação ao peito: As mães devem alimentar os seus bebés exclusivamente ao peito até aos seis meses (exclusivamente significa só leite materno, sem outro alimento ou bebida, incluindo a água). A amamentação protege ambos, a mãe e a criança.

-Sobreviventes do cancro (inclui todos, mesmo os que se encontram na fase activa do tratamento): Devem seguir as 8 recomendações para a prevenção do cancro. Pode haver, no entanto, situações específicas em que estes conselhos não se aplicam momentaneamente, pelo facto do tratamento comprometer a função gastrointestinal.
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Leite sem lactose não é para diabéticos

Ontem de tarde, durante a consulta de atendimento a diabéticos, um dos utentes pôs-me a questão se o leite sem lactose seria o melhor para os diabéticos. A dúvida faz todo o sentido uma vez que a lactose é o açúcar natural do leite. No entanto, este leite foi criado para pessoas intolerantes à lactose, que não digerem bem o leite por deficiente produção de lactase, a enzima necessária ao desdobramento da lactose.

Então porque é que é que o leite com 0% lactose não é bom para diabéticos?

A lactose é um hidrato de carbono complexo (dissacárido) formada por duas moléculas de hidratos de carbono simples, a glicose e a galactose (monossacáridos). O leite com 0% lactose não tem, de facto lactose, mas tem os seus constituintes, a glicose e a galactose, que são açúcares simples que fazem subir a glicémia (glicose no sangue) mais facilmente. Quem prova este leite não tem dúvidas: ele é mais doce e foi por isso que o referido doente estranhou e me apareceu com o pacote de leite sem lactose na mão…

COUVE LOMBARDA SALTEADA

Ontem para o jantar fiz couve lombarda salteada com bifinhos de peru grelhados.  É um prato super fácil de fazer que se prepara em 15 minutos.

INGREDIENTES (para quatro pessoas)
Meia couve lombarda
1 cenoura
2 colheres de sopa de azeite
2 dentes de alho
sal marinho q.b.

Depois de lavar a couve, corte-a em juliana. Descasque e rale a cenoura. 
Numa frigideira coloque o azeite e os alhos picados até estes começarem a fritar. Junte a couve, a cenoura e um pouco de sal. Deixe cozinhar cerca de oito minutos mexendo com frequência (se gostar da couve mais cozida deixe cozinhar mais tempo). Está pronto! 

Acompanhei com bifinhos de peru grelhados, temperados com pimenta, pouquíssimo sal, mas com muito sumo de limão. 

Esta couve também fica bem a acompanhar qualquer tipo de peixe.
Experimentem!

O segredo de cozinhar bróculos verdes e nutritivos

Do livro "A cozinha é um laboratório" (Fonte da Palavra, 2009) transcrevo alguns conselhos para bem cozinhar os brócolos evitando, dentro do possível, perdas de nutrientes e o desenvolvimento de cores e aromas indesejáveis: "Corte-os apenas na altura de serem introduzidos na água quente. Além de os cortar em pedaços, dê um golpe longitudinal nos pedúnculos. Estes cortes têm como objectivo acelerar a cozedura, dado aumentarem a área de exposição à água quente. Adicione os brócolos à água a ferver, com o lume no máximo. Para minimizar a perda de nutrientes e ter a melhor cor final, não use muita água, nem pouca... no meio é que está a virtude! Deixe o recipiente destapado nos primeiros minutos. Cozinhe-os durante apenas cerca de 5 minutos (ficam mais estaladiços e com uma cor mais bonita). Se não os for consumir logo, passe-os por água muito fria mal sejam tirados do lume, para parar todo o processo. Como melhor alternativa, coza os brócolos em vapor. O resultado será ainda melh…