segunda-feira, 29 de outubro de 2007

NUTRIFORMAÇÃO

A Fundação Portuguesa de Cardiologia-Delegação Centro em parceria com a Escola de Hotelaria e Turismo de Coimbra organizaram um Workshop com o tema "Maneira de Confeccionar os Alimentos", que se vai realizar no dia 31 de Outubro pelas 18H00 na livraria Almedina-Estádio Cidade de Coimbra. Deixo-vos o programa e o modo de inscrição.





Inscrições através dos números 239 838 598; 962 038 875/6; Fax-239 827 996 ou por E-mail: fpc-centro@netcabo.pt da Fundação Portuguesa de Cardiologia.

sábado, 27 de outubro de 2007

ANOREXIA NERVOSA


A indústria da moda que tem nas últimas décadas criado estereótipos de beleza feminina dando particular ênfase à magreza, pareca agora querer contribuir para minimizar os efeitos que tem causado em milhares de adolescentes. Falo da anorexia nervosa que afecta raparigas adolescentes, com idades compreendidas entre os 13 e os 25 anos. O medo excessivo de engordar faz com que mantenham uma restrição alimentar quase total e que recorram frequentemente a laxantes, diuréticos e clisteres sempre que tentadas pela comida ou quando a magreza conseguida não corresponda ainda à imagem ansiada. A restrição alimentar continuada leva a situações graves de desnutrição que no extremo conduzem à morte.

A foto exibida nas ruas de Milão, durante a semana de moda que ali decorria, é de uma campanha da responsabilidade da marca de moda Nolita que teve a intenção de chocar o público alertando-o para um problema que se tem vindo a agravar em todas as sociedades. O fotógrafo Oliviero Toscani usou uma imagem demolidora do corpo subnutrido de uma modelo francesa, Isabelle Caro de 26 anos, que sofre de anorexia desde os 13.

quarta-feira, 24 de outubro de 2007

A FOME POR DENTRO


Transcrevo uma pequena parte de um artigo publicado na revista Quo espanhola intitulado "Abre os olhos e fecha a boca." O texto dá-nos a conhecer, de uma forma muito simples, os mecanismos da fome.
"Não depende só do que nos ensinaram os nossos pais. Algumas hormonas trabalham por sua conta para produzir apetite. Cada vez se sabe mais acerca delas.

Hipotálamo-É o regulador da fome e da saciedade no cérebro. Cientistas das Universidades de Vigo e de Santiago descobriram uma proteína capaz de bloquear a hormona grelina, que avisa o hipotálamo quando é hora de comer. Poderá comercializar-se em 2008.

Serotonina-Mensageiro que actua sobre neurónios que inibem a fome.

Gosto muito-Quando provamos algo que gostamos, produz-se uma descarga de dopamina, neurotransmissor associado com o prazer. Quando a visão e o olfato o detectam de novo, o cérebro recorda o prazer.

Quando faz falta-A leptina adverte da necessidade de nutrientes. Está relacionada com a quantidade de tecido adiposo no organismo. No entanto, às vezes, falha. Daí que os obesos, ainda que tenham muito tecido adiposo, podem continuar com fome.

Já não posso mais-Produzido no intestino, o peptideo YY3-36 é conhecido como a hormona anti-fome. Os seus níveis no sangue mantêm-se altos entre refeições.

A culpada-A grelina, também chamada hormona da fome, produz-se no estômago. Quando está vazio, "lembra" que é hora de comer.

Insulina-As pessoas com níveis altos experimentam uma grande sensação de fome que as leva a uma ingestão excessiva de alimentos.

Marian Benito, 04.09.2007

sexta-feira, 19 de outubro de 2007

SOJA COMBATE SINTOMAS DA MENOPAUSA



Menopausa é a interrupção fisiológica dos ciclos menstruais, devida à cessação da secreção hormonal (estrogénio) pelos ovários. Manifesta-se por uma série de alterações de natureza física, fisiológica e psicológica que se fazem sentir mais ou menos intensamente e que dependem, em grande parte, da alimentação e do estilo de vida adoptados.

Os afrontamentos, ondas súbitas de calor e suores, descrito pelas mulheres dos países ocidentais não têm eco do outro lado do mundo. Os cientistas repararam que a maioria das chinesas e das japonesas, cuja alimentação é particularmente rica em soja, não conhecem sequer a palavra afrontamento.

A explicação parece ser a presença, na soja, de uma molécula quimicamente semelhante ao estrogénio - a isoflavona -que por se ligar aos mesmos receptores do estrogénio faz atenuar os sintomas da menopausa.

