Pular para o conteúdo principal

MODOS DE COMER - UM POUCO DE HISTÓRIA...


Transcrevo um texto,de Gérard Apfeldorfer, acerca da evolução do modo de comer da nossa civilização comparativamente com outras civilizações e outras épocas. A alimentação não é só o que se come, é também como se come. Vale a pena ler...

"A boa educação, na nossa sociedade e na nossa época, requer que tomemos as refeições sentados numa cadeira, em frente de uma mesa, com talheres, pratos e copos. Mas se tivéssemos vivido na boa sociedade romana, teríamos achado lícito comer languidamente reclinados. Nos países árabes, convém comer acocorados ou sentados no chão, e com os dedos. O uso do garfo ocidental que nos parece tão natural, apenas surgiu no século XVI e foi introduzido na Europa, pela influência dos florentinos, aliás como o uso de lavar as mãos antes de ir para a mesa. E mesmo assim, nesta época, o utensílio apenas servia para apanhar os pedaços de alimento na travessa, sendo os mesmos consumidos com os dedos.

O emprego de talheres está longe de ser anódino. Em primeiro lugar, as sensações produzidas pelos alimentos e o seu sabor, diferem consoante sejam consumidos com os dedos ou com um objecto de madeira, de plástico ou de metal. Facto que cada um poderá ter verificado no momento em que, num avião ou numa cadeia de restauração rápida, terá tentado desfrutar um daqueles deliciosos preparados semi-industriais com a ajuda de talheres de plástico.
Além disso, o emprego de talheres provoca um distanciamento em relação à comida. Ter de cortar pequenas porções, picá-las com o garfo, ter o cuidado, ao levá-las à boca, que não se desprenda nada para evitar sujar a roupa ou a toalha, tudo isso adia e disciplina a toma de alimentos.

Também podemos reparar que aquilo que para nós é requintado, não será percebido do mesmo modo em outros continentes. Como se sabe, na Ásia é através de pauzinhos que se leva a comida à boca. O lugar de um instrumento agressivo como a faca é na cozinha. Do mesmo modo, ter de usar violência para picar, perfurar a comida com um instrumento metálivo, e depois levá-la à boca é considerado como um costume bárbaro.

Por fim, convém distinguir aquilo que releva da alimentação festiva ou ritual, regida por costumes ou proscrições mais ou menos constrangedoras, e a alimentação no seu dia-a-dia, onde o mais importante é encher a barriga sem perder demasiado tempo.

A sanduíche proposta por Lorde Sandwich no século XVIII teve inúmeros predecessores. Desde sempre se manifestaram infinitas variações desta melodia: pão ou bolacha, com carne ou peixe, e diversos aromas. Da pizza italiana até ao hamburguer americano, passando pelo pan bagnat meridional, a pita síria, o chiche keufte grego. Todos são ingeridos rapidamente sem grandes preparos: os fish'n chips britânicos, as tapas espanholas - tapar el hambre, literalmente "cobrir a fome" - as diferentes tortilhas ou omeletas, assim como todos os tipos de farturas e frituras.

Trata-se de alimentos que podem ser comidos rapidamente, sem remorsos, sem coacção social, na maioria dos casos com os dedos, e eventualmente de pé e solitariamente."
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Leite sem lactose não é para diabéticos

Ontem de tarde, durante a consulta de atendimento a diabéticos, um dos utentes pôs-me a questão se o leite sem lactose seria o melhor para os diabéticos. A dúvida faz todo o sentido uma vez que a lactose é o açúcar natural do leite. No entanto, este leite foi criado para pessoas intolerantes à lactose, que não digerem bem o leite por deficiente produção de lactase, a enzima necessária ao desdobramento da lactose.

Então porque é que é que o leite com 0% lactose não é bom para diabéticos?

A lactose é um hidrato de carbono complexo (dissacárido) formada por duas moléculas de hidratos de carbono simples, a glicose e a galactose (monossacáridos). O leite com 0% lactose não tem, de facto lactose, mas tem os seus constituintes, a glicose e a galactose, que são açúcares simples que fazem subir a glicémia (glicose no sangue) mais facilmente. Quem prova este leite não tem dúvidas: ele é mais doce e foi por isso que o referido doente estranhou e me apareceu com o pacote de leite sem lactose na mão…

COUVE LOMBARDA SALTEADA

Ontem para o jantar fiz couve lombarda salteada com bifinhos de peru grelhados.  É um prato super fácil de fazer que se prepara em 15 minutos.

INGREDIENTES (para quatro pessoas)
Meia couve lombarda
1 cenoura
2 colheres de sopa de azeite
2 dentes de alho
sal marinho q.b.

Depois de lavar a couve, corte-a em juliana. Descasque e rale a cenoura. 
Numa frigideira coloque o azeite e os alhos picados até estes começarem a fritar. Junte a couve, a cenoura e um pouco de sal. Deixe cozinhar cerca de oito minutos mexendo com frequência (se gostar da couve mais cozida deixe cozinhar mais tempo). Está pronto! 

Acompanhei com bifinhos de peru grelhados, temperados com pimenta, pouquíssimo sal, mas com muito sumo de limão. 

Esta couve também fica bem a acompanhar qualquer tipo de peixe.
Experimentem!

O segredo de cozinhar bróculos verdes e nutritivos

Do livro "A cozinha é um laboratório" (Fonte da Palavra, 2009) transcrevo alguns conselhos para bem cozinhar os brócolos evitando, dentro do possível, perdas de nutrientes e o desenvolvimento de cores e aromas indesejáveis: "Corte-os apenas na altura de serem introduzidos na água quente. Além de os cortar em pedaços, dê um golpe longitudinal nos pedúnculos. Estes cortes têm como objectivo acelerar a cozedura, dado aumentarem a área de exposição à água quente. Adicione os brócolos à água a ferver, com o lume no máximo. Para minimizar a perda de nutrientes e ter a melhor cor final, não use muita água, nem pouca... no meio é que está a virtude! Deixe o recipiente destapado nos primeiros minutos. Cozinhe-os durante apenas cerca de 5 minutos (ficam mais estaladiços e com uma cor mais bonita). Se não os for consumir logo, passe-os por água muito fria mal sejam tirados do lume, para parar todo o processo. Como melhor alternativa, coza os brócolos em vapor. O resultado será ainda melh…