Pular para o conteúdo principal

A COR DOS ALIMENTOS


Uma alimentação protectora e preventiva de doenças degenerativas e cardiovasculares está intimamente associada à ingestão diária de quantidades significativas de alimentos ricos em fitonutrientes, i.é., nutrientes essenciais de origem vegetal.
As várias cores que compõem a banca das frutas e vegetais no mercado, além do quadro agradável que proporciona a quem passa, têm significado e muito interesse do ponto de vista nutricional:

ALIMENTOS VERDES: são normalmente ricos em vitaminas C e E, ácido fólico, carotenóides e selénio. Ajudam a aumentar as defesas do organismo, regulam o intestino e têm potencialmente acção anticancerígena: bróculos, alface, espinafres, ervilhas, feijão verde, couve-bruxelas, repolho, agriões, nabiças, grelos, salsa, coentros, pimentos verdes, kiwi...

ALIMENTOS VERMELHOS: contêm vitamina C e carotenóides (licopeno-responsável pela cor vermelha) de comprovada acção antioxidante e, potencialmente anticancerígena, ou ambas: tomates, morangos, melancias, cerejas, ginjas, pimentos vermelhos, framboesas, groselhas, ameixas vermelhas...

ALIMENTOS COR-DE-LARANJA E AMARELOS: ricos em beta-caroteno, pro-vitamina A, vitaminas C e E de reconhecidas propriedades antioxidantes, que fazem bem à pele, aos olhos e são importantes na fase de crescimento e no estímulo do sistema imunitário: cenouras, abóbora, laranjas, tangerinas, nectarinas, abacate, papaia, maracujá, alperces, manga, pêssegos, ananás, milho, batata doce, melão...

ALIMENTOS VIOLETA E AZUIS: têm na sua constituição importantes substâncias antioxidantes chamadas flavonóides, cujas propriedades protectoras e retardadoras do envelhecimento, foram já demonstradas. São ainda fornecedores de quantidades significativas de ferro e magnésio: mirtilos, uvas pretas, ameixas, beringelas com casca, couve-roxa, beterraba...

ALIMENTOS BRANCOS: neste grupo incluem-se os frutos cujo interior é branco. Contêm quantidades muito significativas de vitaminas e minerais de acção antioxidante e de outros constituintes bioactivos com potencial acção anticancerígena: maçãs, peras, bananas, alhos, cebolas, batatas, endívias, couve-flor, alho fancês, cogumelos, nabos, rabanetes...

Com base no interesse aqui demonstrado das diferentes cores, e a variedade disponível nesta época do ano, vale a pena introduzir cor todos os dias e em todas as refeições.

As saladas podem ser a base das refeições principais, constituindo uma dieta natural à base de alimentos crus, muito saudável e que, segundo alguns autores, constitui um processo de desintoxicação ("limpeza" de toxinas) do organismo.

Faça saladas mistas em que pode incluir alface, couve-roxa, feijão verde, tomate, pepino, cebola, cenoura, alho, milho, pimentos verdes, vermelhos ou amarelos, abobrinhas, salsa, coentros, maçã, ananás, kiwi, e frutos secos como pinhões, nozes, amêndoas, nozes, passas de uva... enfim um número ilimitado de alimentos vegetais que se podem conjugar ao gosto e imaginação de cada um, tornando a alimentação protectora porque mais rica, mais variada, mais atraente e, porque não, mais colorida!
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Leite sem lactose não é para diabéticos

Ontem de tarde, durante a consulta de atendimento a diabéticos, um dos utentes pôs-me a questão se o leite sem lactose seria o melhor para os diabéticos. A dúvida faz todo o sentido uma vez que a lactose é o açúcar natural do leite. No entanto, este leite foi criado para pessoas intolerantes à lactose, que não digerem bem o leite por deficiente produção de lactase, a enzima necessária ao desdobramento da lactose.

Então porque é que é que o leite com 0% lactose não é bom para diabéticos?

A lactose é um hidrato de carbono complexo (dissacárido) formada por duas moléculas de hidratos de carbono simples, a glicose e a galactose (monossacáridos). O leite com 0% lactose não tem, de facto lactose, mas tem os seus constituintes, a glicose e a galactose, que são açúcares simples que fazem subir a glicémia (glicose no sangue) mais facilmente. Quem prova este leite não tem dúvidas: ele é mais doce e foi por isso que o referido doente estranhou e me apareceu com o pacote de leite sem lactose na mão…

COUVE LOMBARDA SALTEADA

Ontem para o jantar fiz couve lombarda salteada com bifinhos de peru grelhados.  É um prato super fácil de fazer que se prepara em 15 minutos.

INGREDIENTES (para quatro pessoas)
Meia couve lombarda
1 cenoura
2 colheres de sopa de azeite
2 dentes de alho
sal marinho q.b.

Depois de lavar a couve, corte-a em juliana. Descasque e rale a cenoura. 
Numa frigideira coloque o azeite e os alhos picados até estes começarem a fritar. Junte a couve, a cenoura e um pouco de sal. Deixe cozinhar cerca de oito minutos mexendo com frequência (se gostar da couve mais cozida deixe cozinhar mais tempo). Está pronto! 

Acompanhei com bifinhos de peru grelhados, temperados com pimenta, pouquíssimo sal, mas com muito sumo de limão. 

Esta couve também fica bem a acompanhar qualquer tipo de peixe.
Experimentem!

O segredo de cozinhar bróculos verdes e nutritivos

Do livro "A cozinha é um laboratório" (Fonte da Palavra, 2009) transcrevo alguns conselhos para bem cozinhar os brócolos evitando, dentro do possível, perdas de nutrientes e o desenvolvimento de cores e aromas indesejáveis: "Corte-os apenas na altura de serem introduzidos na água quente. Além de os cortar em pedaços, dê um golpe longitudinal nos pedúnculos. Estes cortes têm como objectivo acelerar a cozedura, dado aumentarem a área de exposição à água quente. Adicione os brócolos à água a ferver, com o lume no máximo. Para minimizar a perda de nutrientes e ter a melhor cor final, não use muita água, nem pouca... no meio é que está a virtude! Deixe o recipiente destapado nos primeiros minutos. Cozinhe-os durante apenas cerca de 5 minutos (ficam mais estaladiços e com uma cor mais bonita). Se não os for consumir logo, passe-os por água muito fria mal sejam tirados do lume, para parar todo o processo. Como melhor alternativa, coza os brócolos em vapor. O resultado será ainda melh…