A confirmar tudo isto, Santiago Palácios, presidente da Sociedade Espanhola de Menopausa, afirma que "as isoflavonas de soja reduzem os afrontamentos em 30 a 50 por cento, previnem a perda de massa óssea, reduzem o colesterol total, o colesterol LDL e os trigliceridos, melhoram a memória verbal e não têm efeitos secundários".

A comunidade médica europeia e norte-americana está rendida aos efeitos benéficos da isoflavona de soja, fitonutriente também designado fitoestrogénio, no combate aos sintomas da menopausa.

Sugestão: Rebentos de soja, quer na sopa, quer como ingrediente de uma boa salada mista ou juntamente com outros legumes salteados com azeite e alho, são muito agradáveis. Nutricionalmente fornecem, além da isoflavona, proteínas de boa qualidade sem perigo de colesterol associado.

quinta-feira, 18 de outubro de 2007

ALIMENTAÇÃO MEDITERRÂNICA


O interesse pela alimentação mediterrânica nasce nos anos 50 quando Ancel Keys, investigador americano, verifica que os povos dos países banhados pelo mar Mediterrâneo tinham baixa incidência de doenças cardiovasculares. Em 1959 publica uma primeira versão do livro "How to eat well and stay well, the mediterranean way" (Como comer bem e manter-se são à maneira mediterrânica), onde divulga uma forma aprazível e saudável de comer afinada ao longo de milénios de aperfeiçoamento empírico.

A alimentação mediterrânica, como padrão, refere-se à maneira que Keys encontrou nos anos 50 e 60, e que, ainda hoje é seguida por algumas comunidades da bacia oriental do Mediterrâneo do Sul da Itália, França, Grécia, Catalunha e Portugal.
Os traços comuns que caracterizam as variedades da alimentação mediterrânica podem resumir-se da seguinte forma:

-dia alimentar constituído por 4 a 5 refeições, ajustadas ao esforço físico a desempenhar;
-elevado consumo de pão, alimentos cerealíferos e leguminosas secas;
-produtos hortícolas e frutos em natureza sempre diferentes conforme a época;
-consumo moderado de carne, peixe e ovos;
-vinho traçado com água para acompanhar a refeição;
-consumo elevado de chá e infusões de ervas;
-um bom pequeno-almoço para começar o dia;
-o almoço 'maior' do que o jantar;
-refeições tranquilizantes e apaziguadoras;
-culinária simples e de pouco tempo de lume;
-azeite para temperar e, para cozinhar, também a banha;
-consumo modesto de lacticínios, mais frequente sob a forma de queijo e iogurte;
-durante todo o ano consumo de alhos, cebolas, frutos secos, azeitonas e sementes;
-os dias de festa bem diferentes dos dias comuns, com muita variedade e fartura.

Este modelo alimentar nutricionalmente rico,completo e equilibrado contribuiu, desde há milénios, para propiciar uma velhice sadia.

É importante não trocar estes conceitos válidos praticados desde sempre entre nós, por novos padrões e estilos de vida importados de países com nenhuma tradição de alimentação saudável.

terça-feira, 16 de outubro de 2007

DIA MUNDIAL DA ALIMENTAÇÃO


Comemora-se hoje o Dia Mundial da Alimentação sob o tema "O Direito à Alimentação". Este tema definido pela FAO, organismo das Nações Unidas para a agricultura e alimentação, "demonstra o crescente reconhecimento da comunidade internacional à erradicação da fome e da pobreza no mundo e à intensificação do desenvolvimento sustentável”.

O objectivo das comemorações do Dia Mundial da Alimentação, que iniciaram há 27 anos, é conseguir a atenção do mundo para fome e insegurança alimentar que afectam 800 milhões de pessoas. No entanto, a ameaça da obesidade no mundo desenvolvido, faz dela tema para a maioria das comemorações um pouco por todo o país.

Relembro hoje o meu professor Dr. Emílio Peres, comunicador carismático, que desapareceu prematuramente em Outubro de 2003. Transcrevo um pequeno texto da sua autoria intitulado "O Elogio da Sopa", publicado na revista de Alimentação Humana, em 1997.

"A sopa, tal como a nossa tradição a concebe, é soberba manifestação da cultura mediterrânica por duas razões: pelo modo como se confecciona, e pelo facto de conjugar variados alimentos, predominantemente de origem vegetal. Desde logo, a fervura em mais de sete minutos destrói agentes prejudiciais à saúde que possam, eventualmente, estar nos vegetais e na água. Depois, a fervura em mais de nove minutos, a cerca de 100ºC, destrói, inactiva ou abranda os efeitos de factores anti-nutritivos, tóxicos e alergizantes de ocorrência natural. Quanto ao valor nutricional a sopa é imbatível. O caldo nem se limita a ser harmonizador metabólico, nem a mero veículo de nutrimentos. É autêntica tisana medicinal!(...)"

sexta-feira, 12 de outubro de 2007

A NOVA RODA DOS ALIMENTOS


A primeira "Roda dos Alimentos" foi criada em 1977 para a campanha de educação alimentar "Saber comer é saber viver" e é uma imagem ou representação gráfica que serve de guia para a escolha alimentar diária.

A nova Roda dos Alimentos é composta por 7 grupos de alimentos de diferentes dimensões, os quais indicam a proporção com que cada um deles deve estar presente na alimentação diária. Os algarismos em frente a cada grupo representam as porções diárias recomendadas, mas dependem das necessidades energéticas individuais.

Assim, as crianças de 1 a 3 anos devem guiar-se pelos limites inferiores e os homens activos e rapazes adolescentes pelos limites superiores; a restante população deve orientar-se pelos valores intermédios.

Quanto é uma porção?

CEREAIS e DERIVADOS, TUBÉRCULOS - 4 a 11 porções/dia
Uma porção é igual a:
1 fatia fina de broa (70g)
1 pão de trigo ou mistura (papo seco) (40g)
1 e 1/2 batata - tamanho médio (125g)
5 colheres de sopa de cereais de pequeno-almoço (35g)
6 bolachas - tipo Maria / água e sal (35g)
2 colheres de sopa de arroz / massa crus (35g)
4 colheres de sopa de arroz / massa cozinhados (110g)

HORTÍCOLAS - 3 a 5 porções/dia
Uma porção é igual a:
2 chávenas almoçadeiras de hortícolas crus (180g)
1 chávena almoçadeira de hortícolas cozinhados (140g)

FRUTA - 3 a 5 porções/dia
Uma porção é igual a:
1 peça de fruta - tamanho médio (160g)

LACTICÍNIOS - 2 a 3 porções/dia
Uma porção é igual a:
1 chávena almoçadeira de leite (250ml)
1 iogurte líquido ou 1 e 1/2 iogurte sólido (200g)
2 fatias finas de queijo (40g)
1/4 de queijo fresco - tamanho médio (50g)
1/2 requeijão - tamanho médio (100g)

CARNE, PESCADO e OVOS - 1,5 a 4,5 porções/dia
Uma porção é igual a:
Carnes / pescado crus (30g)
Carnes / pescado cozinhados (25g)
1 ovo - tamanho médio (55g)

LEGUMINOSAS - 1 a 2 porções/dia
Uma porção é igual a:
1 colher de sopa de leguminosas secas cruas (ex: grão de bico, feijão, lentilhas) (25g)
3 colheres de sopa de leguminosas frescas cruas (ex: ervilhas, favas) (80g)
3 colheres de sopa de leguminosas secas / frescas cozinhadas (80g)

GORDURAS e ÓLEOS - 1 a 3 porções/dia
Uma porção é igual a:
1 colher de sopa de azeite / óleo (10g)
1 colher de chá de banha (10g)
4 colheres de sopa de nata (30ml)
1 colher de sobremesa de manteiga / margarina (15g)


BEBIDAS
Embora a água seja a melhor bebida para satisfazer a sede, pode também recorrer-se a outras bebidas que não contenham adição de açúcar, álcool ou cafeína. Os sumos de fruta naturais e os chás sem cafeína (camomila, cidreira, limão, tília...) são exemplos destas bebidas.

O café, alguns chás e refrigerantes contêm cafeína, substância estimulante cuja ingestão deve ser limitada a um máximo de 300mg por dia. No caso de crianças e adolescentes o seu consumo está desaconselhado

Teores médios de cafeína (mg)
1 Café cheio (125mg) 1 Refrigerante de Cola (46mg)
1 Café médio (115mg) 1 Chávena de Chá (36mg)
1 Café curto (104mg) 1 Descafeínado (2mg)

As bebidas alcoólicas contêm por definição, álcool etílico ou etanol. O seu consumo é totalmente desaconselhado a crianças, jovens, grávidas e aleitantes.

Os adultos saudáveis podem consumi-las com moderação a acompanhar as refeições principais (almoço e jantar).

terça-feira, 9 de outubro de 2007

DIA MUNDIAL DA ALIMENTAÇÃO-16 de OUTUBRO


INSCRIÇÕES ABERTAS PARA A SESSÃO INFORMATIVA - DIA MUNDIAL DA ALIMENTAÇÃO

A Sessão Informativa surge no âmbito da comemoração do Dia Mundial da Alimentação que se assinala no dia 16 de Outubro. As inscrições estão abertas até 10 de Outubro, na Divisão de Habitação Social (Centro Cultural e de Congressos de Aveiro) de Segunda a Sexta-feira, das 9.30 às 12.00 horas e das 14.00 às 16.00 horas; no Gabinete de Intervenção Local (Urbanização de Santiago) às Terças-feiras, das 14.00 às 17.30 horas e Quintas-feiras, das 09.00 às 12.30 horas, ou nas Juntas de Freguesia.

Organizada pela Câmara Municipal de Aveiro esta iniciativa conta com o apoio do Hospital Infante D. Pedro – Aveiro; Liga dos Amigos do Coração – Aveiro; Juntas de Freguesia; Irmãs Auxiliadoras da Caridade e Florinhas do Vouga e destina-se aos moradores residentes em habitação social, sendo extensível à comunidade em geral.

A sessão informativa sobre os benefícios de uma alimentação saudável será acompanhada de rastreios de despiste dos factores de risco das doenças cardiovasculares – medição da tensão arterial, glicémia, colesterol, peso e índice de massa corporal.

Programa:

14.50 horas – Sessão de Abertura – Miguel Capão Filipe – Vereador da Câmara Municipal de Aveiro;

15.00 horas – “A Importância da Alimentação no Tratamento da Diabetes” – Isabel Albuquerque – Hospital Infante D. Pedro – Aveiro;

15.20 horas – “A Alimentação e as Doenças Cardiovasculares” – Rogério leitão – Liga dos Amigos do Coração – Aveiro;

16.00 horas – Intervalo

16.10 horas – “Como Comer para Viver Melhor” – Luciana Cipriano – Câmara Municipal de Aveiro;

16.30 horas – Debate – Moderador – Adriano Almeida – Câmara Municipal de Aveiro

Das 14.30 às 17.30 horas – Realização de Rastreios:

- Despiste dos factores de risco das doenças cardiovasculares – medição da tensão arterial, glicemia e colesterol;

- Peso e Índice de Massa Corporal.

EXPOSIÇÃO "MENINOS GORDOS..."


O Museu Antropológico da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra (FCTUC), em parceria com o Serviço de Endocrinologia, Diabetes e Metabolismo dos Hospitais da Universidade de Coimbra tem o privilégio de acolher a exposição "MENINOS GORDOS: CONTAR UMA HISTÓRIA ATRAVÉS DA FAIANÇA" entre os dias 28 de Setembro e 14 de Dezembro de 2007 no seguinte horário: 2ª a 6ª feira das 9H30 às 12H00 e das 14H30 às 17H00; último fim-de-semana de cada mês das 14H00 às 18H00.

Esta exposição conta a história de dois irmãos, Ana e Mateus Perrero, nascidos em Piemonte (norte de Itália) que devido à obesidade extrema de ambos (Ana pesava 129 quilos e Mateus 201 quilos) e a sua altura muito superior à média (1,37m e 1,52m) foram exibidos como atracções de feira e de circo por toda a Europa.

Estiveram em Portugal, na corte de D.Maria II, em 1842 e a passagem pelo norte do país destes dois irmãos "belos, gigantes e gordos" causaram tanto espanto e admiração que deram origem a várias peças de faiança inspiradas na sua história: pratos, canecas e paliteiros, hoje peças raras de colecção que marcaram para sempre a sua passagem entre nós.

Algumas destas peças fazem agora parte da exposição "MENINOS GORDOS: CONTAR UMA HISTÓRIA ATRAVÉS DA FAIANÇA" que pode ser vista em Coimbra, mas que já foi apresentada no Museu Alberto Sampaio (MAS) em Guimarães, Museu de Olaria em Barcelos, Museu Municipal de Esposende e Museu Nacional Soares dos Reis no Porto.

Associado a esta iniciativa realiza-se um Ciclo de Conferências:

*17 de Outubro de 2007, 14h 30m

*Os “excessos da natureza” e a paixão do coleccionador*
Manuel Laranjeira Rodrigues de Areia, Departamento de Antropologia, Universidade de Coimbra

*15h 15m*

*Meninos gordos: todos diferentes todos iguais*
Dírcea Rodrigues, Serviço de Endocrinologia, Diabetes e Metabolismo, Hospitais da Universidade de Coimbra

*22 de Novembro de 2007, 19h

*Meninos Gordos: contar uma história através da faiança*
Isabel Maria Fernandes, Directora do Museu de Alberto Sampaio - Guimarães

*28 de Novembro de 2007, 14h 30m

*Quando a gordura começa a deixar de ser formosura*
Irene Vaquinhas, Faculdade de Letras, Universidade de Coimbra

*15h 15m

*Escola de pais, saúde de filhos*
Júlia Figueiredo, Serviço de Endocrinologia, Diabetes e Metabolismo, Hospitais da Universidade de Coimbra

5 de Dezembro de 2007, 14h 30m

*Actividade Física, sedentarismo e obesidade. Que relações?*
Jorge Mota, Centro de Investigação em Actividade Física, Saúde e Lazer, Faculdade de Desporto da Universidade do Porto

*15h 15m

*Do saltar à corda à PlayStation: obesidade infantil numa perspectiva biocultural*
Cristina Padez, Departamento de Antropologia, Universidade de Coimbra

Entrada livre
Local - Departamento de Antropologia - Anfiteatro 1
FCTUC, Tel. 239 829 051

terça-feira, 2 de outubro de 2007

MODOS DE COMER - UM POUCO DE HISTÓRIA...


Transcrevo um texto,de Gérard Apfeldorfer, acerca da evolução do modo de comer da nossa civilização comparativamente com outras civilizações e outras épocas. A alimentação não é só o que se come, é também como se come. Vale a pena ler...

"A boa educação, na nossa sociedade e na nossa época, requer que tomemos as refeições sentados numa cadeira, em frente de uma mesa, com talheres, pratos e copos. Mas se tivéssemos vivido na boa sociedade romana, teríamos achado lícito comer languidamente reclinados. Nos países árabes, convém comer acocorados ou sentados no chão, e com os dedos. O uso do garfo ocidental que nos parece tão natural, apenas surgiu no século XVI e foi introduzido na Europa, pela influência dos florentinos, aliás como o uso de lavar as mãos antes de ir para a mesa. E mesmo assim, nesta época, o utensílio apenas servia para apanhar os pedaços de alimento na travessa, sendo os mesmos consumidos com os dedos.

O emprego de talheres está longe de ser anódino. Em primeiro lugar, as sensações produzidas pelos alimentos e o seu sabor, diferem consoante sejam consumidos com os dedos ou com um objecto de madeira, de plástico ou de metal. Facto que cada um poderá ter verificado no momento em que, num avião ou numa cadeia de restauração rápida, terá tentado desfrutar um daqueles deliciosos preparados semi-industriais com a ajuda de talheres de plástico.
Além disso, o emprego de talheres provoca um distanciamento em relação à comida. Ter de cortar pequenas porções, picá-las com o garfo, ter o cuidado, ao levá-las à boca, que não se desprenda nada para evitar sujar a roupa ou a toalha, tudo isso adia e disciplina a toma de alimentos.

Também podemos reparar que aquilo que para nós é requintado, não será percebido do mesmo modo em outros continentes. Como se sabe, na Ásia é através de pauzinhos que se leva a comida à boca. O lugar de um instrumento agressivo como a faca é na cozinha. Do mesmo modo, ter de usar violência para picar, perfurar a comida com um instrumento metálivo, e depois levá-la à boca é considerado como um costume bárbaro.

Por fim, convém distinguir aquilo que releva da alimentação festiva ou ritual, regida por costumes ou proscrições mais ou menos constrangedoras, e a alimentação no seu dia-a-dia, onde o mais importante é encher a barriga sem perder demasiado tempo.

A sanduíche proposta por Lorde Sandwich no século XVIII teve inúmeros predecessores. Desde sempre se manifestaram infinitas variações desta melodia: pão ou bolacha, com carne ou peixe, e diversos aromas. Da pizza italiana até ao hamburguer americano, passando pelo pan bagnat meridional, a pita síria, o chiche keufte grego. Todos são ingeridos rapidamente sem grandes preparos: os fish'n chips britânicos, as tapas espanholas - tapar el hambre, literalmente "cobrir a fome" - as diferentes tortilhas ou omeletas, assim como todos os tipos de farturas e frituras.

Trata-se de alimentos que podem ser comidos rapidamente, sem remorsos, sem coacção social, na maioria dos casos com os dedos, e eventualmente de pé e solitariamente."